CONECTE CONOSCO

coração parou

Condenado à prisão perpétua tem liberdade negada ao alegar ter concluído pena após ‘morrer’ e ser ressuscitado

Benjamin Schreiber, de 66 anos, argumentou que concluiu tecnicamente sua pena quando seu coração parou de bater quatro anos atrás, ainda que tenha sido revivido pelos médicos

Publicado em



A Justiça dos Estados Unidos negou liberdade a um assassino condenado à prisão perpétua que alegou ter concluído sua pena depois de “morrer” temporariamente.

Benjamin Schreiber, de 66 anos, foi condenado a passar a vida atrás das grades, sem possibilidade de liberdade condicional, no Estado americano de Iowa por espancar um homem até a morte em 1996.

No pedido de soltura que fez à Justiça, ele alegou que sua pena terminou quando seu coração parou de bater quatro anos atrás, ainda que ele tenha sido ressuscitado.

Mas o tribunal entendeu que a argumentação de Schreiber não era “convincente”.

Segundo a corte, era “improvável” que o homem estivesse morto, uma vez que ele próprio assinou os documentos legais para dar entrada em sua requisição de liberdade.

Em 2015, Schreiber desenvolveu bacteremia (presença de bactérias no sangue) por causa de pedras nos rins. Ele sofreu uma parada cardíaca e teve que ser ressuscitado por médicos no hospital, mas se recuperou totalmente e voltou à prisão.

Ele deu entrada no pedido de liberdade no ano passado.

Nele, Schreiber disse que foi ressuscitado contra sua vontade e que sua “morte” temporária significou que sua pena de prisão perpétua foi tecnicamente completada.

A Justiça não deu ganho de causa a Schreiber. Seu advogado disse que iria recorrer.

Na quarta-feira, dia 6 de novembro, o tribunal de apelações confirmou a decisão da instância inferior. A corte acrescentou que a pena não terminaria até que um perito médico declarasse formalmente o óbito.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Terra
Anunciante

tragédia

Grávida de apenas 13 anos se mata após ser estuprada por 6 homens na Tailândia

Publicado em

Um caso trágico abalou a cidade de Bangkok, na Tailândia. Uma menina grávida de apenas 13 anos tirou a própria vida após ser estuprada por seis homens e ser mantida em cativeiro. O crime ocorreu em 11 de novembro e, desde que foi resgatada, a garota apresentava depressão profunda.

Segundo a imprensa local, a garota teria discutido com a mãe minutos antes de cometer o ato. A mãe, inclusive, tentou correr atrás da menina para impedi-la, mas não conseguiu. Amigos dizem que ela escreveu nas redes sociais frases como: “Estou prestes a ir” e “Se não estivesse grávida, já teria partido há muito tempo”.

A polícia já identificou dois suspeitos do estupro. Um deles foi detido e o outro ainda é procurado. “Ambos vão responder por abuso sexual. Além da garota que se matou, havia outra menina e dois garotos”, disse Krissana Pattanacharoen, porta-voz da polícia local.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

EUA

Tiroteio em Oklahoma deixa pelo menos três mortos nesta segunda-feira

Tiroteio teria acontecido no estacionamento de um supermercado Walmart

Publicado em

Nesta segunda-feira (18), diversos meios de comunicação dos Estados Unidos informaram sobre um tiroteio no estacionamento de um supermercado Walmart, em Duncan, no estado de Oklahoma.

As primeiras informações revelaram que, pelo menos, três vítimas mortais, não especificando se entre eles está ou não o atirador. A polícia de Oklahoma confirmou apenas a existência de três mortos à chegada ao local.

O alerta para o incidente foi dado nesta manhã por volta das 10h (hora local, 13h em Brasília).

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998