Oi, o que você está procurando?

Banner Samar Eco
Banner Samar Eco

Alerta

Mulher morta após reação a tinta de cabelo sabia do risco, diz amiga

Em Goiás, auxiliar administrativa já havia recebido alerta de médicos para evitar procedimento no cabelo, diz amiga

Thais e Karine, que morreu após reação a tinta de cabelo (Foto: Thais Tomé/Acervo pessoal)

A mulher que morreu em Goiás após ter uma reação alérgica grave a tinta de cabelo havia recebido de médicos o alerta de que não poderia pintar os fios, contou uma amiga à reportagem. A auxiliar administrativa Karine de Oliveira Souza, de 34 anos, teve morte cerebral confirmada três dias depois do procedimento.

A Santa Casa de Catalão, onde a mulher morreu após ficar internada, a 260 quilômetros de Goiânia, liberou nesta segunda-feira (15/2) o corpo dela para o Instituto Médico Legal (IML). Ela ficou internada na unidade de terapia intensiva (UTI) do hospital, em estado gravíssimo.

“Aconteceu essa fatalidade, e a gente tenta encontrar um culpado para isso, mas não tem. Ela foi responsável por ter feito isso porque ela sabia que poderia acontecer de novo”, afirmou a auxiliar administrativa Thais da Costa Tomé, de 30, amiga de Karine havia nove anos.

De acordo com Thais, Karine era muito preocupada com a autoimagem. “Era muito vaidosa. Para ela, os fios brancos eram a morte”, afirma, reforçando que o desejo da mulher era manter os cabelos pretos.

Asmática e alérgica

Thais conta que Karine era asmática e começou a apresentar a alergia há cerca de quatro anos. “Ela pintava o cabelo, ficava melando a cabeça”, diz.

Na época, segundo a amiga, a mulher recebeu de um dermatologista a recomendação para não fazer mais o procedimento. Ficou seis meses sem pôr tinta nos fios e só melhorou depois de tomar medicamentos.

No entanto, Karine não seguiu a recomendação médica e precisou ser socorrida, às pressas, no dia 9 de dezembro de 2020, em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), logo após ter forte reação alérgica a uma tinta que aplicou no cabelo em casa.

“Ela ficou muito ruim, muito ruim mesmo. Deu crise de asma, fechou glote, teve que usar noradrenalina, corticoide. Foi bem sério mesmo”, afirma Thais. “O médico falou para ela no plantão que ela não poderia pintar o cabelo mais: ‘Se pintar o cabelo, você vai morrer’”, relata a amiga.

Passados 25 dias, Karine não desistiu da ideia de manter os cabelos sem fios brancos e avisou a amiga que havia comprado uma tinta importada antialérgica. Durante todo o procedimento, que durou 1h30, as duas ficaram conectadas por chamada de vídeo, para que houvesse socorro em caso de nova reação alérgica, o que não ocorreu.

“A tinta importada amenizava a reação, mas, mesmo assim, ela ficava avermelhada e se coçava”, diz Thais, que mantinha amizade muito próxima e intensa com Karine.

“Tudo muito rápido”

A amiga também relata que, na quarta-feira (10/2), recebeu novo recado de Karine dizendo que pintaria o cabelo com a mesma tinta importada que comprou, mas, conforme destaca, não avisou à cabeleireira sobre seu histórico de reação alérgica.

A mulher pediu à amiga para ficar atenta, com telefone celular ligado e não deixá-lo no silencioso, já que, do salão de beleza, ligaria para pedir socorro, caso precisasse. “A Karine estava ciente da alergia. Estava com medo de pintar o cabelo. Ela mandou mensagem para a minha mãe nesse mesmo dia”, acrescenta.

Foi tudo muito rápido. De acordo com Thais, Karine chegou ao salão de beleza às 18h15 de quarta-feira. Às 19h06, a cabeleireira mandou mensagem para a amiga avisando que a mulher estava desacordada no local. A ocorrência do Corpo de Bombeiros foi registrada às 18h40.

“Quando terminou de passar a tinta na raiz, ela pediu para a cabeleireira lavar, porque estava com coceira nas mãos e no couro cabeludo. Mesmo lavando o cabelo rapidamente, ela desacordou. Foi muito rápido, foi um choque anafilático mesmo”, conta Thais.

De acordo com a amiga, a situação foi muito “traumatizante”, porque, acrescenta, a cabeleireira tinha muito carinho por Karine. “Eu sei que a vontade dela era ficar com cabelo preto, mas não era morrer”, emenda.

Ela teve choque anafilático, parada cardiorrespiratória, infarto e, consequentemente, morte encefálica.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!