CONECTE CONOSCO

São Paulo (SP)

Casal junta R$ 10 mil em moedas e notas de R$ 2 e dá entrada em casa própria

Publicado em



Um casal conseguiu dar uma entrada de R$ 10 mil na casa própria depois de juntar moedas e notas de R$ 2. Myllena e Alison Silva, ambos de 26 anos, são donos de uma mercearia em São Paulo (SP). Foi com a venda de itens com custo baixo, como alimentos e bebidas, que eles conseguiram juntar o dinheiro.

“Todos os dias recolhemos o lucro. As notas de R$ 2 reservamos numa caixa de sapato. A cada dois meses, pegamos as moedas, deixando apenas dez de cada valor para não zerar (o saldo). Separamos, então, o restante por valor em galões de água de cinco litros”, contou Myllena ao jornal Extra.

A entrada da casa de três cômodos custava R$ 15 mil. Juntamente aos R$ 10 mil economizados com moedas e notas de R$ 2, o casal deu ao vendedor uma moto, no valor de R$ 5 mil, para completar o pagamento. Mas esta não foi a primeira grande realização dos empreendedores.

“Começamos a juntar inicialmente moedas em 2015. Um ano depois, tínhamos R$ 5 mil e demos como entrada num carro. As parcelas posteriores sempre pagamos com nosso trabalho. Depois disso, já usamos as economias para comprar uma casa de dois cômodos e um terreno também na comunidade”, completa Myllena.

Alison trabalha também como gari na cidade de São Paulo. Myllena se dedica apenas à mercearia. Com dois filhos, de sete e três anos, frutos do casamento de oito anos, os dois não fingem que é fácil ceder às tentações diárias de consumo e juntar dinheiro.

— O meu marido não gosta de banco, pois há muitas taxas. É claro que, vendo as moedas, dá vontade de gastar. Eu sou mais consumista do que ele e, de vez em quando, pego algumas escondida. Mas sei que é preciso me esforçar e vale a pena — aponta Myllena.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Anunciante

perigo no trânsito

PRF registra 75 mortes e mais de mil feridos nas rodovias federais

O feriadão da Proclamação da República registrou 863 acidentes

Publicado em

O feriadão da Proclamação da República deixou um saldo de 863 acidentes nas rodovias federais que cortam o país, com 1.040 pessoas feridas e 75 mortes, segundo o balanço divulgado hoje (18) pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

De acordo com a PRF, a Operação Proclamação da República 2019 iniciada na última quinta-feira (14) e encerrada nesse domingo (17) flagrou 1.664 motoristas que haviam consumido bebida alcoólica antes de assumir o volante.

Desses, 486 tiveram a alcoolemia constatada pelo teste do etilômetro (bafômetro). No total, mais de 60,3 mil motoristas foram submetidos ao teste, seja no aparelho tradicional ou no etilômetro passivo, com 147 pessoas detidas.

Segundo a PRF, boa parte das colisões frontais com mortes foi causada pelas ultrapassagens indevidas, seja em local proibido ou forçadas. Os policiais notificaram 6.214 veículos realizando esse tipo de manobra perigosa.

Os policiais flagraram 1.734 motoristas que não usavam o cinto de segurança durante a abordagem, enquanto mais de 2 mil passageiros também não estavam com o equipamento. Os dados mostraram ainda que 238 condutores foram flagrados fazendo uso do celular.

Quanto aos condutores de motos, a maior imprudência foi em relação ao não uso do capacete: 1.112 motociclistas que estavam circulando sem o equipamento obrigatório foram autuados.

Durante os quatro dias da operação, 160 mil veículos foram fiscalizados e 163 mil pessoas também passaram pelos procedimentos de fiscalização.

Ações de educação para o trânsito também foram desenvolvidas em todo país. Cerca de oito mil pessoas receberam orientações de um trânsito mais seguro por meio do Cinema Rodoviário.

Criminalidade

Segundo a PRF, entre quinta-feira e domingo, os policiais detiveram 689 pessoas por diversos tipos crimes, 42 delas pelo crime de tráfico de drogas e 160 por diferentes crimes de trânsito.

Os agentes apreenderam 182,7 quilos de cocaína e 4 toneladas de maconha, além de 90 mil pacotes de cigarros contrabandeados. Os policias recuperaram ainda 64 veículos com alerta de roubo ou furto.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

Recall

Problema em Fandangos faz empresa recolher produtos

Publicado em

A PepsiCo, fabricante dos salgadinhos Fandangos, anunciou que vai recolher voluntariamente dos mercados algumas unidades do produto por apresentarem uma quantidade mínima de proteína de leite.

Segundo a empresa, mesmo que no rótulo conste a advertência “Alérgicos: pode conter leite”, a companhia acha prudente tomar a ação por não haver a informação: “Contém leite”.

“A PepsiCo esclarece que os produtos estão perfeitos ao consumo do público em geral e não apresentam problemas de fabricação. Contudo, caso você seja alérgico às proteínas do leite, a PepsiCo orienta a não consumir o produto, pois este pode causar reações alérgicas com riscos à sua saúde. Para esclarecimento de dúvidas, troca do produto ou reembolso, entre em contato gratuitamente pelo telefone 0800 703 4444, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, ou pelo e-mail [email protected]”, diz o comunicado.

Confira abaixo os lotes com prazos de validade entre 02/12/2019 e 17/02/2020 que serão recolhidos:

Embalagens 164g: Lotes LA 258 a LA 303, Lotes LB 260 a LB 296, Lotes LC 261 a LC 269, Lotes LD 261 a LD 288
Embalagem 59g: Lotes LA 236 a LA 306, Lotes LC 226 a LC 273, Lotes LD 232 a LD 288
Embalagem 22g: Lotes LA 290 a LA 300
Embalagem 23g: Lotes LC 237
Embalagem 54g: Lotes LC 268 a LC 273
Embalagem 280g: Lotes LB 238 a LB 296 e Lotes LD 269 a LD 289
Embalagem 44g: Lotes LB 285 a LB 296 e Lotes LD 282 a LD 283
Lanchinho Sortido 101g: Lotes LA 284 a LA 308 e Lotes LD 273 a LD 298

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998