Oi, o que você está procurando?

PANDEMIA

Casos de Covid caem após 15 dias de confinamento em Araraquara

Segundo a prefeitura, percentual de exames que testaram positivo caiu de 50% para 23%.

© Divulgação/Prefeitura de Araraquara

Quinze dias após Araraquara (SP) decretar ‘lockdown’, a Secretaria Municipal da Saúde consegue apontar alguns resultados positivos na medida que fechou a cidade e proibiu a circulação de moradores sem justificativa. O município enfrenta uma crise hospitalar. A taxa de ocupação dos leitos chegou a 100% nas últimas semanas e, segundo a prefeitura, a situação pode ter relação com a identificação da variante brasileira do novo coronavírus em 29 pacientes.

Um estudo do Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade de São Paulo encontrou a variante em 93% dos casos analisados na cidade.

“A gente saiu de quase 50% dos testes positivados para 23%. Hoje, estamos colhendo os frutos do ‘lockdown’ com a diminuição do número de casos. Foi um fruto doído, mas bem recebido porque mostra que a gente conseguiu diminuir a transmissão. A gente tira a lição do quanto é importante o isolamento social”, avalia a secretária Eliana Honain.

A meta principal era diminuir a circulação do vírus e o primeiro indicador a ter redução – o número de contaminações – aponta exatamente nessa direção. O lockdown foi iniciado em 21 de fevereiro, um dia após Araraquara bater recorde de casos com 248 registros. Já no último boletim, divulgado na segunda-feira (8), 15 dias após o fechamento da cidade, foram registrados apenas 58 casos, somando 15.577 infectados desde o início da pandemia.

Mesmo que historicamente a segunda-feira seja um dia com baixo número de confirmações por causa da pouca liberação de resultados, a quantidade representa uma redução de 38,9% em relação ao mesmo dia da semana passada, quando foram confirmados 95 casos.

Até esta terça-feira (9), a circulação de veículos e pessoas na cidade de 240 mil habitantes é permitida apenas para a aquisição de produtos e prestação de serviços liberados pelo decreto municipal. Quem estiver na rua, tem que apresentar documento justificando a circulação, sob pena de ser multado em R$ 120.

Resultados

O início do lockdown marcou a interrupção na ascendência da curva de casos, que sofreu uma inversão e apresentou queda nestas duas semanas de confinamento mais rígido.

Fonte: Prefeitura Municipal (Foto: G1)

Mas o principal indicador apontado pela secretária de Saúde não é o número absoluto de casos e sim o percentual de positivos entre os testados. Nos quatro dias anteriores ao lockdown (18 a 21 de fevereiro) esse percentual variava entre 37% a 49%, já nos últimos quatro dias (4 a 7 de março) variou de 19% a 26%.

Os reflexos das restrições no número de óbitos, porém, ainda não aconteceram. Desde 10 de fevereiro, a cidade registra óbitos por Covid-19 todos os dias. Somente na segunda-feira, foram mais 6 óbitos.

Neste ano, 160 pessoas morreram de Covid-19, o correspondente a 63,5% de todos os óbitos causados pela doença na cidade em toda a pandemia.

Segundo Eliana, a redução nos óbitos ainda deve demorar por volta de dez dias. Isso devido à dinâmica da doença, que começa a se agravar entre o 8º e 10º dia após a contaminação.

“Ainda não há resultado no número de mortes porque os pacientes que vieram a óbito estavam internados há mais tempo, foram contaminados no período de maior transmissibilidade”, explicou. “É muito triste isso porque, se não fossem tantos contaminados, nós, com certeza, não teríamos esse número de óbitos.”
A ocupação das UTIs que ficou em 100% por dez dias também teve queda – na segunda-feira estava em 93% – , mas, nesse caso, o mérito foi muito mais da abertura de novos leitos do que da diminuição de internações.

Desde o início da pandemia, foram abertos 117 leitos exclusivos para a Covid-19 e há ainda previsão de mais com o acordo entre a prefeitura e uma igreja, onde serão instalados 17 leitos.

“Todos os dias a gente vem abrindo leitos, por isso que a gente acha que a ocupação não é o número perfeito para demonstrar o avanço da doença. Para a gente, o que mensura a situação é o número de pessoas internadas a cada dia”, afirmou Eliana.

Segundo ela, esse indicador também começou a cair no domingo (7). “Essa tendência tem que se manter por uns dez dias para que possamos dizer que estamos em declínio”, explicou.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
29