CONECTE CONOSCO

tragédia

Duas crianças brasileiras morrem após serem atingidas por rocha no Chile

Menores de 3 e 7 anos estavam com os pais e outros turistas na região de El Yeso, em San José de Maipo; não se sabe se outras pessoas ficaram feridas

Publicado em

Duas crianças brasileiras morreram após serem atingidas por rocha no Chile (Reprodução/Facebook/DiarioNCM)


Duas crianças brasileiras morreram nesta segunda-feira (3) após serem atingidas por uma rocha nas proximidades do reservatório El Yeso, em San José de Maipo, região metropolitana de Santiago, no Chile .

De acordo com as primeiras informações, divulgadas pelo Diario ACM , as crianças de 3 e 7 anos estavam com seus pais junto com um grupo de turistas que percorreu o setor de La Cortina.

O mais novo morreu ainda no local. O mais velho chegou a ser transferido de helicóptero para o hospital de San José, mas não resistiu aos ferimentos. Ainda não se sabe se existem mais pessoas feridas além dos menores após o deslocamento da rocha .

Esta é a segunda tragédia que acaba com a morte de brasileiros em Santiago em menos de um mês. No último dia 23 de maio, seis turistas foram encontrados mortos em um apartamento alugado vítimas de um vazamento de gás.

O grupo, que integrava uma mesma família, estava de férias e havia alugado o imóvel através de um aplicativo. Foram encontrados quatro adultos e duas crianças falecidos no apartamento. Nesta segunda-feira, os corpos da família serão trazidos ao Brasil e o enterro deve acontecer nesta terça (4).

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte: Último Segundo/iG
Anunciante

INUSITADO

Turistas franceses são presos na Itália por furto de 40 quilos de areia da praia

O casal tentou embarcar em uma balsa com destino ao sul da França com o material escondido em garrafas de plástico.

Publicado em

Areia das praias da Sardenha tem coloração mais esbranquiçada — Foto: Pixabay

Um casal de turistas franceses, que estava passando as férias na Sardenha, na Itália, foi preso por ter tentado embarcar dezenas de quilos de areia branca das famosas praias da ilha italiana. A história foi publicada pelo jornal “Corriere della Sera” na sexta-feira (16).

A areia estava sendo transportada em 14 garrafas de plástico, e foi descoberta pela polícia aduaneira durante um controle, quando os franceses se preparavam para embarcar em uma balsa para Toulon, cidade portuária situada no sul da França.

A areia vinha da praia de Chia, no sul da ilha, uma das “mais lindas do país”, segundo a imprensa local.

Os turistas alegaram que queriam trazer uma “lembrança” das férias, mas as autoridades italianas explicaram que é ilegal retirar areia das praias. Na Sardenha, como a areia tem um papel importante no ecossistema, ela é considerada como um “bem de utilidade pública”.

O delito pode ser punido com penas que vão de um a seis anos de prisão.

Cresce venda ilegal de areia, pedras e conchas

O comércio ilegal de areia, pedras e conchas cresceu nos últimos anos, segundo o jornal italiano. Durante o verão, os turistas, principalmente alemães e escandinavos, recolhem a areia branca das praias e revendem na internet, muitas vezes cobrando “caro” pelo produto.

Na França, o código do Meio Ambiente também proíbe essa prática, com multas que podem chegar a quase R$ 7.000 (1.500 euros).

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

EUA

Casal finge morte de bebê com boneca Reborn para arrecadar dinheiro

Publicado em

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Um casal usou uma boneca ‘Reborn’ (linha que imita bebês de verdade) para tentar arrecadar dinheiro pelas redes sociais. O caso aconteceu em  Somerset, condado de Nova Jersey, nos Estados Unidos.

Geoffrey Lang e sua mulher Kaycee publicaram na internet a notícia de que o suposto filho Easton Walt teria morrido de falha respiratória horas após o seu nascimento, em 3 de julho, segundo reportagem do canal local Action4News.

O casal então criou uma conta no site de arrecadação GoFundMe pedindo dinheiro para poderem comprar uma urna de cinzas personalizada. No texto, eles descreveram a “experiência de segurar as mãos do bebê, abraço e beijá-lo” em seu breve momento de vida.

Uma amiga de Kaycee suspeitou da falsa gravidez e ligou para a polícia. “Estávamos felizes por eles, porque ela disse que já tinha perdido um bebê”, contou Cynthia Dilascio.

Dilascio contou que recebeu um convite para um chá de bebê, mas o casal havia desaparecido nos últimos sete meses. Após o anúncio da suposta morte, ela foi convidada a um memorial, mas se recusou a ir. “Não sei por qual motivo eles fizeram isso, mas magoar amigos e familiares é algo doente”, afirmou a amiga.

Ao invadir a casa, a polícia encontrou uma boneca “Reborn” que o casal pode ter usado para realizar a fraude. Eles devem comparecer ao tribunal em setembro por acusação de roubo.

A GoFundMe diz que reembolsará todo o dinheiro doado ao casal. A reportagem não informou quanto o casal já teria recebido.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

Melhor Amigo

Cão que velou túmulo do tutor por uma década ganha estátua na Argentina

Publicado em

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Capitán ficou conhecido por velar, por uma década, o túmulo do tutor, na Argentina. Agora, um ano e meio após a morte do cachorro, ele foi homenageado com uma estátua, no mesmo cemitério onde passou parte de sua vida.

A obra foi aprovada pelo Conselho de Representantes de Villa Carlos Paz, Córdoba, e um concurso definiu o escultor: Enrique Lopez D’Franza.

A estátua foi inaugurada dia 12 deste mês. Junto ao monumento foram colocadas as cinzas do cachorro, segundo a mídia local.

Capitán escolheu viver próximo ao túmulo de seu amigo. A família diz não saber como ele descobriu o local. Fato é que ele chegou ao cemitério em 2007, dez meses após a morte de Miguel Guzmán, e passou a viver por ali.

Até sua morte, em fevereiro de 2018, foi alimentado e cuidado pelos funcionários. No final da vida, o cachorro -que tinha aproximadamente 15 anos- andava com dificuldade, havia perdido parcialmente a visão e sofria de insuficiência renal.

Após a morte, o veterinário Cristhian Stempels disse que ao jornal La Voz que o animal poderia ter sido internado, para que morresse na clínica. Mas prefeririam fazer o atendimento no cemitério, onde se sentia tranquilo.

Por: LÍVIA MARRA

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998
81