Oi, o que você está procurando?

POLÍTICA

‘Vocês desmataram suas florestas’, diz Guedes a americanos após ser questionado

Ministro da Economia fez afirmação no evento Aspen Security Forum, organizado pelo centro de estudos de Washington. "Vocês mataram seus índios, não miscigenaram”, afirmou

BRASÍLIA, DF, 03.04.2019 – CCJ-PREVIDÊNCIA-DF: O ministro Paulo Guedes (Economia) participa de sessão da CCJ da Câmara dos Deputados para explicar o projeto da reforma da Previdência, nesta quarta-feira (3). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, subiu o tom ao ser questionado sobre a política ambiental do governo do presidente Jair Bolsonaro. “Entendemos a preocupação de vocês (norte-americanos), porque vocês desmataram suas florestas. Vocês querem nos poupar de desmatar a floresta, como vocês desmataram as suas. Sabemos que vocês tiveram guerras civis, também tiveram escravidão, e só pedimos para que vocês sejam amáveis como somos amáveis. Vocês mataram seus índios, não miscigenaram”, afirmou, no evento Aspen Security Forum, organizado pelo Aspen Institute, um think thank (centro de estudos) de Washington.

O think thank americano é conhecido por reunir personalidades de todo o mundo em eventos como o que teve a participação de Guedes, tendo como público investidores, empresários, diplomatas e acadêmicos. O Aspen Security Forum teve três dias de eventos com autoridades do governo americano, diplomatas e representantes do alto escalão de organismos multilaterais, como Tedros Adhanom Ghebreyesus, da Organização Mundial da Saúde (OMS), e de governos de outros países, como China e Singapura. Em razão da pandemia, o fórum foi online e gratuito.

Guedes foi preparado para responder sobre economia, mas foi questionado sobre o combate à corrupção no governo Bolsonaro, sobre a condução da crise sanitária e sobre o desmatamento nas florestas brasileiras. O ministro respondeu calmamente a uma das primeiras perguntas – sobre a declaração do senador Flavio Bolsonaro ao jornal O Globo dizendo que o ministro teria que arrumar “um dinheirinho” para obras. “Políticos sempre pedem dinheiro, sem problema”.

Começou, porém, a perder o controle quando questionado pelo repórter da revista The Atlantic sobre a saída do ex-ministro Sérgio Moro do governo e suas declarações de que Bolsonaro não combate a corrupção. Chegou a ser cortado em sua resposta final, quando lançou o argumento da soberania nacional para dizer que a Amazônia é um assunto que diz respeito ao Brasil. “Os militares estão dizendo, obrigado pela preocupação, mas essa é nossa terra. Não precisamos desmatar a Amazônia para produzir produtos agrícolas”, acrescentou.

O Brasil vem sendo pressionado por investidores internacionais e grandes empresas a tocar uma agenda ambiental e enfrentar o desmatamento, uma demanda que também vem de uma sociedade cada vez mais consciente.

Em outro evento, mais cedo, Guedes reclamou de críticas de países europeus à política ambiental do governo de Jair Bolsonaro. “França, Holanda e Bélgica usam desculpa ambiental para impedir o Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). É como acusarmos a França de queimar catedrais góticas, foi um acidente”, afirmou, em referência ao incêndio da Catedral de Notre-Dame, em Paris, no ano passado.

No evento organizado pelo Aspen, com a voz elevada, Guedes citou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e disse que ele estava “apertando as mãos do Obama” e navegando em águas tranquilas porque havia corrupção e “compra” de pessoas no Brasil. A alteração de Guedes fez a moderadora, a diretora do Aspen Strategy Group, Anja Manuel, interromper a conversa e convidar o ex-embaixador dos EUA no Brasil, Clifford Sobel, a fazer uma pergunta sobre a China. O tema, porém, não foi suficiente para apaziguar os ânimos.

O ministro disse que os Estados Unidos gastaram demais financiados pelas bolhas da China e vem dançando “bochecha com bochecha” com os chineses. “Nem um brasileiro bêbado ousaria alavancar o sistema bancário 36 vezes como os EUA”, completou, em referência à crise bancária de 2008.

Os Estados Unidos são o terceiro maior comprador de produtos brasileiros, de acordo com os dados da balança comercial do primeiro semestre, atrás da China e da União Europeia. Os americanos responderam por 10% de tudo que foi exportado pelo Brasil. Por causa da pandemia, houve uma queda de 31,% na venda de produtos para os Estados Unidos nos primeiros seis meses do ano.

Contrariado por perguntas sobre a política brasileira, Guedes respondeu que o Brasil tem uma democracia vibrante e respeita o Estado de Direito. “Nós gostamos da democracia, ao contrário do que os perdedores da última eleição têm dito pelo mundo”, completou.

Diversos veículos de imprensa internacionais publicaram longos artigos e reportagens com duras críticas à resposta do presidente Jair Bolsonaro à crise gerada pelo novo coronavírus e à política ambiental do governo.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
47