CONECTE CONOSCO

Alerta

H1N1 causou a maioria das 222 mortes por gripe em 2019

Publicado em



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O vírus da gripe já matou 222 pessoas neste ano, segundo o balanço mais recente do Ministério da Saúde, com dados até 25 de maio. A maior parte das mortes por influenza foi causada pelo subtipo A (H1N1): 148, o que representa 66,6% do total de óbitos.

O número de casos caiu em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2018, foram 335 mortes por gripe até a semana epidemiológica 21. Dessas, 218 haviam sido causadas pelo H1N1, ou seja, 65%. Esse subtipo viral tem uma virulência alta e é facilmente transmitido.

Surtos de gripe em Goiás e no Ceará impulsionaram as altas taxas registradas um ano atrás, observa a médica Nancy Bellei, consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia –foram 338 no primeiro e 300 casos no outro.

A suscetibilidade da população à contaminação, a temperatura do local e a rede de assistência médica disponível são fatores que ajudam a explicar a maior ou menor incidência nas diferentes regiões do país.

Apesar da redução em um ano, a especialista diz que é cedo para comemorar. “Ainda vamos entrar no inverno. Não sabemos a eficácia das vacinas [que são atualizadas todo ano por causa das mutações do influenza] e as consequências do atraso na aderência vacinal por parte de grupos de risco”, afirma ela. “Tudo pode gerar um impacto, especialmente nos estados mais populosos.”

O Ministério da Saúde não atingiu neste ano a meta de vacinar 90% do grupo prioritário entre 10 de abril e 31 de maio. A cobertura ficou em torno de 80%. O grupo inclui categorias como gestantes, puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), crianças de seis meses a menores de seis anos e idosos.

O estado de São Paulo lidera o ranking de contaminações por influenza neste ano, com 244 casos –destes, 16 foram fatais. Em comparação com 2018, houve redução: no mesmo período, haviam sido registrados 462 casos e 71 óbitos.

Segundo a secretaria estadual de Saúde de São Paulo, o número de casos em 2019 já é maior do que o informado pelo Ministério da Saúde. A pastae estima que houve 255 registros e 26 óbitos ligados ao influenza até terça-feira (11).

O fato de ser o estado mais populoso do país, com alta circulação de pessoas e muitos eventos que envolvem grandes aglomerações, ajuda a explicar a alta incidência no estado, diz Bellei. A gripe é transmitida, principalmente, por meio da inalação de partículas infectadas eliminadas por meio da tosse e do espirro.

Além disso, há uma melhor vigilância da quantidade de casos no estado, em comparação com outros lugares, o que ajuda a ter dados mais precisos, segundo a especialista.

O Sudeste é a região com a maior quantidade de registros de contaminação por influenza: 412. É seguido pelas regiões Nordeste (267), Norte (252), Sul (224) e Centro-Oeste (92).

Os estados do Amazonas e do Paraná lideram a lista de estados com mais casos fatais da doença, com 35 óbitos cada. São seguidos por Rio de Janeiro (26) e São Paulo (16).

Entre os mortos, 81,5% apresentavam fator de risco, segundo o Ministério da Saúde. Os grupos com maiores taxas de óbito foram idosos (39,2%), diabéticos (27,1%), pessoas com doença cardiovascular crônica (26,5%) e crianças de até cinco anos (19,3%).

A campanha de vacinação contra a gripe foi estendida para toda a população em 3 de junho. A secretaria estadual de Saúde de São Paulo afirma, em nota, que a campanha no estado seguirá em andamento enquanto houver estoques de vacina nos postos.

Segundo a pasta estadual, desde 10 de abril 11,8 milhões de pessoas já foram vacinadas –destas, cerca de 1 milhão procuraram postos a partir de 3 de junho.

Para quem estiver gripado, o Ministério da Saúde diz, em nota, que todos os estados estão abastecidos com o fosfato de oseltamivir, usado para tratamento e profilaxia da doença.

A pasta afirma que foram enviadas cerca de 9,5 milhões de unidades aos governos locais. A recomendação é que o tratamento seja realizado nas primeiras 48 horas após o início dos sintomas.

Para evitar a gripe, a infectologista Roberta Schiavon orienta que, além de tomar vacina, as pessoas lavem bem as mãos, usem álcool gel, mantenham ambientes ventilados e, ao espirrar, tapem a boca com o antebraço, em vez das mãos.

