Oi, o que você está procurando?

OPERAÇÃO VENENO

Polícia Federal prende homem em BH por falsificação de cachaça Havana

Foto: Uarlen Valério/O TEMPO

Um homem, que não teve a idade divulgada, foi preso, na manhã desta sexta-feira (2), suspeito de envolvimento em falsificação de cachaça. Ele foi localizado em casa, no bairro Caiçara, região Noroeste de Belo Horizonte, onde os produtos eram armazenados.

Segundo a Polícia Federal, as investigações da “Operação Veneno” começaram há cerca de dois meses após denúncias.

No esquem a, eram realizadas as falsificações, além da bebida, do selo IPI, rótulo e tampa das garrafas. A fabricação era realizada no mesmo imóvel em que o suspeito morava com a família.

Foram cumpridos três mandados de busca e apreensão, sendo apreendidos: 70 garrafas e quatro galões de cachaça, selos, rótulos R$ 20 mil em dinheiro.

O suspeito pode responder por falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de substância ou produtos alimentícios. A pena pode chegar a oito anos de reclusão.

O diretor-administrativo da cachaçaria lesada, Geraldo Mendes Santiago, alega que a falsificação provocou um prejuízo incalculável à marca que, além de financeiro, também causa dano à imagem da própria cachaçaria frente os consumidores.

“O prejuízo é incalculável, não apenas o econômico, mas principalmente em relação à importância da marca. A bandidagem está difamando a marca Havana que é considerada um patrimônio entre apreciadores de cachaça… A imagem da marca é frontalmente prejudicada. Imagina, o cliente compra um exemplar falsificado da cachaça imaginando a fama que ela tem. Bebe e acaba pensando: ‘é só isso? É essa porcaria?’, e aquele consumidor não torna a comprar”, reclama.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!