Connect with us

Fiz do Iguaçu (PR)

Após ter morte atestada, bebê é encontrado chorando em necrotério 5h depois

Publicado

em



Theo Schoenacher Sant’anna, um bebê de 48 dias, foi declarado morto pelo hospital Unimed em Foz do Iguaçu (PR). O atestado de óbito declara que Theo morreu por causa de broncoaspiração às 16h30 do último domingo (12/01/2020). O agente funerário responsável por recolher o corpo, porém, encontrou a criança chorando, cinco horas depois, no necrotério do hospital.

As informações são do Paraná Portal.

Gabriela Schoenacher Moraes, a mãe de Theo, disse que o bebê foi levado para o hospital por sentir desconforto abdominal e refluxo após ingerir uma fórmula à base de leite em pó, receitada pelo pediatra para ajudar a ganhar peso.

“Ele estava tomando soro no meu colo e de repente começou a chorar muito de dor e apagou no meu colo, parou de respirar”, relatou Gabriela sobre o momento. Depois disso, a equipe médica tentou fazer a reanimação de Theo por 40 minutos, mas acabou declarando a morte do bebê.

Mas algum tempo depois a família recebeu a notícia de que o filho estava vivo. “ Achei que era um erro, que era o prontuário de outro bebê, mas quando chegamos na Unimed realmente vimos que era o nosso filho. Eles tinham trocado o plantão e os médicos tinham entubado e estavam tentando aquecê-lo, porque ele estava muito frio”, afirmou a mãe de Theo.

A família decidiu transferir Theo para o Hospital Ministro Costa Cavalcanti, onde foi internado na UTI. Segundo o próprio hospital particular, Theo deu entrada às 22h48 após ser levado pelo Samu.

Contudo, Theo morreu na manhã de segunda-feira (13) após sofrer duas paradas cardíacas.

Os pais da criança foram à delegacia da Polícia Civil do Paraná para registrar um boletim de ocorrência.

Posição Unimed
A Unimed Foz do Iguaçu divulgou uma nota afirmando que a situação é “inédita” na história da cooperativa. A empresa disse também que está reunindo todos os esforços para “esclarecimento dos fatos” e para que não haja nenhuma “conclusão precipitada” ou “julgamentos indevidos” sobre os profissionais que atuaram no caso.

Por fim, informou que as conclusões serão noticiadas e está disposta a prestar “todo o apoio a seu alcance” à família. Ressalta, ainda, que se coloca à disposição dos órgãos competentes para que os fatos sejam elucidados.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Anunciante
Anunciante
Band FM 96.9
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998