CONECTE CONOSCO

EUA

Nike cancela venda de tênis após polêmica por escravidão

Publicado em

© Máquina do Esporte


A Nike decidiu tirar de circulação um tênis que celebrava o aniversário dos Estados Unidos, ocorrido nesta quinta-feira (4). O modelo do Air Max especial do 4 de julho, quando se comemora a independência americana, foi retirado após uma crítica feita pelo atleta de futebol americano Colin Kaepernick.

“A Nike tomou a decisão de suspender a distribuição do modelo com base em preocupações de que ele poderia, sem intenção, ofender e desvirtuar o feriado patriótico do país. Somos uma empresa orgulhosa de sua herança americana”, disse a fabricante, em comunicado distribuído após o caso virar uma crise nacional.

O modelo era nas cores da bandeira americana (branco, azul e vermelho) e trazia, no calcanhar, o desenho da primeira bandeira do país, que era formada por 13 estrelas em círculo e 13 listras. Esse era o símbolo dos EUA no final dos anos 1700.

A ideia original era prestar uma homenagem à mulher que desenhou o modelo da bandeira, a costureira Elizabeth “Betsy” Ross. Os planos, porém, foram frustrados depois que Kaepernick, que se tornou um símbolo recente da companhia por defender os direitos dos negros protestando contra o presidente Donald Trump durante jogos da NFL, comentou com executivos da empresa que achou ofensivo o fato de o tênis remeter a um símbolo de quando o país ainda vivia sob a escravidão.

Assim, a empresa preferiu evitar uma crise ainda maior e passou a pedir para os lojistas devolverem o modelo e não colocá-lo à venda. Originalmente, o Air Max 1 começaria a ser vendido na última segunda-feira (1º), a US$ 140, tanto que o site especializado em tênis “sneakernews.com” já havia feito uma análise sobre o calçado. Não se sabe se algum par chegou a ser comercializado pelos lojistas.

© Fornecido por Comunicazioni Assessoria, Comunicação, Tradução e Negócios Ltda.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Anunciante

Viena

Queniano faz história ao completar maratona em menos de 2h

Publicado em

Foto: Lisi Niesner / Reuters

O queniano Eliud Kipchoge fez história no atletismo neste sábado (12/10) ao se tornar a primeira pessoa a correr uma maratona em menos de duas horas. O atleta de 34 anos terminou a prova clássica de 42,195 quilômetros em 1 hora, 59 minutos e 40 segundos.

O tempo espetacular é quase dois minutos mais curto que seu recorde mundial, de 2 horas, 1 minuto e 39 segundos, conquistado na Maratona de Berlim no ano passado.

Kipchoge alcançou o feito em uma corrida não oficial em uma manhã fria em Viena, na Áustria, ao redor do Parque Prater, organizada justamente para que ele tentasse quebrar a marca.

“Me sinto bem, meu objetivo era fazer história […] Tentei e sou o homem mais feliz por correr em menos de duas horas para inspirar muitas pessoas, para dizer a elas que nenhum ser humano tem limites”, disse o atleta após o feito, que comparou com “caminhar na Lua” pela primeira vez.

“Isso mostra a positividade do esporte. Quero fazer do atletismo um esporte interessante e limpo. Quando corremos juntos, podemos tornar o mundo mais bonito”, acrescentou.

Segundo o queniano, este foi o maior marco do atletismo desde que Roger Bannister tornou-se o primeiro homem a correr uma milha (1.609 metros) em menos de quatro minutos, em 1954. “Após Bannister, levou 65 anos para que se fizesse história.”

“Posso dizer que estou cansado. Foi uma corrida difícil. Lembrem-se, os pacemakers estão entre os melhores atletas do mundo, eu os aprecio por fazer o trabalho”, completou, referindo-se aos atletas que acompanham o líder na prova para determinar seu ritmo.

Neste sábado, Kipchoge contou com 42 pacemakers que o acompanharam ao longo da maratona em grupos alternados de sete homens, muitos deles atletas renomados, além de um carro elétrico que lançava lasers na pista, projetando a posição ideal do atleta.