Influenza
Vírus da gripe, tem diferentes subtipos, como A (H1N1), A (H3N2) e B

Sintomas 
Falta de ar, cansaço e febre são sinais de uma possível contaminação pelo vírus. A recomendação é buscar ajuda médica nesses casos, especialmente se a pessoa estiver em algum grupo de risco

Vacina
A trivalente, disponível no SUS (Sistema Único de Saúde), protege contra o H1N1, O H3N2 e o B Victoria, os mais comuns no Hemisfério Sul. Já a quadrivalente, ofertada em clínicas particulares, protege contra mais um subtipo do B, o Yamagata, e custa em torno de R$ 100. Em ambos os casos, a dose é única e anual

Mudança
Como o vírus da gripe sofre constante mutação, a vacina é atualizada pelo governo todo ano. Neste ano, a trivalente sofreu mudança em duas das três cepas que fazem parte da sua composição

Quem deve se vacinar 
A recomendação é que toda a população tome a vacina. Principalmente gestantes, puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), crianças entre 6 meses a menores de 6 anos e idosos

Prevenção
A recomendação de especialistas é se vacinar, higienizar bem as mãos com água e sabão, ter sempre álcool gel em mãos, manter ambientes bem ventilados e evitar contato com pessoas contaminadas

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Anunciante

PESQUISA

Unicamp descobre zika em placentas de gestantes com exame negativo

Falso-negativo ocorreu quando mulheres grávidas com sintomas da doença passaram por exames entre 2016 e 2017 dentro do protocolo estabelecido pela Secretaria de Estado da Saúde de SP. Pesquisadores da Unicamp analisaram placentas de maneira diferente.

Publicado em

Um estudo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) revelou a presença do vírus da zika nas placentas de gestantes que tiveram sintomas da doença no período de epidemia, mas resultado negativo em exames. Pesquisadores analisaram mais amostras do que o atual protocolo estadual exige, e pedem à Secretaria de Estado da Saúde que avalie mudanças nesse processo.

Essas mulheres com falso-negativo tiveram seus bebês no Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher da Unicamp (Caism). Os tecidos das placentas colhidos, assim como exames de sangue, foram analisados pelo Instituto Adolfo Lutz, que tem o padrão de usar uma única amostra de placenta.

As pacientes autorizaram a pesquisa também pela universidade, que estudava o desenvolvimento de um novo protocolo de coleta da placenta. A diferença foi grande.

-A análise do tecido pela Unicamp foi feita em 17 placentas e o vírus foi confirmado em 14 delas. Antes, todas estavam com resultado negativo para zika.
-As cinco amostras de cada placenta foram coletadas e armazenados em condições ideais desde os partos, mantidas congeladas a -70º.
-As gestantes foram acompanhadas desde a gestação – 2016 e 2017 – até os nascimentos dos bebês, que ocorreram entre 2017 e 2018.
-Os bebês nasceram sem microcefalia.
-O protocolo estadual prevê acompanhamento deles, mas nem todas as mães o mantiveram.
-A Unicamp vai fazer contato com as 14 mães e monitorar seus bebês.

O estudo, financiado por Fapesp e CNPq, foi realizado durante o primeiro semestre de 2019 e os resultados finais foram obtidos em agosto.

Placenta é marcador do zika

A pesquisa faz parte de uma tese de doutorado e foi feita em parceria entre a Faculdade de Ciências Médicas (FCM) e o Instituto de Biologia (IB). Professora titular de obstetrícia e orientadora da tese, Eliana Amaral explica que a placenta se mostrou uma importante depositária do vírus da zika.

“Nós vimos que a placenta é um repositório e um marcador de zika. Significa que não importa quando teve a gravidez, mas mostrou que estava com o vírus zika presente. Não sabemos se é uma barreira”, afirma Eliana.

Os 14 bebês precisam ser acompanhados para verificar se apresentarão ou não alguma sequela por conta do vírus na placenta. Algumas das possibilidades provocadas por arboviroses como o zika são problemas auditivos, oftalmológicos e neurológicos.

“É natural para uma mãe que, quando está vendo que não tem nada com a criança, não faça nenhum segmento. Vamos em busca dessas 14 crianças para confirmar se não tiveram nenhuma consequência”.

“Como se falou muito do zika só pela microcefalia, a nossa discussão é que as arboviroses podem ter outros tipos de consequência. E entender que a placenta sempre pode ser um bom marcador. Não se dá tanto valor à placenta quanto ela deveria receber”, completa a orientadora do estudo.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

Medida Provisória

Relator vai propor aproveitar cubanos no Médicos pelo Brasil

Pela medida, cubanos receberiam uma bolsa no mesmo valor de médicos residentes no Brasil, que é de R$ 3.400

Publicado em

O relatório da Medida Provisória (MP) que cria o programa Médicos pelo Brasil deve incluir o aproveitamento de 1,8 mil médicos cubanos que trabalharam no Mais Médicos. A ideia já havia sido inicialmente defendida pelo Ministério da Saúde, mas enfrentou resistência do Ministério da Educação, que afirmou não haver como os profissionais atuarem sem a validação do diploma.

A alternativa encontrada pelos parlamentares para aproveitar os profissionais, que chegaram ao país para trabalhar no programa por meio de um acordo de cooperação firmado com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), foi criar uma nova figura, a de “apoiadores médicos”. Por essa proposta, eles receberiam uma bolsa no mesmo valor de médicos residentes no Brasil – equivalente a R$ 3.400. O valor líquido da bolsa do Mais Médicos hoje é de R$ 11,7 mil.

