CONECTE CONOSCO

Justiça

Empresário se entrega à Justiça 21 anos após tentar matar ex-mulher

Publicado em



O empresário Marcelo Fontenele Maia, acusado de tentar matar a ex-mulher Roberta Viana Carneiro, se entregou à Justiça na sexta-feira (13), 21 anos após o crime.

De acordo com a defesa do empresário, ele foi condenado a oito anos de prisão em regime semiaberto, sendo recolhido na Unidade Prisional Irmã Imelda Lima Pontes, em Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza.

Em dezembro de 1998, o empresário atirou contra Roberta, na época com 36 anos. O tiro atingiu a cabeça da vítima. O motivo do atentado seria o término do relacionamento entre os dois. A mulher sobreviveu, mas ficou com sequelas, como paralisia lateral e distúrbios psicológicos.

Em 2007, Marcelo Fontenele foi denunciado e condenado por tentativa de homicídio duplamente qualificado pelo Conselho de Sentença da 3ª Vara do Juri de Fortaleza. Na ocasião, foi sentenciado a nove anos e oito meses de reclusão. Em outubro de 2008, a defesa de Marcelo apelou para o TJCE, alegando “desistência voluntária e arrependimento eficaz”, pedindo desclassificação do crime de tentativa de homicídio para o crime de lesões corporais. O recurso foi negado, confirmando a decisão de 1º Grau.

Desde então, a defesa do empresário vem ingressando com recursos, evitando o encarceramento do acusado, que chegou a ser considerado foragido em 2016.

Ainda em meados de 2016, Marcelo Fontenele teve mandado de prisão expedido, mas o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Melo, suspendeu a ordem, considerando ser relevante o fato de o condenado ter atuado a fim de proteger a vida da vítima, o que configuraria arrependimento eficaz, conforme o Código Penal.

No dia 6 de setembro, um mandado de prisão condenatório foi expedido contra Marcelo Fontenele, uma vez que não cabiam mais recursos da decisão.

O advogado de defesa do empresário, Marcelo Pedrosa, afirma que após o início do cumprimento da pena a defesa vai avaliar as próximas medidas cabíveis.

Um ano depois do crime, a família de Roberta ingressou com processo na Justiça pedindo indenização por danos materiais, em razão das despesas da vítima com tratamentos médicos. A decisão saiu em março de 2016, determinando o pagamento de R$ 784,4 mil de indenização para a mulher.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Notícias ao Minuto
Anunciante

Pedofilia

Justiça mantém preso professor de religião suspeito de estupro no interior de SP

Publicado em

A Justiça decretou a prisão preventiva do professor de religião Marcos Bueno Ribeiro, de 41 anos. Ele é suspeito de abusar sexualmente de nove crianças em Amparo (SP). As informações são do G1.

Marcos trabalhava com a evangelização de crianças e adolescentes na 1ª Igreja Batista de Amparo. Depois de as denúncias virem à tona, nove vítimas o identificaram como o autor dos crimes.

O professor estava preso temporariamente desde 20 de setembro – o prazo para ficar detido acabaria nesse sábado (19). Ele responde pelo crime de estupro de vulnerável.

O suspeito começou a trabalhar na igreja em 2002, mas teria iniciado os abusos nos últimos três anos. As vítimas eram meninas de 8 a 12 anos de idade, pois, segundo ele, não entendiam o que estava ocorrendo.

À polícia, o professor contou que os crimes ocorriam “sempre que tinha a oportunidade de ficar sozinho” com as meninas, contou a delegada Leise Silva Neves.

“Ele disse que abusava dessas crianças porque elas não tinham conhecimento, então elas não iriam delatar às famílias o que ele fez”, completou.

Marcos Ribeiro está em uma unidade prisional de Sorocaba (SP), onde ficam condenados e suspeitos de crimes sexuais enviados pela Secretaria de Administração Penitenciária (SAP).

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

Urgente

Morre rapaz de 18 anos baleado no peito e na cabeça em Araçatuba

Publicado em

PM no local do crime, na rua Emília Santos, em Araçatuba (Foto: Silvio Romeiro/ Araçatuba Acontece)

Leonardo Henrique Silva Daora, o Leozinho, 18 anos, morreu na Santa Casa de Araçatuba, na tarde deste domingo (20). Ele havia sido baleado horas antes no bairro Rosele. A polícia procura envolvidos no homicídio. O crime ocorreu na Rua Emília Santos, na calçada da casa da vítima.

De acordo com as primeiras informações, o jovem teria sido atingido por pelo menos cinco tiros, no peito e a cabeça. O atirador chegou em uma moto e estava de capacete.

A vítima estava no quintal de casa mexendo em uma motocicleta. O acusado perguntou a um parente onde estava o Leonardo.

Ao ver o atirado, a vítima saiu correndo para fora de casa e foi baleada na calçada. Após atirar contra a vítima, fugiu em alta velocidade.

Mesmo ferido, o rapaz saiu correndo e tentou se abrigar na casa de um vizinho, onde caiu. Ele foi socorrido em estado gravíssimo pela viatura de resgate do Corpo de Bombeiros. O óbito foi constatado na Santa Casa.

Segundo o que foi apurado no local, uma das hipóteses é acerto de contas do tráfico. O corpo da vítima foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) para exame necroscópico.

DENÚNCIA

Informações sobre envolvidos no crime podem ser passadas à polícia por meio dos telefones 190 e 197. O denunciante não precisa se identificar.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998
79