CONECTE CONOSCO

POLÍTICA

Assista ao julgamento de Lula no TRF-4 no caso do sítio de Atibaia

Publicado em



  • 12h01

    27/11/2019Gebran também vai negando preliminares que abordam a suspeição da juíza Gabriela Hardt, que condenou Lula no caso do sítio de Atibaia.

  • 11h33

    27/11/2019Gebran recupera detalhes do processo e vai negando todas as questões preliminares. Sobre o pedido da defesa de Lula de suspeição do juiz Sérgio Moro, que conduziu parte da ação penal, Gebran diz: “As alegações já foram rechaçadas. O juiz não é parte do processo.”

  • 11h24

    27/11/2019Desembargadores julgam a partir de agora questões preliminares do julgamento. Entre elas a das alegações finais apresentadas na ação penal que condenou Lula pela segunda vez.

  • 11h11

    27/11/2019“Nesta corte, temos elevadíssimo respeito pela advocacia”, diz Gebran a Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, defensor de Roberto Teixeira, que falou em “demonização da advocacia”. “Não (me referi) a esta corte”, respondeu o advogado.

  • 11h09

    27/11/2019Sessão retomada com leitura de voto de Gebran.

  • 11h03

    27/11/2019Carolina encerra sua exposição. Foi a última advogada a falar. Agora, haveria recesso para almoço para só depois a sessão ser retomada para leitura dos votos dos três desembargadores, mas os encaminhamentos serão feitos a partir de um breve intervalo.

  • 10h57

    27/11/2019“Não há elementos seguros que autorizem a manutenção da condenação”, diz a advogada de Bumlai.

  • 10h38

    27/11/2019Defensora de Fernando Bittar, proprietário formal do sítio em Atibaia, Luiza Alexandrina Vanconcelos Oliver fala agora.

  • 10h33

    27/11/2019“Assistimos hoje a uma demonização da advocacia. Não sou considerado porta-voz do meu cliente, sou considerado coautor de crime. Isto é um desabafo”, disse o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, que defende o também advogado Roberto Teixeira, compadre de Lula.

  • 10h23

    27/11/2019Também apelam na ação o presidente do Conselho de Administração da Odebrecht, Emílio Alves Odebrecht, o ex-funcionário Emyr Diniz Costa Júnior, o ex-executivo Carlos Armando Guedes Paschoal, o ex-presidente da OAS, José Aldemário Filho, o ex-diretor da OAS Paulo Roberto Valente Gordilho, o empresário Fernando Bittar, o pecuarista José Carlos Bumlai, e o advogado Roberto Teixeira.

  • 10h21

    27/11/2019O advogado Cristiano Zanin encerra a leitura de sua defesa.

  • 10h21

    27/11/2019Ao fim da fala de Zanin, agora advogados dos outros réus no caso terão também 15 minutos para se manifestarem.

  • 10h20

    27/11/2019“Não se deve limitar a discussão em torno de sítio ou qualquer outra coisa. O crime de corrupção passiva pressupoe o quid pro quo”, diz Zanin, ao encerrar sua sustentação. “Não há nenhuma prova que possa mostrar que o ex-presidente Lula tenha solicitado ou recebido qualquer vantagem indevida para prática de um ato de sua atribuição enquanto presidente. Lula não nomeou diretores da Petrobras e não recebeu vantagem indevida. Peço o acolhimento do recurso de apelação para declarar a nulidade total desta ação penal ou para que o apelante seja absolvido.”

  • 10h12

    27/11/2019“A doutoura juíza copiou ou aproveitou sem qualquer referência a sentença de Moro”, diz Zanin, criticando o julgamento de Gabriela Hardt. “Isso é inadmissível”.

     

    Ele cita a divulgação de mensagens obtidas pelo site The Intercept Brasil de Deltan e outras autoridades. “A Vaza Jato mostra que Lula não teve direito a um julgamento justo.”

  • 10h09

    27/11/2019Zanin critica a juíza Gabriela Hardt, que condenou Lula no processo do sítio de Atibaia. “Teve postura autoritária”

  • 10h09

    27/11/2019Em Porto Alegre, jornalistas acompanham o julgamento do ex-presidente Lula em uma sala anexa ao tribunal do TRF-4.

  • 10h53

    27/11/2019Após a manifestação da defesa de Bittar, quem fala agora é a advogada Carolina Luiza de Lacerda Abreu, que defende o pecuarista José Carlos Bumlai, condenado sob acusação de ter comandado uma reforma no valor de R$ 150 mil no sítio.

  • 10h03

    27/11/2019“A acusação só construiu uma narrativa, mas sem elementos concretos sobre supostos ilícitos ocorridos na Petrobras”, diz Zanin.

  • 10h01

    27/11/2019Diferente do primeiro julgamento de Lula no TRF-4, em janeiro de 2018, quando ele foi condenado em segundo grau no caso do triplex do Guarujá, a movimentação é tranquila em Porto Alegre nesta quarta-feira, 27, quando os desembargadores do tribunal voltam a julgar o ex-presidente.

     

    O esquema de segurança reforçado no entorno do prédio foi mantido, mas não há manifestações de apoiadores do petista. A chuva também atrapalhou aglomerações na área.

     

    Na sala de imprensa, o movimento também é baixo. Cerca de 20 jornalistas acompanham a sessão de um telão. Em 2018, jornalistas de outros países lotaram o local.

  • 10h00

    27/11/2019Gerum encerra sua manifestação. Cristiano Zanin, advogado da defesa de Lula, se pronuncia a partir de agora. Ele reclama de ataques do procurador à defesa, mas não terá tempo adicional.

  • 10h06

    27/11/2019“O ex-juiz Sérgio Moro conduziu processos com claros objetivos políticos, em busca dos aplausos e para construir uma imagem de combatente, o que é incompatível com a figura do juiz”, diz Zanin.

  • 09h56

    27/11/2019O procurador diz que a defesa de Lula tem dificuldade de afastar as provas e que os “ataques ao Judiciário se tornaram uma cruzada”. “É uma defesa que se perde no excesso”, diz Gerum. “Lula poderia passar a história como um um dos maiores estadistas do século XXI, mas se corrompeu.”

  • 09h54

    27/11/2019“O que temos aqui: obras pagas por pessoas que se beneficiaram das gestões Lula feitas num sítio que era por ele utilizado. Isso é crime? É. Nosso Código Penal considera esse tipo de conduta como crime de corrupção”, diz Gerum.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Anunciante
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998