O relatório, do senador Confúcio Moura (MDB-RO), deve prever que os profissionais cubanos possam atuar na atenção básica por até dois anos. E, nesse período, teriam a possibilidade de prestar a prova para a validação do diploma obtido no exterior, batizada de Revalida, por até quatro vezes.

O relatório da MP também deverá tratar desse tema. A ideia é que a prova seja realizada duas vezes por ano. Atualmente, não há uma periodicidade predeterminada para o exame, hoje coordenado pelo Inep, instituto vinculado ao MEC.

Uma das queixas de profissionais que se formam no exterior é justamente a dificuldade de obter a permissão trabalhar no Brasil. O último Revalida foi realizado entre 2017 e 2018.

O relatório deve ser apresentado nesta terça-feira (17/09/2019) na Comissão Especial Mista que analisa a medida. Durante as discussões no colegiado, foram realizadas sete audiências, com a participação de 35 convidados. Entre eles estava o ministro da Educação, Abraham Weintraub, que se disse favorável à realização do Revalida mais de uma vez por ano.

O ministro sugeriu também que candidatos pagassem pela prova um valor condizente com os custos do exame. Na última edição, as duas fases do Revalida, somadas, custaram para o candidato R$ 600. Um valor que, na avaliação da equipe do MEC, é bem menor que o custo real da prova.

A ideia de aproveitar profissionais cubanos que permaneceram no Brasil agrada sobretudo prefeitos. Os médicos cubanos começaram a chegar no País em 2013, assim que o Mais Médicos foi lançado. Durante um longo período, eles responderam por boa parte das vagas preenchidas do programa.

Essa lógica começou a se inverter em 2016, no governo Michel Temer. No ano passado, numa reação às críticas feitas pelo então candidato à Presidência Jair Bolsonaro à cooperação, Cuba rompeu o acordo e chamou os profissionais de volta. Parte deles, no entanto, decidiu ficar. Eram sobretudo cubanos casados com brasileiros, com filhos, cuja situação já estava regularizada.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

POLÊMICA

Eduardo Bolsonaro republica vídeo com críticas à CPI da Lava Toga

Deputado federal defendeu visão da youtuber de direita Paula Marisa. Para ela, a CPI poderia até "acabar com a Lava Jato"

Publicado em

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) compartilhou em uma rede social um vídeo que compila críticas à chamada “CPI da Lava Toga“, que parte do Senado defende para investigar integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF), como o presidente Dias Toffoli.

“Muito tem se falado sobre a CPI da Lava Toga. Muitas dúvidas são respondidas neste vídeo”, publicou Eduardo no Twitter, recomendando aos seus seguidores que assistissem.

No vídeo, a youtuber conservadora Paula Marisa, que se define como “integrante da milícia virtual jacobina”, afirmou que a CPI da Lava Toga não fará uma “limpa no Judiciário”, pode “trancar a pauta da reforma da Previdência no Senado” e até “acabar com a Lava Jato”.

A autora criticou senadores favoráveis à CPI da Lava Toga, incluindo os integrantes do PSL Major Olimpio (SP) e a juíza Selma (MT), além de Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Reguffe (DF-Podemos).

A youtuber defendeu, como pauta mais eficiente do que a CPI da Lava Toga, o impeachment de ministros do Supremo e o fim da PEC da Bengala, que elevou de 70 para 75 anos a idade em que integrantes de tribunais superiores são compulsoriamente aposentados.

A postagem de Eduardo é a primeira manifestação pública dele após o irmão e senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) se tornar alvo críticas por se posicionar contra a abertura da CPI. Senadores do PSL disseram ter recebido de Flávio pedido para retirada das assinaturas para criação da comissão e demonstraram insatisfação

Uma parte dos apoiadores bolsonaristas nas redes sociais cobrava que Flávio assinasse também o requerimento para abertura de CPI. Pressionado, Flávio explicou em entrevista ao Canal Terça Livre por que é contra. “Tenho a clara percepção que uma CPI com essa pauta toca fogo no País”, disse.

No vídeo compartilhado por Eduardo, a youtuber diz que “não vai passar o pano para o senador Flávio Bolsonaro”, e contestou o argumento usado pelo senador em uma entrevista, de que não poderia tomar certas medidas por ser filho do presidente.

“Me desculpa senador Flávio Bolsonaro, mas se você está impedido, está de mãos amarradas para tomar medidas que são importantes para o País, pelo fato de ser filho do Bolsonaro, renuncie, porque a gente precisa de senadores lutando pelas nossas reivindicações”, disse.

Citado no vídeo da youtuber compartilhado por Eduardo, o senador Alessandro Vieira respondeu ao deputado no Twitter indicando que ele estaria “repassando fake news para tentar encobrir a covardia e o acordão”. “Falta de vergonha na cara. A real é que o sistema está usando o rabo preso da sua família para barrar o combate à corrupção. Quem quer mudar o Brasil apoia a CPI. Quem quer mamata em embaixada fica com mimimi”, disse o senador.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998
81