Oi, o que você está procurando?

reivindicação

Com cartazes, Agentes de Desenvolvimento Infantil protestam na Câmara de Araçatuba

Cerca de 20 Agentes de Desenvolvimento Infantil (ADIs) que atuam na rede municipal de ensino protestaram, nesta segunda-feira (9), durante a 6ª sessão ordinária da Câmara Municipal de Araçatuba, e pediram mudanças na lei nº 204, do Plano de Carreira do Magistério.

A manifestação ocorreu após as ADIs participarem, no dia 27 de fevereiro, de reunião com a secretária municipal de Educação, Silvana Souza e Sousa, que informou às profissionais que o município não poderia alterar a lei, concedendo benefícios às profissionais, por ser um ano eleitoral. Para que a lei possa ser alterada, o município precisa enviar o projeto à Câmara.

As Agentes de Desenvolvimento Infantil querem ser equiparadas aos docentes, pois a Prefeitura exige delas formação superior em Pedagogia e as profissionais realizam atividades pedagógicas com as crianças. As ADIs cuidam de crianças de quatro meses a dois anos e meio (berçário) e de três a seis anos (recreação). Elas ainda são responsáveis pr dar banho além de acompanhar o sono e a alimentação.

TEMPO HÁBIL

O vereador Denilson Pichitelli (PSL), que é também presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Araçatuba e Região (Sisema), disse que o jurídico da entidade entende que as mudanças na lei nº 204 poderiam ser feitas até 180 dias antes das eleições, que este ano estão marcadas para 4 de outubro. Com isso, o município teria prazo até 3 de abril para enviar à Câmara o projeto com as alterações.

“Foi promessa de campanha da atual administração que não foi cumprida. Ainda há tempo hábil para fazer estas alterações, basta ter vontade política”, afirmou o vereador, em defesa das funcionárias.

“FALTOU HABILIDADE”

O vereador professor Cláudio (PMN), que preside a Comissão de Educação da Câmara, disse que a secretária Silvana havia afirmado que as mudanças na lei estavam em estudo e que enviaria o projeto à Câmara no início deste ano.

“Em três anos não deu tempo de estudar? Não sei o que aconteceu. Faltou habilidade, porque dinheiro do Fundeb tem”, declarou o parlamentar ao referir-se ao Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica.

As Agentes de Desenvolvimento Infantil afirmam que o município exige delas postura de professora, mas são vistas como cargo de apoio. “Nós fazemos trabalho de docentes. Os outros profissionais que são considerados cargos de apoio têm nível médio e fundamental, mas de nós é exigida a formação em Pedagogia”, afirma Luana Carla Fernandes Claro, presidente da comissão de ADIs que reivindica melhorias para a categoria.

Atualmente, as ADIs têm carga horária de 40 horas semanais e salário inicial de R$ 1,5 mil. De outro lado, os agentes escolares, de quem é exigido o nível médio, têm salário de R$ 1.466,00.

EQUIPARAÇÃO

A mudança na lei nº 204 prevê redução da carga horária das ADIs para 30 horas semanais e salário de aproximadamente R$ 2.000,00, equiparando-as aos professores da rede pública municipal. Outra reivindicação é a fazer valer a lei do 2/3 com atividades com as crianças e 1/3 referentes a atividades extracurriculares.

O vereador Denilson Pichitelli levou as ADIs para conversar com o líder do prefeito, Dr. Jaime (sem partido), durante a sessão desta segunda-feira. A ideia é que ele dialogue com a administração para avaliar a possibilidade de enviar o projeto à Câmara ainda este ano.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
31