CONECTE CONOSCO

EUA

Novo medicamento contra câncer de mama aumenta taxas de sobrevivência

Sobrevivência de mulheres jovens chegou a 70% das pacientes contra 46% das que receberam o tratamento padrão.

Publicado em

Foto: Pixabay


Um novo medicamento melhora drasticamente as taxas de sobrevivência de mulheres jovens com a forma mais comum de câncer de mama, afirmaram cientistas neste sábado (1), citando os resultados de um teste clínico internacional.

As descobertas, apresentadas na reunião anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica em Chicago, mostraram que a adição de um medicamento conhecido como inibidor de ciclinas no tratamento elevou as taxas de sobrevivência a 70% contra 46% das mulheres que receberam o tratamento padrão.

A taxa de mortalidade foi 29% menor do que quando as pacientes receberam um placebo.

A autora principal do estudo, Sara Hurvitz, disse à AFP que o estudo se centrou no câncer de mama com receptores hormonais positivos, que representa dois terços de todos os casos de câncer de mama entre as mulheres mais jovens e que no passado foi geralmente tratado com terapias que bloqueiam a produção de estrogênio.

“Realmente, pode-se obter uma sinergia ou uma resposta melhor, uma eliminação melhor do câncer, ao acrescentar um destes inibidores no ciclo celular”, além da supressão hormonal, disse Hurvitz.

O tratamento é menos tóxico do que a quimioterapia tradicional porque ataca de forma mais seletiva as células cancerosas, bloqueando sua capacidade de se multiplicar.

O teste, que analisou mais de 670 casos, incluiu apenas mulheres com menos de 59 anos, que tinham câncer avançado (na etapa 4), para os quais não tinham recebido tratamento de bloqueio hormonal prévio.

“Estas são pacientes que tendem a ser diagnosticadas mais tarde, em uma etapa posterior de sua doença porque não temos grandes modalidades de detecção para as mulheres jovens”, disse Hurvitz.

“Isso é o que nos emociona tanto, porque é uma terapia que afeta muitas pacientes com a doença avançada”, acrescentou.

O oncologista Harold Burstein, do Instituto de Câncer Dana-Farber, em Boston, e que não participou da pesquisa, disse que este é “um estudo importante”, que estabeleceu que o uso de inibidores de ciclinas “se traduz em um benefício significativo para a sobrevivência das mulheres”.

A pesquisa recebeu recursos da farmacêutica Novartis.

“Esperamos que estes dados permitam o acesso deste produto a mais mulheres em todo o mundo”, acrescentou Burstein.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Anunciante

TURQUIA

Cão machucado entra na farmácia e pede ajuda; vídeo

Publicado em

Um vídeo lindo está viralizando nas redes sociais. Ele mostra um cachorro machucado entrando em uma farmácia, pedindo ajuda e sendo atendido.

Por sorte, ele entrou no lugar certo, onde trabalha a gentil farmacêutica Banu Cengiz. Há anos ela ajuda cães em situação de rua na Turquia.

O vídeo mostra o momento em que o cãozinho entra e dá pra ela a patinha direita dianteira, justamente a que estava machucada, sangrando. Imediatamente Bany Cengiz pega um medicamento e trata a ferida. O mais emocionante vem a seguir: O cachorro se deita no chão, ao lado dela, e dá a outra patinha, como se estivesse agradecendo à nova amiga.

Além de curar a ferida do cãozinho, Banu deu comida e água e permitiu que ele descansasse ali até a hora de fechar a farmácia.A gentil senhora é conhecida na cidade por ajudar cães sem dono.

Ela oferece a eles um lugar para ficarem quentes e aconchegantes, fora de sua farmácia e ajuda com comida e água até que encontrem lares permanentes.

Assista ao vídeo, postado nas redes sociais por @aksenyao via @emmateu e @_midiamor:

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

CRISE HUMANITÁRIA

Foto de pai e filha afogados expõe drama da imigração para os EUA

O salvadorenho Óscar Ramírez tinha 25 anos e Valeria, menos de 2. Travessias clandestinas aumentaram com limite de Trump para a concessão de refúgio

Publicado em

Pai e filha tentaram atravessar o Rio Grande, mas se afogaram diante do olhar da mãe da menina antes de chegar ao lado americano - 24/06/2019 (Julia Le Duc/AP)

A imagem de um migrante salvadorenho e sua filha de quase 2 anos afogados após tentarem atravessar a fronteira do México rumo aos Estados Unidos se tornou mais um alerta sobre a situação dos milhares de centro-americanos que tentam entrar ilegalmente em território americano.

