CONECTE CONOSCO

FALHA

Milhões de clientes da Vivo tiveram os dados expostos em app

Problema foi noticiado pelo portal Olhar Digital, que tomou conhecimento de um método simples para extrair informações de cadastrados

Publicado em



Na tarde desta terça-feira (05/11/2019), a operadora Vivo admitiu o vazamento de dados de clientes na internet, devido a uma brecha de segurança na plataforma Meu Vivo, utilizada por clientes para gerenciar dados de assinatura. São informações do Techtudo.com.

O problema foi noticiado pelo portal Olhar Digital, que tomou conhecimento de um método simples para extrair dados como nome completo, endereço, CPF, RG, e-mail, data de nascimento e até o nome da mãe do cliente. A Vivo diz que “neutralizou a vulnerabilidade”.

O Olhar Digital informou que a pane no sistema de segurança da Vivo deixaria expostos os dados de cerca de 24 milhões de consumidores. Em nota, a empresa telefônica diz que “o número de clientes possivelmente impactados por esta ação ilícita é consideravelmente menor do que o divulgado por alguns órgãos da imprensa especializada”. No entanto, ela se recusou a informar o número exato de potenciais vítimas.

Ainda de acordo com a publicação, a brecha foi descoberta há duas semanas por pesquisadores de segurança digital. Por sua vez, a Vivo afirma que tomou conhecimento da falha na noite dessa segunda-feira (04/11/2019).

Meu Vivo inoperante
Desde então, o assunto ganhou repercussão na imprensa especializada. O aplicativo do Meu Vivo ficou inoperante durante parte do dia, provável reflexo dos trabalhos para correção da falha.

A empresa não disponibilizou nenhuma ferramenta para que clientes chequem se seus dados foram liberados na internet sem consentimento.

No comunicado, a Vivo diz:

“A Vivo informa que, na noite de ontem, em pouco menos de três horas, a empresa identificou e neutralizou uma vulnerabilidade no acesso ao portal de serviços Meu Vivo, com o objetivo de garantir privacidade e a segurança das informações de seus clientes. A empresa informa ainda que o número de clientes possivelmente impactados por esta ação ilícita é consideravelmente menor do que o divulgado por alguns órgãos da imprensa especializada.

A Vivo lamenta o ocorrido e ressalta que revisa constantemente suas políticas e procedimentos de segurança, na busca permanente pelos mais rígidos controles nos acessos aos dados dos seus clientes e no combate a práticas que possam ameaçar a sua privacidade. A empresa reitera que respeita a privacidade e a transparência na relação com os seus clientes”.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Anunciante

TV

Faustão se irrita e detona funcionário ao vivo: “Imbecil”, e é criticado na web

Publicado em

Fausto Silva perdeu a paciência durante o “Domingão”, da TV Globo, do último domingo (17). Enquanto anunciava a classificação da semifinal da “Dança dos Famosos”, o apresentador se irritou ao perceber que as notas haviam sumido do telão. Sem pensar duas vezes, o famoso, então, detonou o responsável por gerenciar o equipamento.

“O imbecil tirou de lá, para variar, de novo”, esbravejou.

Na web, os internautas se revoltaram com a postura do artista. “Quem o Faustão pensa que é para tratar as pessoas assim?”, reclamou um usuário do Twitter. “Inacreditável a falta de educação desse apresentador”, lamentou outro.

Já um terceiro garantiu: “Faustão chamando um funcionário de imbecil. Merece processo!”.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

EUA

Cientistas descobrem novo tipo da infecção “devoradora de pele”

Publicado em

Imagem ilustrativa

Após estudarem uma infecção bacteriana que estava a corroer os tecidos de um paciente, médicos das Universidades de Maryland e do Texas, nos Estados Unidos, descobriram um agravante de uma doença já conhecida. Um artigo sobre o caso foi publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences.

A fasceíte necrosante, como é chamada, é uma condição que há muito é conhecida pela comunidade médica e ocorre por conta de uma infecção severa provocada pela bactéria Streptococcus pyogenes. Este microrganismo é comum no sistema digestivo, mas, quando entra em contacto com outras áreas do corpo, devora a pele, os órgãos e o que mais estiver à sua frente, com o intuito de se instalar na corrente sanguínea.

Entretanto, os testes indicaram que a infecção havia sido causada por um outro microrganismo, denominado Aeromonas hydrophila. O quadro clínico evoluiu rapidamente, espalhando-se pelo baço e pelo fígado e tornando-se uma ameaça à vida do paciente.

Tal intrigou os médicos, que decidiram avaliar a composição genética dos microrganismos que atingiam o doente e surpresa! Como relataram num comunicado à imprensa, explicam que a infecção não se deu por uma, mas duas cepas diferentes de bactérias do género Aeromonas, denominadas de NF1 e NF2.

Normalmente, a cepa NF1 permanece localizada e não atinge a corrente sanguínea ou os órgãos, sendo eliminada pelo sistema imunológico do hospedeiro. Já a NF2 produz uma toxina que quebra o tecido muscular e permite que o microrganismo se espalhe pelo corpo da vítima.

O problema, entretanto, ocorreu porque as duas espécies agiram ao mesmo tempo. “Uma das linhagens [NF2] produz uma toxina que quebra o tecido muscular e permite que a outra linhagem [NF1] migre para o sistema sanguíneo e infecte os órgãos”, explicou Rita Colwell, cientista responsável pelo caso.

Além disso, a equipa de médicos apurou que a NF2 permanece localizada e não se espalha pelo corpo, pois, quando entra em contacto com NF1, acaba por morrer. “Agora, temos a capacidade (…) de determinar os agentes infecciosos individuais envolvidos em infecções polimicrobianas”, disse Colwell.

A especialista espera que isso ajude os investigadores a desenvolverem métodos mais poderosos de combate a esses organismos, salvando mais vidas. “Quando tratamos com um determinado antibiótico, estamos a eliminar um organismo do corpo”, explicou a especialista. “Mas se houver outro organismo que esteja a participar na infecção e que também seja patogénico, qualquer tratamento com antibióticos que não atinja essa outra espécie pode estar a abrir caminho para que esta se desenvolva”.

Após o diagnóstico ter sido realizado, o paciente pôde ser tratado pelos médicos e teve de ser operado. Embora lhe tenham sido amputadas ambas as pernas e ambos os braços, conseguiu sobreviver.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998