Oi, o que você está procurando?

No Roda Vida

Moro diz que Vaza Jato é bobagem e não exclui chance de se candidatar

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou que a série de reportagens iniciada pelo site The Intercept Brasil, conhecida como Vaza Jato, é bobagem e não excluiu a chance de se candidatar para algum cargo eletivo algum dia, mas salientou que atualmente não está nas suas pretensões. As declarações foram dadas em entrevista, ao vivo, para o programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite de segunda-feira (20).

Conforme reportagem do site Catraca Livre, os diálogos divulgados pela Vaza Jato apontam uma aliança entre Moro e a acusação, na figura dos procuradores do Ministério Público da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba.

Moro ainda disse que o tema é “um episódio menor” em seu primeiro ano no governo federal. “Sinceramente nunca dei muita importância para isso. Acho que ali tem um monte de bobageirada, nunca entendi muito bem a importância [dada] para aquilo. Agora, foi usado politicamente para tentar, vamos dizer assim, soltar criminosos presos, pessoas que tinham sido condenadas por corrupção e, principalmente, tentar enfraquecer politicamente o Ministério da Justiça”, disse o ministro do governo Bolsonaro.

As denúncias levantadas pela Vaza Jato estão à espera de julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), que avalia uma ação impetrada pelos advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em que pedem a suspeição de Moro na condução dos processos.

Eleições 2022
Sobre a possibilidade de se candidatar à Presidência da República, ou a qualquer cargo eletivo, Moro disse que “não tem esse tipo de ambição” e que “o candidato do governo Bolsonaro deve ser ele mesmo [Bolsonaro]”. “Os ministros do governo Bolsonaro vão apoiar o presidente”, declarou.”

Após dar essas respostas, o ministro ainda foi questionado se assinaria um documento dizendo que não se candidataria. Moro disse não “ver sentido” em fazer isso porque muita gente fez e “depois rasgou o documento”, não excluindo por completo tal possibilidade.

Conversa entre Lula e Dilma
Moro foi questionado também sobre sua decisão de tirar o sigilo de conversas telefônicas entre Lula e Dilma em março de 2016, quando era o juiz responsável pela Lava Jato, se esta decisão não teria contribuído para o impeachment da então presidente.

“É muito facil [afirmar:] ‘2016, ah, não tenho culpa nenhuma, fui manipulado’. Não existe nada disso. Ele [Gilmar] tomou a decisão dele na época, ele assuma a responsabilidade pela decisão que ele tomou. Nada ali foi objeto de manipulação ou qualquer espécie de falsidade”, disse o Moro.

Após ser divulgado o teor das conversas entre Lula e Dilma, onde o ex-presidente considera assumir a Casa Civil e assim passaria a ter foro privilegiado e não poderia mais ser investigado por Moro, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes concedeu uma liminar suspendendo a nomeação de Lula, diante da suspeita de obstrução de Justiça.

Comentários sobre o governo
Questionado sobre porque não se manifesta sobre a defesa da ditadura militar por integrantes do governo ou o ataque à produtora do Porta dos Fundos, no fim do ano passado, o ministro disse que não é um “comentarista sobre tudo”.

Cultura
Moro ainda classificou o episódio do secretário nacional da Cultura, Roberto Alvim citar Joseph Goebbels, ministro da Propaganda da Alemanha nazista como um “bizarro” e afirmou que não falou nada sobre o tema porque o presidente Jair Bolsonaro, corretamente, decidiu pela exoneração.

Corrupção
Moro falou também que “responderia se consultado” ao presidente sobre a situação do chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), Fabio Wajngarten, que é proprietário de uma empresa que recebe recursos do governo federal.

Os jornalistas que participaram do Roda Viva também perguntaram a Moro sobre a presença no governo do Ministro do Turismo, Marcelo Alvaro Antonio, que se tornou réu em uma acusação de corrupção. Moro desconversou e disse que a Polícia Federal esta investigando, mostrando “que a PF está com autonomia”, e que “cabe à Justiça, à Polícia Federal e ao presidente tomar uma decisão sobre o caso”.

Liberdade de Imprensa
O ministro defendeu o presidente ao dizer que Bolsonaro não ataca a imprensa. “O presidente está dando ampla liberdade pra imprensa fazer seu trabalho”. Vera Magalhães, nova apresentadora do programa, interrompeu Moro citando situações em que Bolsonaro, de fato, cerceou o trabalho de repórteres.

Na primeira edição sob o comando de Vera Magalhães, o Roda Viva recebe o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro; assista! (Crédito: Canal do programa Roda Viva da TV Cultura de São Paulo no Youtube)

 

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!