Connect with us

TRISTEZA

O adeus a Asa Branca: familiares e fãs prestam as últimas homenagens ao locutor de rodeios

Publicado

em

Dezenas de pessoas acompanham o sepultamento do gênio dos rodeios, em Turiúba, sua terra natal


Familiares e fãs prestaram, nesta quinta-feira (6), as últimas homenagens ao peão e locutor de rodeios Waldemar Ruy dos Santos, o Asa Branca, que faleceu na terça-feira (4), após lutar contra um câncer agressivo na garganta. O velório aconteceu na Câmara Municipal de Turiúba, sua terra natal, a 70 quilômetros de Araçatuba.

O corpo de Asa Branca foi velado na capital paulista e chegou nesta quarta a Turiúba, onde foi velado. A princípio, o sepultamento estava marcado para as 16h no cemitério da cidade, mas foi antecipado para o meio-dia.

Durante as homenagens, houve toques de berrante e orações. A esposa de Asa Branca, Sandra Santos, que acompanhou a luta do locutor pela vida, disse que os últimos meses foram de muito sofrimento.

“O Asa nunca quis ir embora e lutou até o último minuto pela vida. Mas Deus achou que era a hora dele e agora está nos braços do Pai”, disse ela, que ficou por 12 anos com o locutor.

Sandra lembrou que Asa Branca chegou a pedir perdão por maus-tratos que teria cometido contra animais. “Ele pediu perdão por ter machucado alguns animais e tenho certeza de que foi perdoado”, afirmou.

A filha de Asa Branca, Lara, que mora em Campo Grande (MS), também acompanhou as últimas homenagens ao pai e disse que um filme sobre a vida do locutor deve ser rodado em breve. “Ele era muito carismático, tinha um coração muito grande e agora descansou”, disse.

O também locutor de rodeios Billy Branco, de Araçatuba, contou que conheceu Asa Branca aos 28 anos. “Viajei o Brasil inteiro com ele, que era uma pessoa maravilhosa, foi sempre um grande amigo e um grande artista”, afirmou.

Leia também:   Gatos machos podem ser castrados pelo setor de Zoonoses de Andradina

Ele lembrou que Asa Branca trouxe inovação ao rodeio no Brasil ao adotar o microfone sem fio e também o helicóptero para chegar às arenas. “Ele foi um gênio do rodeio”.

Asa Branca tinha 57 anos e enfrentava um câncer agressivo na garganta. A situação era complicada porque, além da doença, era portador do HIV desde 1999 e tinha oito válvulas implantadas na cabeça em decorrência de uma hidrocefalia causada pela criptococose, a doença do pombo.

Veja vídeo do local:

O adeus ao locutor de rodeios Asa Branca, em Turiuba.

Posted by Regional Press on Thursday, February 6, 2020

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Anunciante
Anunciante
Band FM 96.9
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998