Correndo a uma velocidade média de 2 minutos e 50 segundos por quilômetro, que se manteve praticamente constante ao longo da corrida, o queniano completou metade da maratona em 59 minutos e 35 segundos, 11 segundos antes do previsto.

Nos últimos 500 metros, os pacemakers e o carro deixaram de acompanhar Kipchoge, que abriu os braços, apontou para a multidão e lançou sorrisos ao terminar a prova e alcançar a marca desejada. “Isso significa muito para o Quênia”, declarou.

A Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) disse que não reconheceria a corrida como um recorde oficial, dada a condição da prova, que não se tratava de uma competição aberta, e a alternância de pacemakers.

A corrida, organizada e financiada pela empresa química britânica Ineos e intitulada de desafio Ineos 1.59, não ficou livre de críticas, tendo sido considerada por alguns um evento mais midiático e comercial do que esportivo.

Somente as câmeras do organizador foram autorizadas a filmar a corrida, testemunhada por inúmeros espectadores, incluindo o quatro vezes vencedor do Tour de France e o líder da equipe de ciclismo da Ineos, Chris Froome.

Kipchoge é um dos maiores corredores de todos os tempos. Aos 18 anos, venceu o Mundial de Cross Country em Lausanne, na Suíça. Também em 2003, ficou em primeiro nos 5.000 metros no Campeonato Mundial de Atletismo de Paris.

Em Olimpíadas, o queniano ganhou medalha de bronze nos 5.000 metros em Atenas em 2004, medalha de prata na mesma modalidade em Pequim em 2008 e, oito anos depois, foi o grande vencedor da maratona nos Jogos Olímpicos do Rio em 2016.

A corrida neste sábado foi a segunda tentativa de Kipchoge de romper a barreira de menos de duas horas em maratona. Em Monza, na Itália, há dois anos, ele fracassou por 26 segundos.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

Internacional

Família consegue traslado do corpo de brasileira morta em Portugal

Publicado em

A família da brasileira Camila da Silva, de 30 anos, que foi encontrada morta no dia 2 de outubro, na Vila Arruda dos Vinhos, no distrito de Lisboa, em Portugal, conseguiu arrecadar dinheiro para realizar o traslado do corpo para o Brasil.

A vítima era de Ipatinga, interior de Minas, e deixou uma filha de 10 anos. Familiares e amigos lamentaram a morte de Camila e pediram apoio financeiro de R$ 30 mil para trazer o corpo da jovem para o País.

Na quarta-feira, 9, Werleis Silva, irmão de Camila, informou em um post nas redes sociais que a família havia conseguido arrecadar o dinheiro por meio de “vaquinha” e que o traslado está previsto para a próxima segunda-feira, dia 14.

A família espera realizar o velório de Camila até a próxima quarta-feira, 16. “Conseguimos arrecadar o dinheiro para fazer o traslado. Agradecemos a todos. Já demos o passo principal, conseguimos a funerária em Portugal. Mandamos os documentos do Brasil para lá. Teremos o parecer da funerária ainda nesta semana, em razão dos dias que precisam para resolver tudo”, disse Werleis Silva em vídeo publicado no Facebook.

Tragédia

O corpo de Camila da Silva foi localizado dentro de uma mala envolta por fita adesiva por um morador que passeava com seu cão pelo local. A Guarda Nacional Republicana confirmou a ocorrência.

No dia seguinte (quinta-feira, 3), a Polícia Judiciária (PJ) de Lisboa anunciou a prisão do companheiro da vítima, de 38 anos, suspeito de tê-la matado à facada, com um golpe letal, na casa onde moravam, e abandonado o corpo dentro da mala. Ele foi encontrado dentro de uma área de mata, mas há indícios de que tentava deixar o país.

Em nota, a polícia informou que recolheu provas, as quais incriminam fortemente o suspeito. A investigação apura se o homicídio aconteceu por motivo passional. O suspeito aguarda julgamento.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998
82