CONECTE CONOSCO

POLÍTICA

Manifestantes vão às ruas contra política ambiental e queimadas na Amazônia

Atos aconteceram em capitais como SP, Rio, Curitiba e Brasília e tiveram gritos contra o presidente.

Publicado em



Manifestantes encheram as ruas de cidades do país nesta sexta-feira (23) contra o desmatamento da Amazônia e a política ambiental do governo Jair Bolsonaro (PSL).

Em São Paulo, no fim da tarde, estudantes, ativistas ambientais e membros de organizações fecharam uma pista da avenida Paulista, entre a alameda Campinas e a rua da Consolação (no sentido Paraíso), entoando gritos de “Fora, Salles” [Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente] e “Bolsonaro sai, a Amazônia fica”.

O grupo carregava bandeiras do Brasil e cartazes pedindo a preservação da Amazônia e do planeta. Alguns usavam máscaras na boca, em referência às queimadas.

O ato começou por volta das 18h em frente ao Masp (Museu de Arte de São Paulo). Foi organizado por integrantes do grupo #AmazôniaNaRua —o evento no Facebook tinha mais de 12 mil confirmados. Policiais militares no local estimaram um público de cerca de 5 mil pessoas no começo do protesto.

Além de ativistas ambientais, membros de partidos como PSTU e de centrais sindicais também compunham o público.

A estudante Victória Escalcon, 16, voluntária da ONG Engajamundo, foi uma das participantes. Ela critica a falta de ação do governo diante das queimadas.

“As pessoas só começaram a se importar quando a fumaça preta chegou a São Paulo”, diz. “Queremos mostrar que estamos aqui lutando pela Amazônia e preocupados com o futuro.”

Também estudante, Júlia Silva, 16, foi ao ato acompanhada de colegas da escola em que estuda, na zona oeste da capital. “Queremos tentar conscientizar o governo para ver se muda alguma coisa, a consciência. O planeta está afundando”, diz ela.

Em Brasília, o ato reuniu cerca de 500 pessoas na Esplanada dos Ministérios.

No Rio, no fim da tarde, centenas de manifestantes se reuniram na Cinelândia e caminharam até o prédio do BNDES, no centro da cidade. O grupo entoou um longo grito de “fora Salles”, contra o ministro do Meio Ambiente, e contra Bolsonaro.

Eles carregavam placas com o rosto do ambientalista Chico Mendes e com escritos como “Não há progresso sem oxigênio”. O trânsito chegou a ficar interditado por algumas horas.

Em Curitiba, houve uma apresentação de um grupo de indígenas antes de uma caminhada que reuniu centenas de pessoas pelo Centro Cívico.

Também houve protestos fora do país. Atos foram registrados em Londres (Reino Unido), Paris (França), Madri (Espanha), Dublin (Irlanda), Barcelona (Espanha), Lisboa (Portugal), Berlim (Alemanha), Genebra (Suíça), Nápoles (Itália), Amsterdã (Holanda).

Munidos com cartazes, os manifestantes se reuniram em frente aos consulados brasileiros de seus países e exigiram que o governo de Jair bolsonaro (PSL) proteja a Amazônia.

Em Londres, vídeos que circularam pelas redes sociais mostram os manifestantes pedindo a renúncia do presidente com gritos de “Bolsonaro precisa sair”.

Em Mumbai, na Índia, um pequeno grupo de manifestantes também protestou na frente do Consulado-Geral do Brasil.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Anunciante

Segurança

Bolsonaro sanciona lei de posse de arma em áreas rurais

Publicado em

No primeiro dia de retorno ao cargo, o presidente Jair Bolsonaro promove nesta terça-feira, 17, uma cerimônia reservada, no Palácio da Alvorada, para sanção da posse estendida de arma de fogo em áreas rurais. O evento é fechado para a imprensa.

Nesta tarde, chegaram ao Alvorada alguns ministros do governo, como Fernando Azevedo (Defesa) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Também estão presentes parlamentares como o deputado Affonso Hamm (PP-RS), relator da medida na Câmara, e o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE).

O projeto que será sancionado pelo presidente permite que residentes em área rural tenham assegurada a posse de armas de fogo em toda a extensão do imóvel rural.

“Trata-se de salutar proposição legislativa, na medida em que confere segurança jurídica e impede divergências interpretativas, conferindo ao proprietário o direito de exercer a sua posse de arma em toda a sua propriedade rural”, diz trecho da justificativa para a sanção.

