Oi, o que você está procurando?

ESTIAGEM

Região de Araçatuba completa 100 dias sem chuva e pode faltar água

O calor intenso fez de setembro de 2020 o mais quente dos últimos 59 anos em todo o estado de São Paulo, segundo o Cptec/Inpe

Cem dias sem chuvas. A marca foi registrada nessa terça-feira (6) na região de Araçatuba, segundo dados da estação meteorológica da Unesp de Ilha Solteira. De acordo com levantamento feito pela reportagem da Folha da Região nas prefeituras das principais cidades da região, um racionamento de água, ou pelo menos diminuição do fornecimento, não está descartado.

A Prefeitura de Araçatuba, por exemplo, ao ser questionada pela reportagem, afirmou que cortou momentaneamente a água de torneiras das praças públicas, como forma de economizar. Também tem feito trabalhos de conscientização internos, nos órgãos públicos, para racionalização.

Na última sexta-feira (2), a concessionária GS Inima Samar publicou um apelo à população de Araçatuba para que economize no consumo de água e a utilize de maneira racional durante esse período de seca prolongada e temperaturas diárias acima dos 40 graus.

“Por causa do forte calor, o consumo de água aumentou em 8% em setembro, o que representa mais 104 milhões de litros em relação ao mês de agosto”, disse a empresa em nota distribuída à imprensa.

A preocupação é com o Ribeirão Baguaçu, que abastece 70 bairros de Araçatuba, onde estão situados cerca de 50 mil imóveis e vivem mais de 120 mil pessoas. “O nível do ribeirão está baixando a cada dia e pode prejudicar a captação da água para tratamento nas duas estações do sistema Baguaçu.”

Em Andradina, a concessionária Águas Andradina informou que só nos últimos 30 dias foi registrado um aumento de 12 milhões de litros de água consumidos, atingindo um recorde dos últimos 10 anos. Já a Águas Castilho fechou o mês de setembro com uma alta de 10,3 milhões em relação a agosto.

“Diante desses números alarmantes, as concessionárias estão realizando campanhas de conscientização nas páginas do Facebook, rádios locais e carro de som com mensagens de alerta. Até o momento, os sistemas de distribuição e abastecimento de água dessas cidades seguem sob controle diante das ações preventivas adotadas pelas empresas, porém é urgente e imprescindível a colaboração da população para que não seja preciso adotar rodízios de abastecimento como já tem ocorrido em outros municípios da região”, informam as concessionárias.

Em Birigui, para evitar o desabastecimento, a Prefeitura local conseguiu autorização da Câmara para firmar termo de cessão de uso do poço pertencente à empresa Metalúrgica Natalaço S.A. Conforme o documento aprovado, a Prefeitura é responsável pela ligação do poço à rede de água, instalação de relógio de energia e hidrômetro, manutenção geral e custos com energia elétrica.

Em troca da água, o proprietário da área terá descontado os débitos da empresa inscritos na dívida ativa. Para esse cálculo, será considerado o valor de R$ 1,60 cada metro cúbico de água consumido, que é o valor pago atualmente à concessionária que abastece a mesma região.

Calor intenso

O calor intenso fez de setembro de 2020 o mais quente dos últimos 59 anos em todo o estado de São Paulo, segundo o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (Cptec/Inpe) de Cachoeira Paulista. As temperaturas tiveram elevação de 5°C acima da média histórica para o mês.

A pesquisa foi feita com base em todos os registros históricos do Cptec, feitos desde 1961. De acordo com os dados, a média de temperatura máxima em todo o estado foi de 32,3°C.

O climatologista Diego Jatobá explica que o número é menor que as temperaturas máximas registradas em algumas cidades, que chegaram a passar dos 40°C, porque é uma média de todas as máximas.

“Nós monitoramos os dados de diferentes estações em todo o estado. Há cidades em as máximas passam dos 40°C, outras que chegam a pouco mais de 30°C. Depois dessa observação, acompanhamos ainda as máximas em todos os dias daquele mês e geramos uma média”, explica.

As mais altas temperaturas registradas em todo o estado foram em Lins, Votuporanga e Ibitinga que registraram, respectivamente, 41,9 ; 41,8 e 41,7 ºC.

A média histórica para o mês de setembro é de 27,4°C, segundo o centro de previsão. A alta fez com que a temperatura se aproximasse das registradas no verão. De acordo com os dados, desde 1961, os 32,32°C de média registrados neste mês de setembro só perderam para fevereiro de 2014, quando foi registrado 32,34°C e janeiro de 2019, quando a temperatura média máxima em todo o estado chegou a 33,10°C .

Fenômeno

O climatologista explica que o fenômeno é causado por um anticiclone, que está deslocado na atmosfera de sua posição habitual, se mantendo sobre o continente, .

“Esse anticiclone geralmente fica em cima do oceano. Nessa posição, ele não interfere nas temperaturas. Com a nova posição, ele está repelindo as frentes frias, massas de ar frio e a formação de nuvens em toda a região central do Brasil”, explica Jatobá.

A primavera é a estação de transição entre o tempo seco do inverno e a umidade do verão. A previsão é que sua posição faça a temporada de chuvas atrasar. De acordo com o Cptec, normalmente, as chuvas se tornam regulares a partir da segunda quinzena de outubro e a previsão é de que o tempo seco persista até o início de novembro em todo o estado.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!