CONECTE CONOSCO

Flip

Precisamos recuperar a capacidade de prever o futuro, diz neurocientista

Publicado em



PARATY, RJ (FOLHAPRESS) – Sonhos funcionam como uma expectativa do futuro e, se não sonhamos, não conseguimos nos programar para tempestades no horizonte. Mas no Ocidente já quase não se sonha –e isso pode explicar boa parte dos problemas contemporâneos.

É o que defendeu o neurocientista Sidarta Ribeiro, em apresentação mediada pelo jornalista Ronaldo José Lopes neste sábado (13), na Flip (Festa Literária Internacional de Paraty): “A gente precisa urgentemente recobrar a capacidade de prever o futuro.”

“Do paleolítico até o ano 1500, a gente teve o sonho no centro da vida social, no centro da vida política. E aí a gente resolveu tirar o sonho de cena, no Ocidente”, afirmou o autor de “O Oráculo da Noite”. “Hoje em dia tá todo mundo nessa de não sonha, não lembra que sonha e não dorme direito.”

“Será que os grandes problemas do planeta não tem justamente a ver com a nossa incapacidade de simular o que está acontecendo no futuro, o que está vindo, o desastre que se avizinha?”, afirmou ele.

A mesa, originalmente, traria o também neurocientista Stuart Firestein, que precisou cancelar sua vinda ao Brasil por problemas de saúde.

Ribeiro, que foi chamado no começo do mês para substituir o americano, não desanimou o público. Com a plateia cativa pela sua oratória, o pesquisador traduziu temas complexos da filosofia, psicanálise, evolução e neurociência.

Pesquisador do Instituto do Cérebro da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), Ribeiro apresentou seu novo livro, traçando um histórico que passou pela formação da Terra, há 4 bilhões de anos; surgimento dos primeiros seres unicelulares, há 580 milhões de anos (de onde vieram os primeiros neurotransmissores); chegada dos insetos, há 400 milhões de anos (com suas capacidades de dormir e de acumular sono do dia anterior); e surgimento dos primeiros mamíferos, com capacidade de sono REM e que também faziam brincadeiras uns com os outros –”jogar é sonhar acordado”, disse.

Na contemporaneidade, Ribeiro falou sobre como as telas de computadores e celulares nos atrapalham a dormir. “Do mesmo jeito que a gente é capaz de expropriar a terra e as pessoas, a gente expropria a si mesmo, a gente tira o próprio sono. E isso gera uma série de doenças, diabetes, depressão e eventualmente o alzheimer”, afirmou.

Se é preciso recuperar a capacidade de prever o futuro, Sidarta já dá alguns palpites (não muito motivadores): a possibilidade de a robotização excessiva do mundo gerar uma massa de miseráveis.

“Os robôs vão fazer o trabalho de todo mundo. A gente tá a um passo de ficar muito bem e tá a um passo de ficar muito mal, porque os empregos vão desaparecer. Se a gente permitir que os robôs façam o trabalho das pessoas e elas fiquem sem trabalho e sem dinheiro, acabou, gente. Na hora que o primeiro robô comer o primeiro hambúrguer e começar a consumir, acabou. A gente é carta fora do baralho. E tá mais perto do que a gente pensa.”

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Anunciante

MÚSICA

Festival Pandemia reúne bandas de rock neste sábado na praça João Pessoa

Publicado em

A banda Tormenta Metal traz em seu repertório o thrash metal com letras em português e tom questionador - Fotos: Divulgação

O Sesc Birigui realiza, neste sábado (20), mais uma edição do Pandemia Rock, festival que reúne bandas que tocam este gênero musical. Será na praça João Pessoa, em Araçatuba, das 18h às 22h.

O grupo araçatubense Pepper Stone, formado por Viviane Nukamoto, Beatriz Freitas e Juliana Romão, vem se destacando no cenário musical por ser a única banda a ter somente mulheres em Araçatuba e região

A primeira banda a se apresentar é a araçatubense Pepper Stone, com clássicos do rock and roll, levando ao público sucessos de Joan Jett, Janis Joplin, Bon Jovi, Led Zeppelin, AC/DC, Metallica, The Camberries, The Police, Creedence e Beatles.

O grupo vem se destacando no cenário musical sendo a única banda a ter somente mulheres em Araçatuba e região.

Já a banda Gagged, que vem ganhando espaço no circuito independente, aposta no estilo hardcore dos anos 1990.  O show traz o lançamento do segundo álbum “Sobre Nós”, com músicas como “Cidade Sem Lugar” e “Teu Olhar”.

A banda Gagged aposta no estilo hardcore dos anos 1990 e traz músicas de seu segundo álbum, “Sobre Nós”

O festival conta ainda com a participação da banda “Tormenta Metal”, que traz em seu repertório thrash metal com letras em português e tom questionador. A banda promete um clima hardcore carregado de energia.

Os shows não são recomendados para menores para menores de 16 anos.

SERVIÇO

Festival Pandemia Rock

Neste sábado (20), às 18h

Praça João Pessoa, Araçatuba

 

 

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

recuperação

Henrique Fogaça, do Masterchef, sofre acidente e é internado no interior de SP

O artista participava do lançamento de uma moto, em Ribeirão Preto (SP), quando sofreu o acidente

Publicado em

O chef e jurado do Masterchef Henrique Fogaça foi internado às pressas após sofrer um acidente de moto. Em uma foto publicada nesta sexta-feira (19), o carrasco do programa da Band apareceu todo machucado em uma cama de hospital.

“Hoje foi de dia de fraturar algumas costelas, zuar o joelho e a mão #triumphbr”, escreveu o chef na rede social. No Stories, Fogaça ainda mostrou alguns procedimentos realizados pela enfermeira no hospital. “Para hoje, temos algumas costelas fraturadas, a mão, puta que pariu!”, disse.

Horas antes do acidente, Fogaça participou do lançamento de motos da marca Triumph. Segundo Fogaça, ele iria percorrer 60km em asfalto e 40km na estrada de terra. Ainda não há informações de como ocorreu o acidente.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

Bastidores da TV

Saiba por que Mari Palma decidiu deixar a Globo

Publicado em

Mari Palma anunciou na última quarta-feira (17) que deixou de trabalhar na TV Globo após 11 anos. De acordo com o site Notícias da TV, uma proposta salarial irrecusável do canal CNN Brasil fez a jornalista pedir sua demissão.

O site afirma que Mari Palma teve uma reunião com a cúpula do novo canal de notícias e saiu animada com a proposta feita e também com as possibilidades de atuação sugeridas. Após conversar com a chefia da Globo e sem ouvir uma contraproposta, ela decidiu trocar de emissora.

O Notícias da TV diz que o salário oferecido pela CNN Brasil é o triplo do que Mari Palma ganhava na Globo, onde é considerada uma repórter de pouca experiência.

Phelipe Siani, namorado de Mari, pediu demissão da Globo na última sexta-feira (12) após 15 anos trabalhando na emissora. Ele também deve ser contratado pela CNN Brasil e, segundo informações, já foi sondado pelo canal.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
89