Oi, o que você está procurando?

Urgente

Presos fazem rebelião no presídio semiaberto de Mirandópolis

Também há registro de rebeliões em Sumaré, no interior de São Paulo e em Mongaguá, no litoral paulista

Rebelião e fuga no presídio de Mongaguá, litoral de São Paulo (Foto: Reprodução)

Presos do presídio semiaberto de Mirandópolis iniciaram uma rebelião no começo da noite desta segunda-feira (16). A unidade está cercada neste momento e não há registro de fuga.

Segundo as primeiras informações, os presos teriam se revoltado com a suspensão da saidinha de Páscoa  e de visitas no presídio por conta do risco de contágio do coronavírus.

No entanto, a causa do motim está sendo apurada. Presos colocaram fogo em materiais dentro da unidade. O Corpo de Bombeiros também foi acionado. Duas equipes de Araçatuba foram deslocadas para Mirandópolis.

Segundo o Sifuspesp (Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo), os detentos incendiaram quase toda a unidade.

Policiais da Força Tática de Andradina foram enviados para o local. Três equipes da Força Tática de Araçatuba também foram chamadas para dar apoio à operação. A segurança do presídio é feita pela PM e por agentes de segurança da penitenciária.

A polícia ainda não tem autorização para entrar no presídio. A determinação é que os policiais cerquem a unidade.

Everton Sodário, prefeito de Mirandópolis, divulgou um comunicado nas redes sociais pedindo para que a população tenha cautela até que a situação seja resolvida.

Outras rebeliões

Sumaré 

A unidade prisional de Sumaré, no interior de São Paulo, também  é alvo de rebelião na noite desta segunda-feira (16). A informação foi confirmada pela SAP (Secretaria de Administração Penitenciária) e pela Polícia Militar, mas ainda não há detalhes sobre o número de detentos envolvidos e se há feridos.

Mongaguá

Cerca de 400 presos do regime semi-aberto do Centro de Progressão Penitenciária de Mongaguá fugiram após se rebelar na tarde de hoje. O motivo da rebelião seria o cancelamento de uma saidinha que estava programada. Os presos chegaram a cantar enquanto fugiam e um deles prometeu “segunda-feira eu volto”.

Os presos que ainda estão amotinados fizeram 8 funcionários reféns.  Unidades da Rota e o helicóptero Águia da PM foram acionados para atuar no caso.

O Centro de Progressão Penitenciária Rubens Aleixo Sendin tem capacidade para 1640 presos em regime semi-aberto. Abriga hoje 2796 presos. É um dos 15 CPPs existentes no Estado de São Paulo.

De acordo com o Sifuspesp, há registro de motim  no  CPP Edgard Magalhães Noronha (Pemano), em Tremembé, e no CPP de Porto Feliz.

O RP10 acompanha os casos e outras informações poderão ser divulgadas a qualquer momento.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
55