Oi, o que você está procurando?

Oportunidade

Usina da região contrata para iniciar moagem a partir de junho

Direção estima moer inicialmente 450 mil toneladas de cana; capacidade é para 1 milhão; são ofertadas 150 vagas de emprego para diversos cargos

Diretores da Usina Nova Aliança anunciam uma boa notícia para Penápolis e região. Com a contratação de frentes de trabalho, a indústria deverá iniciar o processo de moagem ainda neste primeiro semestre de 2021. A previsão é de colocar a usina para funcionar entre o dia 1º e 10 de junho. Mesmo em frente às incertezas econômicas e a crise pandêmica causada pelo novo coronavírus (Covid-19), o grupo empresarial decidiu iniciar suas atividades.

A Aliança fica às margens da rodovia Assis Chateaubriand (SP-425), entre os municípios de Penápolis e Braúna. Com a operacionalização, a cidade volta a ter uma usina de açúcar e álcool, uma vez que perdeu a Campestre e depois a Clealco, que havia adquirido o Parque Industrial da antiga Companhia Açucareira de Penápolis.

O setor sucroalcooleiro sempre foi importante na geração de empregos e movimentação da economia local. A confirmação partiu do empresário Roberto Sodré Vianna Egreja, que lidera o grupo empresarial proprietário da Aliança. A Nova Aliança produzirá açúcar e álcool.

De acordo com o empresário, serão empregados, ao menos, 200 colaboradores diretos, nas diversas áreas de produção. Ao longo dos últimos três anos, ao menos 80 funcionários vinham trabalhando no complemento da instalação e revisão do maquinário.

Neste primeiro ano, de forma reduzida frente a sua capacidade de moagem, estimam-se processar 450 mil toneladas de cana-de-açúcar. “Essa estimativa se deve às incertezas da economia. É pouco para a capacidade de moagem, o que até causa incertezas quanto à manutenção da empresa, mas é preciso acreditar e começar o trabalho”, disse Egreja.

Capacidade

Pelas projeções, a nova usina precisa atingir a marca de 800 mil toneladas/safra para se manter por vários anos. Mas, conforme o empresário, a meta é atingir e ficar na capacidade de 1 milhão de toneladas em cada ano de moagem.

A Aliança já deveria ter iniciado a produção em 2019, mas o cenário ainda era de dificuldades no ambiente canavieiro, com contratos firmados pelos produtores com usinas da região. Egreja explicou que também não teve volume para o “start” no ano passado, que acabou ainda prejudicado pela pandemia.

“A despeito de não se ter muita cana e ainda vivenciarmos uma situação de emergência sanitária mundial, decidimos de forma conjunta que era preciso começar. Estamos neste momento abrindo mão de rentabilidade na venda da cana, com sacrifício talvez de até perdermos dinheiro, mas isso fará a empresa iniciar sua atividade industrial, e mais do que isso, voltaremos a ter uma usina sucroalcooleira novamente em Penápolis e de Penápolis”, explicou.

Os produtores do município fornecem cana para usinas da região, distantes entre 80 e 100 quilômetros. “Perdemos a usina da cidade, mas não ser perdeu a produção canavieira que continua sendo cultivada. Agora é olhar para frente e nós estamos já buscando negociações com os produtores locais e da região para que possam vir com a gente, e antes de vender para outras usinas conversem primeiro com a Aliança”, destacou.

Há 20 anos, ao menos, um grupo de fornecedores de cana-de-açúcar começou a implantação da nova usina penapolense, que recebeu o nome de Evereste. Porém, devido a uma série de problemas acabou inviabilizando o início da sua atividade industrial. Egreja passou a fazer parte do grupo acionista há quatro anos, adquirindo alguns ativos da empresa e propondo, a partir dessa condição de acionista, uma parceria com os demais 18.

Oportunidades

Na última quarta-feira (31), foi realizada uma visita na usina para conversar sobre as 150 vagas de emprego que estão sendo ofertadas para os diversos cargos.

Foram ao local o chefe de serviço de Inicialização do Trabalho, Pablo Ambrosio Ianela, e a diretora do PAT (Posto de Atendimento ao Trabalhador), Solange Arriero.

Na empresa, os representantes do poder público foram recepcionados pelo diretor Carlos Roberto da Silva, o Betão, que apresentou a usina e a programação para a primeira moagem da unidade.

Segundo ele, a empresa abriu vagas para contratação de aproximadamente 150 funcionários em diversos cargos principalmente na produção industrial. O processo seletivo já foi iniciado e as entrevistas são realizadas na própria unidade.

As vagas de trabalho são para setores como destilaria, vinhaça, fábrica (cozimento), mecânica industrial, calderaria, elétrica/automação, geração de energia, extração/recepção, laboratório, balança, entre outras funções.

Serviço

Os interessados nas vagas devem enviar os currículos pela internet, para o endereço: [email protected] É necessário colcoar no assunto “Vagas Usina Aliança”. Em caso de dúvida, o whatsapp do Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Penápolis é o (18) 3652.0603.

 

 

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
31