CONECTE CONOSCO

POLÍTICA

Fermino perde o mandato de vereador após ser condenado por crime ambiental

Publicado em



O empresário do setor calçadista José Fermino Grosso (DEM), 55 anos, não é mais vereador em Birigui. Ato da Câmara Municipal publicado nesta terça-feira (10) extinguiu o seu mandato, após o ex-parlamentar ter sido condenado por crime ambiental. Ele também teve os direitos políticos suspensos por oito anos, não podendo votar nem ser votado para cargos eletivos.

A perda de mandato está prevista no artigo 15, inciso III, da Constituição Federal, que trata dos direitos políticos e prevê perda de mandato para o político que sofrer condenação criminal em sentença transitada em julgado.

Quem assume a cadeira deixada por Fermino é o seu suplente, Clóvis Batista (DEM), que já deverá participar da sessão desta terça da Câmara, com início às 17h.

O presidente da Câmara de Birigui, Felipe Barone (PPS), que assina o ato de extinção do mandato do vereador, disse que a lei precisa ser cumprida e qualquer tipo de crime deve ser responsabilizado. “A Câmara foi provocada e eu precisava tomar uma atitude, a lei precisa ser cumprida”, afirmou.

Barone disse, no entanto, que, para o Legislativo, este tipo de situação é ruim, porque acaba gerando dúvidas e revolta na população. “Ele era um político bem votado e a perda de um mandato não é bom para a Câmara”, comentou.

PESCARIA

Fermino estava em seu terceiro mandato consecutivo de vereador e fazia oposição ferrenha ao prefeito Cristiano Salmeirão (PTB). Ele foi condenado por crime ambiental, com base no artigo 1º, inciso 1 a 3, da lei complementar 64/90, a um ano de prisão em regime aberto. A pena, no entanto, foi convertida em prestação pecuniária no valor de um salário mínimo.

A condenação é decorrente de uma pescaria, em junho de 2013, quando o ex-vereador foi flagrado por policiais ambientais praticando pesca com rede, sem autorização de pescador profissional, na represa da Usina Hidrelétrica de Nova Avandanhava, no bairro Córrego dos Pintos, em Penápolis.

Na ocasião, Fermino estava na companhia de Gilberto Mosca, em um barco com motor 15 HP, nove redes de náilon de diversos tamanhos e 21 quilos de peixes. Uma das redes possuía malha de 70 milímetros, medida que nem pescador profissional poderia estar utilizando.

No entanto, Fermino e Mosca não tinham carteirinha de pescador profissional e jamais poderiam estar usando redes para a prática da pesca, independentemente da medida da malha.

Em primeira instância, os dois foram absolvidos. Porém, o Ministério Público recorreu e, no dia 22 de agosto, o processo transitou em julgado.

CABEÇA ERGUIDA

Na última sessão da Câmara Municipal de Birigui de que participou, na última terça-feira (3), Fermino disse que saía de cabeça erguida, ao usar a tribuna do Legislativo.

Ele agradeceu à população e alegou perseguição política. “Eu não roubei, eu não matei, apenas cometi uma ação que sempre amei fazer, que é pescar, e tenho que pagar pelo o que eu fiz”, afirmou.

Fermino disse, ainda, que a cidade está perdendo um grande vereador. “Fui o vereador que mais conquistou recursos para a cidade, mas não vou abandonar Birigui, cidade que eu amo”, afirmou.

O ex-vereador também declarou, enquanto usava a tribuna, que espera conseguir reverter a extinção de seu mandato. “Se Deus quiser, logo estou de volta”, ao dizer que está em contato com os seus advogados.

 

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Anunciante

combustíveis

Após crise do petróleo, revendedores sobem preços da gasolina e do etanol em Araçatuba

Publicado em

Um dia após a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) emitir comunicado de que irá punir os postos que praticarem preços abusivos na esteira da crise do petróleo, os revendedores de Araçatuba reajustaram os valores da gasolina e etanol. O aumento chega a R$ R$ 0,40 por litro.

O litro do derivado do petróleo está sendo vendido entre R$ 4,349 e R$ 4,399. Já o do etanol, entre R$ 2,749 e R$ 2,799. Antes da alta, o consumidor pagava entre R$ 3,889 e R$ 4,299 pelo litro da gasolina, e de R$ 2,339 a R$ 2,499 pelo do etanol.

Consumidores relataram a alta de preços ao Regional Press, após a crise do petróleo provocada pelo ataque à petroleira Saudi Aramco, na Arábia Saudita.

A prática de aumento de preços, no entanto, vai na contramão da decisão da Petrobras de elevar os preços dos combustíveis nas refinarias, até porque a produção na Arábia Saudita já foi restabelecida e os preços do petróleo estão estáveis.

No Brasil, os preços são livres, mas segundo a ANP, não há motivos para o aumento, uma vez que não há riscos de faltar petróleo no País.

De outro lado, para justificar o aumento em Araçatuba, os revendedores falam em fim de promoções, reajustes das distribuidoras e até dificuldade para comprar etanol.

