Oi, o que você está procurando?

DRAMA

Família que perdeu tudo quando casa pegou fogo precisa de ajuda

Incêndio queimou violão de adolescente que estava começando a dar aulas

(Folha da Região) Uma família que havia perdido quase tudo após receber o calote de uma empresa que faliu, e estava vivendo em uma situação bastante delicada, acaba de perder o pouco que tinha e tenta uma nova chance para poder proporcionar o mínimo de conforto aos filhos, que há seis meses já viviam sem ter energia elétrica e água em casa. A residência semiacabada da família foi destruída por um incêndio no último dia 10 e todos ficaram apenas com a roupa do corpo.

O drama da família Silva começou há mais de um ano. O pintor Cleber Roberto Silva, de 40 anos, tinha uma pequena empresa com sete funcionários registrados. Ele prestava serviço para uma construtora, que acabou falindo. Parte do que tinha para receber da construtora ele pegou em um micro-caminhão importado, cujo motor fundiu. O pintor ficou com um crédito de R$ 18 mil e não tinha como pagar seus sete funcionários. Silva vendeu algumas coisas, foi atrasando as contas da casa, “tirou da boca dos filhos”, como ele mesmo diz, para honrar todos os compromissos.

Mesmo sem ter recebido da construtora ele pagou todos os funcionários antes de dispensá-los. Por outro lado, as contas domésticas foram se acumulando. Água e energia elétrica estavam cortadas há seis meses, por falta de pagamento.

E foi justamente a falta de energia elétrica que acabou provocando o incêndio que destruiu a casa da família. Duas velas estavam acesas no interior da residência. Cleber havia ido à igreja. Os filhos, um menino de 12 anos que é hiperativo e sofre com problemas de convulsão, e uma adolescente de 16 anos, também não estavam na casa.

A esposa de Cléber, Márcia, estava sentada na calçada, porque o dia estava muito quente e, a casa, na realidade uma edícula, tinha pouca ventilação. Quando Márcia percebeu, as labaredas já estavam altas. O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas quando chegou, as chamas tinham consumido tudo, móveis, eletrodomésticos, roupas e o que havia na pequena edícula, que tinha apenas uma cozinha, um banheiro e um quarto onde todos dormiam.

Silva diz que a família perdeu exatamente tudo e a casa já foi condenada pela Defesa Civil. Com ajuda de integrantes da igreja ele formalizou um pedido de auxílio na Secretaria Municipal de Assistência Social, e disse que teve resposta positiva para doação de materiais para reconstruir sua casa. No entanto, segundo ele, não inclui materiais de elétrica e hidráulica, os quais necessita de doação. O pintor disse que recebeu bastante doação de roupas e ganhou um fogão.

No entanto, ainda precisa de itens como guardaroupas, camas e eletrodomésticos. A família está morando em dois cômodos alugados, por R$ 300, em uma viela na frente da casa incendiada, onde ficaram alguns materiais que Cleber usa para seu atual trabalho, de reformar cadeiras, além de um galo, um gato e dois cães, que ficam debaixo de uma varanda improvisada. Ainda sem geladeira, Cleber conta com a ajuda de vizinhos e familiares, onde pega gelo para armazenar alguns mantimentos, e um irmão leva diariamente um galão térmico com água gelada.

ADOLESCENTE PERDEU VIOLÃO QUE USAVA PARA DAR AULAS

A filha de Cléber e Márcia, Larissa Vitória, de 16 anos, é um exemplo de jovem que muitos pais queriam em casa. A menina quase não sai e é muito dedicada aos estudos. Por conta da falta de energia, ela passava as noites estudando à luz de velas.

O passatempo de Larissa estava começando a se tornar uma fonte de renda. Ela faz aulas de violão há quatro anos e toca na igreja. Tinha acabado de pegar um aluno iniciante, mas seu violão foi consumido pelo fogo durante o incêndio, e a família não tem condições de comprar outro instrumento para a menina.

Ela estuda na escola Arantes Terra, faz curso profissionalizante no Senac e fala espanhol fluente, sendo que este ano vai se formar no curso do CEL (Centro de Estudos de Línguas) do Instituto Educacional Manoel Bento da Cruz (IE), onde estuda há quatro anos. DOAÇÕES As doações podem ser feitas na rua Xavier de Toledo, 244. Contato: (18) 99131-0701

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
31