Oi, o que você está procurando?

INVESTIGAÇÃO

Operação Alto Escalão investiga contrato na área de saúde com empresa de Araçatuba

Segundo o Ministério Público, a Hospimetal, com sede em Araçatuba, teria pago vantagem indevida de R$ 462 mil para fechar contrato de venda de leitos hospitalares com o governo do Distrito Federal

As investigações dizem respeito a uma compra de leitos hospitalares feita pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal durante a gestão de Agnelo Queiroz (PT) - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – Gaeco do MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) cumpriu mais 13 mandados de busca e apreensão, na manhã desta quinta-feira (23). A operação, denominada Alto Escalão, é um desdobramento da operação Checkout e envolve a empresa Hospimetal, de Araçatuba, que teria pago vantagem indevida de quase meio milhão de reais para fechar um contrato de venda de leitos hospitalares para o governo do Distrito Federal.

As investigações dizem respeito a uma compra de leitos hospitalares feita pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES) durante a gestão de Agnelo Queiroz (PT). Segundo apurado, para que esse negócio fosse adiante, o dono da empresa Hospimetal, de Araçatuba, pagou R$ 462 mil a agentes que atuariam em nome de ex-ocupantes de cargos do alto escalão do Governo do Distrito Federal. O valor equivale a 10% do montante total do contrato.

A vantagem indevida teria sido paga por meio de um contrato fictício de publicidade e marketing firmado entre a empresa que pretendia vender seus produtos à Secretaria de Saúde do DF e o Instituto Brasília Para o Bem-Estar do Servidor – IBESP.

Em razão desse pagamento, a empresa foi contratada pela Secretaria de Saúde no ano de 2014. O esquema ilícito já havia sido desmantelado pelo Gaeco, que ofereceu denúncia contra servidores públicos e o proprietário da referida empresa. Os novos fatos foram revelados em colaboração premiada e após a realização de investigações e diligências independentes, além de provas obtidas do processo original. A Operação conta com o apoio da Polícia Civil do DF.

Saiba mais sobre a operação Checkout

A primeira fase da Operação Checkout foi deflagrada em junho de 2018 e cumpriu 16 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, no Rio de Janeiro e em São Paulo. O Ministério Público do DF investigou servidores da SES/DF e funcionários de empresas privadas envolvidos em fraude à licitação e corrupção na compra de macas, leitos de hospitais e outros tipos de mobiliários para unidades da rede pública.

A segunda e a terceira fase foram deflagradas respectivamente em fevereiro e março de 2019. Foram cumpridas diligências no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), no Guará e na cidade de São Caetano do Sul/SP, numa empresa de turismo. Houve uma prisão em Brasília.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
41