Um posto da Aviação que comercializava o litro da gasolina a R$ 4,199, passou a vender a R$ 4,399, alta de 4,7% Já o etanol passou de R$ 2,499 para R$ 2,799, aumento de 12%.

Outro revendedor, na Waldir Felizola de Moraes, vendia a gasolina a R$ 4,299 e passou a comercializar a R$ 4,399. O etanol, por sua vez, passou de R$ 2,499 para R$ 2,799.

ETANOL

Os valores do etanol subiram a reboque da crise do petróleo. Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o preço do etanol hidratado apontou R$ 1,784 por litro, 1,83% a mais do que na última sexta-feira (13).

Segundo o Cepea, a alta deve-se a uma expectativa de aumento de consumo do etanol, diante de possível aumento da gasolina.

Para a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Única), porém, a alta do etanol é um movimento normal de mercado, justificado pela demanda aquecida.

CONSUMIDOR

A ANP orienta o consumidor a denunciar ao Procon, caso constate prática abusiva de preços. A Agência Nacional informou, ainda, que está atenta aos preços praticados e que faz ações de campo para confirmar suspeita de preços abusivos, em conjunto com o Procon, para penalizar os infratores.

 

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

SAÚDE

Iamspe reabrirá credenciamento para hospitais de Araçatuba e região

Publicado em

Foto: Divulgação

O Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe) anunciou, nesta quarta-feira (18), que reabrirá a rede para credenciamento de hospitais de Araçatuba e da região.

A notícia foi confirmada pelo superintendente do Iamspe, Wilson Pollara, em reunião na sede do instituto, em São Paulo, que é um órgão do Governo do Estado de São Paulo.

O deputado estadual Itamar Borges e o vereador de Araçatuba Antonio Edwaldo Dunga Costa, que intermediaram politicamente a decisão, também participaram do anúncio, junto ao diretor do departamento de Convênios do Iamspe, Antonio Ribeiro, ao chefe de gabinete do Iamspe, Fabiano Marques. Também estiveram presentes membros da Santa Casa de Misericórdia, a secretária municipal de Saúde, Carmem Guariente e o secretário de Comunicação Social, Jonathas Magalhães.

SANTA CASA

Com essa abertura de novo credenciamento, todos os hospitais, com documentação em dia, poderão participar. A Santa Casa de Misericórdia de Araçatuba confirmou a adesão ao recredenciamento.

O hospital deixou de atender os pacientes conveniados ao Iamspe em junho deste ano, alegando estar tomando prejuízo com os procedimentos realizados pelo convênio e que tentou uma negociação para reajustar a tabela de preços do Instituto, mas não houve acordo.

Em agosto, o Iamspe publicou um edital para credenciar outro hospital na cidade, mas não houve interessados. Desde a suspensão dos serviços na Santa Casa, os usuários do Iamspe têm de buscar atendimento hospitalar em São José do Rio Preto e Penápolis, localidades mais próximas de Araçatuba que mantiveram o convênio com o Instituto.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

Garça (SP)

Por calor excessivo, milhares de abelhas se aglomeraram em muro de loja

Segundo o Corpo de Bombeiros, os insetos voaram do local onde formavam um enxame durante a tarde, quando os termômetros marcaram 38ºC.

Publicado em

O calor foi um dos motivos que fizeram milhares de abelhas que formaram um enxame no centro de Garça a sair do local sem a necessidade de intervenção do homem na tarde de terça-feira (17).

Os bombeiros chegaram a isolar a área e acionar um apicultor, mas não foi necessário o trabalho de retirada. Por volta das 16h30, as abelhas deixaram o muro de uma loja de sucos onde elas estavam aglomeradas desde o início da manhã.

Segundo informações do Instituto de Pesquisa Meteorológicas da Unesp (Ipmet), Garça registrou 38ºC na tarde desta terça-feira.

“Esse tipo de ocorrência é muito comum nessa época do ano. Devido a chegada da primavera, ocorre um deslocamento das abelhas, da movimentação, por conta do calor e também por conta da consequência das queimadas”, explica o subtenente Júlio César.

Os bombeiros chegaram a isolar a área e o dono da loja de sucos não pode abrir o estabelecimento durante o dia.

“Quem chegou primeiro foi a minha irmã, que é minha sócia aqui na loja, e ela prontamente chamou os bombeiros, porque a gente não sabia como agir”, conta Marcel Belasalma Rodrigues.

Foto: TV TEM / Reprodução

As milhares de abelhas da espécie Europa chamaram a atenção de quem passava pelo Rua Carlos Ferrari.

“Essa é a primeira vez que eu presencio uma cena dessa e realmente é assustador, porque nos chegamos pra trabalhar, as pessoas todas aqui fora, as pessoas filmando, outras tirando foto, então realmente foi surpreendente”, destaca o corretor Rodilei Rodrigues.

Depois que as abelhas foram embora, a área foi liberada pelo Corpo de Bombeiros.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998
83