Oi, o que você está procurando?

COVID-19

A governadores, Pazuello promete 230 milhões de doses de vacinas até julho

Na conta, entraram acordos ainda não firmados, incluindo o imunizante russo Sputnik V e o indiano Covaxin

Agência Brasil

Pressionado por prefeitos e governadores, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou nesta quarta-feira (17/2), em reunião virtual com os governadores, que 230,7 milhões de doses de vacinas contra o novo coronavírus serão distribuídas até julho, entrando na conta acordos ainda não concluídos que incluem a Sputnik V e a Covaxin.

Segundo o cronograma apresentado, as próximas entregas aos estados acontecem ainda este mês, com a importação de 2 milhões de doses da Covishield (conhecida como a vacina de Oxford) da Índia e a liberação de 9,3 milhões da CoronaVac, produzidas pelo Instituto Butantan.

No entanto, as atualizações do Instituto Butantan não batem com as informadas pelo governo federal. Mais cedo, durante coletiva do governo de São Paulo, que precedeu a reunião com os governadores, o diretor do Butantan, Dimas Covas, informou que serão entregues em oito dias mais 3,4 milhões de doses da CoronaVac, a partir da próxima terça-feira (23/2). Ou seja, serão liberadas, em média, 426 mil doses por dia de 23 de fevereiro a 2 de março.

Com isso, a remessa enviada em fevereiro não atenderá nem metade do previsto em contrato para o mês. Dos 9,3 milhões de doses, estarão nas mãos do Ministério da Saúde (MS) aproximadamente 4,5 milhões, já contando com 1,1 milhão distribuído aos entes federativos na primeira semana do mês.

Além da remessa da CoronaVac, o Ministério da Saúde espera que cheguem até quinta-feira (25/2) mais 2 milhões de doses da Covishield, produzida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, que serão importadas da Índia. A informação foi confirmada pelo o governador do Piauí, Wellington Dias, presidente do Consórcio Nordeste e coordenador da temática de vacina no Fórum Nacional de Governadores.

“Até abril vamos totalizar 104 milhões de doses, o que é suficiente para imunizar os 50 milhões de brasileiros da primeira fase, onde está o grupo de maior risco. A expectativa de efeito é uma redução da pressão com internações e dos óbitos nesse grupo, que corresponde a cerca de 70% das hospitalizações e mortes. Até segunda-feira o ministro vai apresentar com sua equipe para todos os estados o cronograma do quantitativo para cada estado em relação ao que foi passado na reunião”, destacou Dias.

O cronograma apresentado por Pazuello também inclui negociações que ainda não foram fechadas oficialmente, com os laboratórios União Química/Gamaleya e Precisa/Bharat Biotech, que pretendem garantir a chegada da vacina russa Sputnik V e da indiana Covaxin, respectivamente. “A previsão é de que o contrato com os dois laboratórios seja assinado ainda nesta semana”, disse o ministério.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!