Connect with us

RIO DE JANEIRO

Fake News: Prefeitura do Rio usa livro que não é vendido na Bienal em recurso ao STF

No pedido, o procurador-geral do Rio, Marcelo Silva Moreira Marques cita o livro As Gêmeas Marotas para justificar recolhimento de obras

Publicado

em



Ao pedir esclarecimentos sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que proibiu a censura na Bienal do Livro, no Rio de Janeiro, a prefeitura usou fake news para embasar os embargos. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

No pedido, o procurador-geral do Rio, Marcelo Silva Moreira Marques, e o subprocurador-geral, Paulo Maurício Fernandes Rocha, citam o livro As Gêmeas Marotas para justificar a censura. No entanto, a organização da Bienal informou que a obra não foi vendida durante o evento.

O livro As Gêmeas Marotas, que mostra as duas personagens praticando atos sexuais, foi publicado na década de 1970 e relançado em Portugal, em 2012. É uma paródia de uma das obra do autor holandês Dick Bruna, feita para adultos.

As imagens do livro, no entanto, já apareceram em sites de checagem de fake news.

Entenda

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, derrubou nesse domingo (08/09/2019) a decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro para recolher os livros com temática LGBT. O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), pediu que as obras fossem apreendidas durante a Bienal do Rio de Janeiro.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Anunciante
Anunciante
Band FM 96.9
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998