CONECTE CONOSCO

convocação

Comissário-geral do Daea vai à Câmara dar explicações sobre a crise da água na Zona Leste de Araçatuba

Publicado em



O comissário-geral do Conselho Administrativo da Agência Reguladora e Fiscalizadora Daea (Departamento de Água e Esgoto de Araçatuba) vai à Câmara Municipal de Araçatuba nesta segunda-feira (22) para prestar esclarecimentos a respeito da crise no abastecimento de água que deixou pelo menos 40 mil pessoas da Zona Leste com as torneiras secas durante quatro dias, no início deste mês.

A convocação de Saito foi feita a partir de requerimento apresentado pelo vereador Arlindo Araújo (Cidadania) e aprovado pelos demais parlamentares. Em razão do comparecimento do comissário à Câmara, a sessão de segunda terá um rito diferenciado, A fase do Grande Expediente será reduzida a uma hora e não haverá as fases do Pequeno Expediente e nem Ordem do Dia.

A crise ocorreu entre os dias três e seis de outubro, quando a Samar (Soluções Ambientais de Araçatuba) informou que faria obras de setorização no sistema de abastecimento do Hilda Mandarino. No entanto, segundo a concessionária, houve o rompimento de duas adutoras, o que teria provocado o desabastecimento prolongado na Zona Leste.

Em entrevista ao Regional Press e à Band FM, o comissário do Daea, Márcio Saito, disse que o desabastecimento de água não pode perdurar por mais de 24 horas, por isso, a Samar poderá ser multada em até R$ 1 milhão, dependendo as duas justificativas para o prolongado corte no fornecimento de água. As multas por descumprimento no contrato assinado com o município em 2012 estão previstas na Resolução nº 02, de 2014.

O comissário-geral lembrou que já houve um descumprimento por parte da empresa em março deste ano, quando pelo menos 40 bairros das regiões norte e sul de Araçatuba ficaram sem água por quatro dias.

“Naquele caso, houve uma sucessão de falhas na bomba e a empresa não tinha fornecedor para substituir o equipamento, porque isso aconteceu em um fim de semana. Por isso, entendemos que não caberia a autuação à Samar, naquela ocasião”, explicou.

PROTESTO E POLÍCIA

A crise revoltou moradores, que chegaram a protestar em frente à empresa, inclusive com a queima de pneus. Eles também registraram boletins de ocorrência e planejam ajuizar ações na Justiça por danos morais contra a Samar.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Anunciante

Justiça

Mulher é condenada a indenizar policial por racismo no interior de SP

Publicado em

A 18ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão que condenou uma mulher a indenizar policial vítima de racismo dentro de delegacia de Campinas. A reparação foi fixada em R$ 20 mil, a título de danos morais.

Consta nos autos que o pai da ré foi levado a uma delegacia após desentendimento em um estabelecimento comercial. Chegando ao local, a ré ofendeu racialmente um dos policiais na frente de diversas testemunhas. A vítima deu voz de prisão para a mulher, que foi liberada após pagar fiança. A ré alega que não houve injúria racial, que apenas se defendeu em situação de abuso de autoridade.

De acordo com o relator da apelação, desembargador Helio Faria, “é evidente que as injúrias raciais narradas provocaram danos morais à vítima, os quais independem de consideração acerca do contexto em que foram proferidas, uma vez que nenhum elemento fático isentaria a ré da responsabilidade pelas ofensas de cunho racial”.

“Eventual abuso de autoridade, despreparo ou injusta agressão por parte do autor, assim como violenta emoção por parte da requerida não possuem relação com o teor das ofensas proferidas pela ré, que visam a diminuir a dignidade humana do autor”, completou o magistrado.

Os desembargadores Carlos Alberto Lopes e Israel Góes dos Anjos participaram do julgamento. A decisão foi unânime.

Processo nº 0035876-48.2012.8.26.0114

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

educação

Unicamp realiza primeira fase do Vestibular 2020 neste domingo (17)

Publicado em

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aplicará, no próximo domingo (17), a prova da primeira fase do Vestibular 2020 para 72.859 candidatos. A Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) orienta cada candidato a consultar o local do exame com antecedência.

No Estado de São Paulo, a Unicamp realiza as provas em 30 cidades: Araçatuba, Bauru, Botucatu, Bragança Paulista, Campinas, Franca, Guarulhos, Indaiatuba, Jundiaí, Limeira, Lorena, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santa Bárbara D’Oeste, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Sumaré e Valinhos. Fora do Estado de São Paulo, recebem as provas do Vestibular Unicamp cinco capitais: Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza e Salvador.

Os candidatos inscritos no processo seletivo concorrerão a 2.570 vagas, em 69 cursos de graduação. Esse número representa 80% das vagas regulares, já que, a partir deste ano, o preenchimento dos outros 20% será por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Horários

A recomendação é que os candidatos cheguem ao local de prova às 12h (horário de Brasília), pois o acesso aos locais de prova será permitido até 13 horas (também horário de Brasília).

Sair de casa com antecedência é importante, tendo em vista que o candidato poderá encontrar trânsito intenso em alguns locais. A Comvest orienta os candidatos a fazer o percurso até o local de provas antes do dia do exame, para conhecer o caminho.

Primeira fase

O exame da primeira fase é composto por 90 questões de múltipla escolha, distribuídas da seguinte maneira: 13 questões de Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, 13 questões de Matemática, 9 questões de História e 9 questões de Geografia (incluindo Filosofia e Sociologia), 9 questões de Física, 9 questões de Química, 9 questões de Biologia, 7 questões de Inglês, além das 12 questões interdisciplinares. Cada questão tem quatro alternativas.

O tempo máximo de prova na primeira fase é de cinco horas e o mínimo, de três horas e trinta minutos.

O que levar para a prova

Os candidatos deverão levar o original do documento de identidade indicado na inscrição, canetas de cor preta em material transparente, lápis preto, borracha. Será permitido o uso de régua transparente e compasso.

É vedada a utilização de aparelhos celulares ou quaisquer outros equipamentos eletrônicos, relógios do tipo smartwatch, corretivo líquido, lapiseira, caneta marca texto, bandana/lenço, boné, chapéu, ou outros materiais estranhos à prova.

O candidato poderá usar relógio para controlar o tempo, mas todos os aparelhos deverão ficar no chão, ao lado da carteira. Estão permitidos: água, sucos, doces, uso de bermudas e vestimentas leves.

Aplicativo do Vestibular

A Comvest possui um aplicativo gratuito (app Vestibular Unicamp) para celulares e dispositivos móveis, a partir do qual os estudantes podem receber alertas sobre as datas importantes do vestibular, registrar para consultas sobre locais de prova, listas e notas, além de ter acesso rápido às informações mais relevantes sobre o processo seletivo.

Manual do Ingresso

O Manual do Ingresso 2020 está disponível para consulta na página eletrônica da Comvest. A publicação traz todas as informações e orientações necessárias para os estudantes em relação ao processo de inscrição, às provas e demais etapas do Vestibular.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998