Os corpos foram encontrados na segunda-feira 24. Pai e filha tentaram atravessar o Rio Grande na altura da cidade de Matamoros, no estado mexicano de Tamaulipas.

Óscar Martínez Ramírez, de 25 anos, trabalhava como cozinheiro em El Salvador e pretendia buscar uma nova oportunidade nos Estados Unidos. Para atravessar o rio, colocou Valeria, de 23 meses, por dentro de sua camisa.

Os dois se afogaram diante do olhar da mãe da menina antes de chegar ao lado americano.

A família estava em Tapachula, no estado de Chiapas, desde a semana passada. Eles pretendiam pedir refúgio nos Estados Unidos, mas descobriram que a ponte internacional que liga o México ao território americano estaria fechada até segunda. No domingo, eles decidiram atravessar pelo rio.

A mãe, Tania Vanessa Ávalos, de 21 anos, contou à polícia americana que Óscar entrou na água com Valeria, enquanto ela seguia logo atrás acompanhada por um amigo da família.

Porém, os dois desistiram e retornaram ao lado mexicano. O pai e a menina se afogaram no forte fluxo do rio antes de chegar à fronteira americana, segundo as autoridades.

A jornalista Julia Le Duc, da agência Associated Press, capturou a cena apenas algumas horas após a morte dos migrantes. A fotografia dos corpos provocou uma grande comoção nos Estados Unidos e em todo o mundo.

“É muito lamentável que isso aconteça”, disse o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, em entrevista coletiva nesta terça-feira 25. “Mas à medida que mais migrantes foram sendo rejeitados pelos Estados Unidos, há mais pessoas que perdem sua vida no deserto ou atravessando o Rio Grande.”

Travessias arriscadas

Desde quinta-feira 20, outros sete corpos de imigrantes foram encontrados nos limites entre o México e os Estados Unidos, segundo informações da polícia do Texas. Entre as vítimas estão uma mulher, dois bebês e uma criança.

A exposição ao calor e a desidratação são as possíveis causas dos óbitos.

As travessias exaustivas e clandestinas dos migrantes se intensificaram com os limites recém-estabelecidos pelo governo do republicano Donald Trump, que restringiu o número diário de pessoas que podem solicitar refúgio nos Estados Unidos nos postos de entrada da fronteira.

Com a expectativa de meses na fila de espera para as entrevistas com as autoridades americanas, muitas famílias migrantes optam por cruzar a fronteira de modo arriscado para fazer suas solicitações e atravessar a região desértica.

Os coiotes, como são chamados os intermediários do tráfico ilegal de pessoas na fronteira, colocam em risco a vida dos migrantes, deixando-os em áreas isoladas ou enviando-os para cruzar o Rio Grande em jangadas improvisadas.

A Patrulha da Fronteira registrou 283 mortes de imigrantes no limite entre Estados Unidos e México apenas no ano passado. Ativistas de direitos humanos dizem que o número é muito maior, pois os restos mortais de muitas vítimas nunca são encontrados e os dados da agência não incluem todas as mortes registradas pelas autoridades locais.

Maus-tratos a crianças

John Sanders, chefe do Escritório de Alfândega e Proteção Fronteiriça (CBP, na sigla em inglês) e principal funcionário de controle fronteiriço dos Estados Unidos, renunciou ao cargo nesta terça.

A partida de Sanders ocorre após as revelações das condições de insalubridade em que viviam menores retidos em um centro da Patrulha Fronteiriça na cidade texana de Clint, um sinal da crescente pressão sobre os recursos públicos diante do aumento das detenções na fronteira sul.

A visita de uma ONG a este centro, situado 30 quilômetros a sudeste de El Paso, mostrou várias irregularidades, entre elas a superlotação do espaço pelos internos e a falta de higiene e de atendimento médico nas instalações.

