Oi, o que você está procurando?

Preços agropecuários sobem 1,59% em fevereiro de 2017

Maior parte dos produtos apresentou altas significativas, acima do Índice de Preços Pagos pelos Produtores (IPP) dos últimos 12 meses (2,93%)

O índice de preços recebidos pelos agricultores paulistas (IqPR) registrou alta de 1,59% em fevereiro de 2017 na comparação com no mês de janeiro, quando houve queda de 2,49%. Separados por grupo de produtos, tanto o IqPR-V (grupo de produtos de origem vegetal) quanto o IqPR-A (grupo de produtos de origem animal) encerram o mês com altas de 1,4% e 2%, respectivamente, informa a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto de Economia Agrícola (IEA).

Os produtos que apresentaram as maiores elevações nas cotações do mês de fevereiro foram: batata (49,13%), ovos (20,16%), carne suína (20,09%), laranja para mesa (5,47%), tomate para mesa (4,96%) e cana (3,77%), destacam José Alberto Angelo, Danton Bini, Eder Pinatti, Priscilla Rocha Fagundes e Renata Martins Sampaio, pesquisadores da Secretaria de Agricultura que atuam no IEA. Já os produtos que apresentaram as maiores quedas foram: banana nanica (-28,59%), laranja para indústria (-22,29%), amendoim (-20%) e feijão (-8,67%).

Últimos 12 meses

No acumulado dos últimos 12 meses, o IqPR apresentou alta de 16,8%, por conta da forte valorização do IqPR-V, que subiu 21,78%. Já o IpPR-A teve menor aceleração, 4,09% no período. Os resultados das variações mostram que oito produtos recuaram suas cotações: batata (-64,06%), tomate para mesa (-48,24%), feijão (-46,17%), milho (-18,97%), trigo (-11,19%), soja (-3,5%), carne bovina (-3,69%) e carne de frango (-0,84%).

No entanto, a maior parte dos produtos apresentou altas significativas, acima do Índice de Preços Pagos pelos Produtores (IPP) dos últimos 12 meses (2,93%). No grupo de origem animal, apresentaram as maiores elevações: carne suína (55,13%), leite cru resfriado (21,28%) e ovos (7,83%). No grupo de produtos vegetais, os maiores percentuais foram para laranja para mesa (117,59%), laranja para indústria (82,42%), banana nanica (79,64%), amendoim (39,13%), cana-de-açúcar (23,07%), arroz (15,96%), algodão (6,13%) e café (5,29%).

Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, destaca que os levantamentos de preços ao produtor realizados pelo IEA são importantes balizadores para o mercado e o poder público. “A análise da evolução dos preços, juntamente com outras informações produzidas pelo Instituto, ajudam órgãos públicos e privados na formação durante os pregões de compras. Orientados pelo governador Geraldo Alckmin, estamos cada vez mais próximos do cidadão”, destacou.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!