Connect with us

Araçatuba (SP)

Chinelo tinha influência para indicar servidores para facilitar corrupção, diz PF

Treze pessoas foram presas, 10 na região de Araçatuba (SP). De acordo com a PF, o valor de R$ 15 milhões foi movimentado a partir do momento que a investigação começou.

Publicado

em

Operação foi coordenada pela Delegacia da PF em Araçatuba (Foto: Regional Press)


O chefe da organização criminosa que desviou pelo menos R$ 15 milhões em contratos fraudulentos com a prefeitura de Araçatuba (SP) indicava servidores públicos para setores estratégicos, de interesse da organização, para viabilizar as contratações e fraudes sem levantar suspeitas. A informação é da Polícia Federal.

A organização criminosa foi alvo da operação #TudoNosso da Polícia Federal, deflagrada nesta terça-feira (13). Treze pessoas foram presas em Araçatuba, Itatiba e Jundiaí. Só em Araçatuba foram 10 presos, entre eles servidores municipais que ocupam cargos de confiança, os chamados comissionados.

Dentre os presos está o empresário e sindicalista José Avelino Pereira (Chinelo), que é suspeito de fazer contratos fraudulentos.

Ele e o filho, Igor Tiago Pereira, atual presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Itatiba, foram presos temporariamente pela Polícia Federal.

De acordo com as investigações, José Avelino seria o chefe do grupo investigado e possui forte influência política na região. Segundo a PF, ele não teve dificuldades para indicar pessoas de sua confiança para ocupar cargos de livre nomeação na Prefeitura de Araçatuba.

Com pessoas ligadas ao grupo criminoso atuando diretamente, e com poder de decisão dentro de secretarias municipais, Chinelo, como é conhecido, conseguiu livre trânsito, articulação e informações privilegiadas relacionadas aos contratos da prefeitura.

A Justiça Federal decretou, além das buscas e prisões, o afastamento cautelar de servidores públicos municipais envolvidos.

Os presos serão indiciados por crimes como corrupção ativa e passiva, falsificação de documentos (públicos e privados), peculato, associação criminosa, fraudes em licitações, dentre outros.

O esquema

A investigação da PF começou há aproximadamente dois anos. Segundo a polícia, investigações apontaram que José Avelino é o responsável por criar um esquema de desvio de recursos públicos mediante a utilização de várias empresas registradas em nome dos sócios e familiares.

O principal objetivo do grupo era fraudar licitações e celebrar contratos de prestação de serviços com o município de Araçatuba.

Além da utilização das empresas, pelo menos uma organização social foi criada pelo chefe do grupo e também foi utilizada para os desvios de recursos públicos.

O que diz a Prefeitura de Araçatuba

A prefeitura de Araçatuba (SP) informou que os contratos retirados para serem investigados são referentes ao período de 2013 a 2019.

Eles pertencem as empresas “Bolívia” e aos “Instituto da Valorização da Vida Humana”. O foco da operação restringiu a busca em objetos pessoais como notebooks, celulares e computadores utilizados pelos servidores da Prefeitura.

O Executivo ainda informou que preza pela verdade e pelos esclarecimentos dos fatos.

Com informações G1/TV Tem

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Anunciante
Anunciante
Band FM 96.9
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998