Uma investigadora do Human Rights Watch (HRW), Clara Long, contou ter visto um “menino de três anos, com os cabelos emaranhados, tosse seca, calças imundas e olhos que fechavam de cansaço”.

O pequenino, que tinha cruzado a fronteira com um irmão de 11 anos e um tio de 18, estava detido há três semanas. Separado do tio maior de idade, estava aos cuidados do irmão mais velho.

O Departamento de Saúde dos Estados Unidos (HHS) anunciou na segunda-feira que 249 crianças que se encontravam no centro de Clint, perto da cidade fronteiriça de El Paso, no Texas, “deveriam estar sob custódia do HHS nesta terça-feira”, reportou a CNN.

Em um relatório publicado nesta terça, a organização Human Rights Watch (HRW) denunciou a situação deplorável dos menores de idade alojados no local. Tratam-se de crianças migrantes que viajavam sozinhas ou que foram separadas de seus familiares pelas autoridades.

As irregularidades incluem desde crianças sem atenção médica adequada até a falta de camas, que obriga muitos a dormir sobre o piso de cimento, apenas protegidos por cobertores térmicos. No entanto, foi noticiado nesta quarta-feira, 26, que mais de 100 crianças foram devolvidas a esse centro, sem que fossem divulgados mais detalhes.

(Com AFP e Reuters)

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

tráfico internacional

Militar da Aeronáutica é preso por suspeita de transportar droga na Espanha

Publicado em

(UOL/FOLHAPRESS) – Um militar da Aeronáutica brasileira foi detido nesta terça-feira (25) no aeroporto de Sevilha, na Espanha, por suspeita de transportar drogas. A informação é do Ministério da Defesa, em nota.

A pasta diz que os fatos estão sendo apurados e que foi determinada a instauração de Inquérito Policial Militar (IPM). Segundo a Agência Brasil, o militar, que não teve o nome divulgado, estava em um voo da FAB (Força Aérea Brasileira).

O ministério e o Comando da Aeronáutica disseram repudiar atos dessa natureza e que darão prioridade para a elucidação do caso, com aplicação de “regulamentos cabíveis”.

A reportagem solicitou mais detalhes sobre o caso à assessoria de comunicação social do ministério, que não respondeu às questões feitas. Não foi informado se o militar estava na Espanha a trabalho.

BOLSONARO
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) mudou a rota de viagem na noite de terça. Ele decolaria de Brasília rumo a Sevilha para, na sequência, seguir viagem rumo ao Japão, onde participa de reunião do G-20.

Mas no fim da noite, a agenda oficial do presidente no site do Planalto passou a mostrar Lisboa como local de escala. A assessoria do presidente não explicou o motivo da mudança.

No Twitter, Bolsonaro disse que foi informado da detenção e determinou ao ministro da Defesa, general de Exército Fernando Azevedo e Silva, “imediata colaboração com a Polícia Espanhola na pronta elucidação dos fatos, cooperando em todas as fases da investigação, bem como instauração de inquérito policial militar”.

Bolsonaro disse ainda que as Forças Armadas têm em seu contingente “cerca de 300 mil homens e mulheres formados nos íntegros princípios da ética e da moralidade” e que, caso o envolvimento do militar venha a ser comprovado, que ele seja “julgado e condenado na forma da lei”.

HISTÓRICO
Esta não é a primeira vez que militares brasileiros são presos em circunstâncias parecidas. Em 2011, um coronel da reserva foi penalizado com a perda do posto e da patente pelo STM (Superior Tribunal Militar) pelo tráfico de cocaína em aviões da FAB (Força Aérea Brasileira).

Antes, ele já havia sido condenado pela Justiça Federal a 17 anos de prisão. Outros dois oficiais da Aeronáutica envolvidos no caso foram condenados a 16 anos de reclusão, cada um.

Segundo os autos, o coronel integrava uma quadrilha especializada em tráfico internacional de drogas para a Europa, mediante a utilização de aeronaves da FAB. O militar foi preso, em flagrante, no dia 19 de abril de 1999, com 32 kg de cocaína, escondidos em malas de viagem, com destino a Las Palmas, Ilhas Canárias.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
87