Oi, o que você está procurando?

Interior de SP

Família cai em golpe de falso corretor e fica sem ter onde morar

Real estate agent Sales manager holding filing keys to customer after signing rental lease contract of sale purchase agreement, concerning mortgage loan offer for and house insurance.

A vendedora Rilavia Soares, de 53 anos, e seu marido, o comerciante Enivaldo Braz, de 50, decidiram trocar Iperó (interior de São Paulo) por Itanhaém, no litoral paulista. Após terem comprado um imóvel à vista, foram detidos pela polícia por invasão de domicílio. Eles caíram no golpe de falsos corretores.

Em entrevista ao portal G1, Rilavia contou que encontrou o imóvel anunciado por R$ 90 mil e chamou a corretora por mensagem privada para iniciar a negociação. Pouco tempo depois, a profissional chamou a cliente afirmando que o valor da casa teria baixado para R$ 75 mil, já que o proprietário estaria em crise e com pressa para vendê-la. De acordo com a mulher, a corretora insistia para que ela conhecesse a residência e fechasse o negócio.

O casal viajou cerca de 200 quilômetros para conhecer a residência, na primeira quinzena de julho. A corretora abriu os portões da residência com chave, mas um fato chamou a atenção da família: a porta externa parecia estar arrombada, sendo fechada apenas por um pedaço de madeira. “Questionei e ele disse que o proprietário alugava o espaço para festas e, em uma delas, um grupo de jovem acabou quebrando a estrutura”, explicou.

A cliente conseguiu baixar o valor para R$ 55 mil, com a condição de que pagaria à vista via transferência bancária ao proprietário. Os corretores insistiram para que ela registrasse os documentos necessários no cartório da Lapa, na capital paulista, pois o dono seria de lá e não conseguiria vir à região para assinar os papéis.

No momento de realizar a transferência, o proprietário afirmou que estava devendo para o banco e pediu para que o dinheiro fosse enviado à conta de sua suposta sobrinha. Após resistir por alguns momentos, Rilavia cedeu e fez a operação bancária.

Poucos dias depois, a família precisou de um comprovante de residência da casa nova e ligou para a corretora para pedir auxílio. “Foi quando outra mulher atendeu. Ela disse que a corretora estava no hospital com a filha e que me retornaria assim que pudesse, mas em seguida fomos bloqueados por ela”, relatou.

O casal também foi bloqueado pelo suposto chefe da corretora. Eles venderam a residência onde moravam, móveis e até o veículo. Eles chegaram à porta da casa que haviam comprado, com o caminhão da mudança e as chaves em mãos, porém elas não abriam as fechaduras.

Após procurarem um chaveiro e começarem a descarregar os móveis, a Polícia Militar chegou ao local para atender a um chamado de invasão de propriedade.

Eles foram conduzidos ao 2º DP de Itanhaém, onde descobriram que a residência estava realmente à venda, mas por R$ 160 mil. O casal e a filha de 24 anos registraram Boletim de Ocorrência por estelionato e foram obrigados a sair da residência.

A família passou três dias sem ter onde ficar e conseguiu abrigo na casa de um conhecido em Osasco (SP), onde estão há quase dois meses. A família chegou a abrir uma vaquinha online para receber doações, já que Erivaldo, que era o único com trabalho antes da mudança, pediu demissão para morar no litoral paulista.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!