Bolsonaro, que retomou o mandato hoje após alguns dias em recuperação por causa de cirurgia, passou toda a manhã no Alvorada. O primeiro compromisso do dia foi um encontro com o ministro da Justiça, Sergio Moro, que não constou na agenda oficial das autoridades.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

Justiça

Dodge pede federalização da investigação do assassinato de Marielle

Publicado em

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu hoje (17), ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), a federalização da investigação aberta no Rio de Janeiro para apurar supostas irregularidades na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes.

Caso o pedido de federalização seja aceito pelo STJ, caberá à Justiça Federal, e não mais ao Judiciário local, o julgamento do caso.

No mesmo pedido de deslocamento da competência para julgamento, Raquel Dodge apresentou pedido de abertura de um novo inquérito contra suspeitos que teriam participado de uma “encenação de investigação” para conduzir a apuração a falsos mandantes e esconder a verdadeira autoria dos assassinatos.

O pedido foi feito após a procuradora analisar a tentativa de obstrução das investigações. Durante o processo de análise da federalização do caso, uma cópia da investigação que estava em andamento na Justiça do Rio foi solicitada pela procuradora, mas o compartilhamento de informações foi rejeitado pelo juiz responsável pelo caso.

Além da federalização e a abertura de um novo inquérito, Dodge apresentou denúncia no STJ contra o conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) Domingos Brazão, o delegado da Polícia Federal (PF) Hélio Kristian e mais quatro pessoas. Segundo a procuradoria, todos tentaram atrapalhar as investigações.

Mandato

Dodge encerra nesta terça-feira (17) mandato de dois anos na PGR. Durante o período em que chefiou o Ministério Público Federal (MPF), a procuradora apresentou 64 denúncias contra 224 pessoas; 19 pedidos de homologação de delações premiadas, e 427 pedidos de extradição.

Para o lugar de Raquel Dodge, o presidente Jair Bolsonaro indicou o sub-procurador-geral Augusto Aras. Antes de tomar posse no cargo, Aras precisa ser aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e pelo plenário da Casa. A previsão é que a indicação seja votada em 25 de setembro.

Até a aprovação, a Procuradoria-Geral da República será chefiada interinamente pelo vice-presidente do Conselho Superior do MPF, Alcides Martins.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

Saúde

SUS oferece mais quatro medicamentos para tratar psoríase

Publicado em

O Sistema Único de Saúde (SUS) passará a oferecer gratuitamente mais quatro medicamentos para o tratamento de psoríase. De acordo com o Ministério da Saúde, as novas opções de tratamento são alternativas para casos mais graves da doença ou para quando o paciente não responde bem aos medicamentos já ofertados.

Os medicamentos já eram ofertados pelo SUS, mas tinham indicação para tratamento de outras doenças. Segundo o Ministério, entre os medicamentos incluídos para tratamento da psoríase estão adalimumabe, indicado para a primeira etapa do tratamento após falha da terapia padrão para psoríase; o secuquinumabe e o ustequinumabe, indicados na segunda etapa do tratamento após falha da primeira; e o etanercepte, indicado na primeira etapa de tratamento da psoríase após falha da terapia padrão em crianças.

Eles foram incluídos no Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas (PCDT) de psoríase em setembro deste ano após consulta pública realizada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no SUS (Conitec).

Psoríase

A psoríase é uma doença crônica da pele, não contagiosa, caracterizadas por placas avermelhadas ou róseas, recobertas por escamas esbranquiçadas, que afeta a pele, as unhas e pode acometer as juntas. A doença pode ocorrer em qualquer idade, tanto em homens quanto em mulheres e, até o momento, não tem cura.

O protocolo de tratamento de psoríase, a ser seguido pelos profissionais de saúde, foi publicado pelo Ministério da Saúde em 2013, para disponibilizar tratamentos e medicamentos que ajudem pacientes a alcançarem períodos prolongados de remissão da doença.

Desde então, são ofertados tratamentos com fototerapia e fototerapia com fotossensibilização, além de medicamentos como ciclosporina, em cápsulas ou solução oral; metotrexato, em comprimido ou injetável; acitretina, em cápsulas; calcipotriol, em pomada; clobetasol, em creme; e dexametasona, creme.

Estes medicamentos, somados aos tratamentos médicos e sessões de fototerapia, segundo o Ministério da Saúde, melhoram as lesões, mas não curam a doença. “A melhor forma de tratamento e administração de remédios é feita com base em avaliação clínica, caso a caso, entre o médico e o paciente”, disse pasta em nota.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998
83