Oi, o que você está procurando?

ALERTA

Fiocruz identifica nova linhagem do vírus da zika no Brasil

Pesquisadores descobriram linhagem africana do vírus da zika, inexistente no Brasil até 2019, no Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul

Pesquisadores do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs) da Fiocruz Bahia identificaram uma nova linhagem do vírus da zika circulando no Brasil. De acordo com o estudo, a variação do vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, pode resultar em uma nova epidemia da doença no país.

A identificação foi possível graças a uma ferramenta de monitoramento genético desenvolvida por pesquisadores vinculados ao Cidacs e ao Instituto Gonçalo Moniz (Fiocruz Bahia); Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC); Universidade Salvador (Unifacs) e a Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP). A ferramenta analisa sequências disponíveis em banco de dados públicos e permite identificar as linhagens de zika.

Há duas linhagens de zika conhecidas: a africana e a asiática, esta última dividida nos subtipos oriental e ocidental. Até 2019, a asiática era a única existente no Brasil.

Os pesquisadores, no entanto, recentemente encontraram a africana em dois estados brasileiros, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Elas foram identificadas em dois hospedeiros diferentes: um mosquito Aedes albopictus, também conhecido como mosquito-tigre-asiático, e um macaco.

O estudo aponta que o vírus africano pode estar circulando pelo país há algum tempo e tem potencial para desencadear uma nova epidemia, já que a população não tem anticorpos para essa linhagem.

A epidemia de zika chegou ao auge no Brasil entre 2015 e 2016. Segundo o Ministério da Saúde, o país tem 3.692 casos prováveis da doença neste ano.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!