CONECTE CONOSCO

Saúde

Cuidados no salão de beleza podem ajudar a prevenir doenças

Enfermidades como hepatites B e C podem ser transmitidas por um pequeno sangramento provocado pela retirada de cutículas

Publicado em



Você sabia que as hepatites B e C podem ser transmitidas por um pequeno sangramento provocado pela retirada de cutículas? Por causa disso, os salões de beleza podem ser a porta de entrada para esses vírus.

Retirar as cutículas faz com que as unhas fiquem desprotegidas e se tornem porta para diversas doenças. “Quando a manicure tirava a cutícula de uma cliente e, de repente, sangrava, ela mesma estancava o sangramento com o próprio dedo. Entretanto, elas não se dão conta de que se a pessoa estiver contaminada, ela também pode se contaminar”, alerta a enfermeira Andreia Schunk.

Material

A assistente Janaina Iara da Silva conta que, para ela, fazer as unhas era apenas uma questão estética e nem imaginava que podia ser contaminada. “Eu apenas olhava se o local estava limpo. Nunca reparei se o material utilizado era descartado ou esterilizado. Vou começar a prestar atenção”, avisa.

Já a manicure Josianne Pereira revela que sempre leva o material descartável e luvas para a casa das clientes. “Como eu tenho clientes fixas e atendo na casa delas, a maioria já tem seu material próprio. As que não tem eu levo. Nossa saúde em primeiro lugar”, afirma.

Para o médico Roberto Foccacia, todas as pessoas devem se vacinar para se prevenir das doenças. “Os grupos mais expostos são o pessoal da área de saúde, as manicures e os barbeiros”, explica.

Dicas

Confira o que fazer para livrar o seu ambiente de trabalho das hepatites virais:

1. Lave as mãos com água e sabão líquido por, no mínimo, 40 a 60 segundos, antes e depois de atender cada cliente.

2. Use luvas descartáveis para cada cliente. Use-as apenas uma vez e troque-as ao terminar o atendimento.

3. Use materiais descartáveis: luvas, lixa para unhas e pés, palitos, protetores de plástico para cubas e bacias. Despreze os materiais descartáveis em recipientes resistentes à perfuração e com tampa.

4. Use toalhas individuais para cada procedimento. Uma toalha diferente deve ser usada para cada procedimento, mesmo que seja para o(a) mesmo(a) cliente. As toalhas descartáveis devem ser desprezadas após o uso. As de tecido devem ser lavadas e embaladas em saco plástico individual e guardadas em local limpo, seco e arejado até serem usadas novamente. Retire a toalha da embalagem plástica na frente do(a) cliente.

5. Esterilize seus instrumentos em autoclaves ou estufas: a esterilização é o processo que destrói todos os tipos de vírus, bactérias e fungos.

6. Utilizando uma luva de borracha, lave bacias e cubas com água e sabão líquido ou detergente após o término do atendimento de cada cliente.

7. Limpe adequadamente seus instrumentos de trabalho: alicates, espátulas, cortadores de unha, palitos de metal.

8. Mantenha os móveis limpos. A desinfecção do mobiliário deve ser feita com álcool 70%, após o atendimento de cada cliente.

9. Organize a rotina de limpeza. Todo estabelecimento de beleza pode elaborar um manual de rotinas e procedimentos realizados por manicures e pedicures, para facilitar o trabalho diário e garantir a segurança de todos os profissionais e clientes.

10. Alerta para a depilação. Para evitar a contaminação com sangue ou secreções, deve-se utilizar espátulas descartáveis, separar a cera em outro recipiente e descartar, em seguida, o que foi utilizado. No ato de desencravar os pelos, ou retirar a sobrancelha, recomenda-se que a pinça seja esterilizada ou do(a) próprio(a) cliente.

11. O ideal é que cada pessoa tenha o seu kit. Estimule os(as) seus(suas) clientes a levarem seus próprios instrumentos.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte: portal SP
Anunciante

SORTE

Loteria: Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 120 milhões nesta quarta

Apostas podem ser feitas até 19h, em lotéricas ou pela internet.

Publicado em

O concurso 2.189 pode pagar um prêmio de R$ 120 milhões para quem acertar as seis dezenas. O sorteio ocorre às 20h (horário de Brasília) desta quarta (18) em São Paulo (SP).

Para apostar na Mega-Sena

As apostas podem ser feitas até as 19h (de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país ou pela internet. A aposta mínima custa R$ 3,50.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

Na Rede

Brasil tem 24,3 milhões de crianças e adolescentes que usam internet

Publicado em

Cerca de 24,3 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 9 e 17 anos, são usuários de internet no Brasil, o que corresponde a cerca de 86% do total de pessoas dessa faixa etária no país.

A informação consta na pesquisa TIC Kids Online Brasil 2018, divulgada hoje (17) pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

“Este percentual é mais alto do que a média da população em geral [conectada], que está em torno de 70%. Isso mostra que crianças e adolescentes são um público bastante conectado à rede”, disse Fabio Senne, coordenador de projetos de pesquisas do Cetic.br. Segundo ele, há três anos o uso da internet por esse público era 79%.

“Há um incremento constante no percentual de usuários. E isso tem a ver também com as faixas etárias. Quando se chega na faixa entre 15 e 17 anos, esse percentual é ainda maior que os 86%”.

A pesquisa apontou também que, no ano passado, 3,8 milhões de crianças e adolescentes não tinham acesso à internet por falta, por exemplo, de acesso à rede em casa (8%) ou pela impossibilidade de usar a internet na escola (5%). Segundo Fabio Senne, as regiões Norte e Nordeste são as que menos usam internet no país (75%), enquanto a Região Sul (95%) é o local onde crianças e adolescentes estão mais conectadas.

“A pesquisa estima que cerca de 3,8 milhões de crianças e adolescentes não usaram a internet nos últimos três meses. E elas estão concentradas nas parcelas mais vulneráveis da população, especialmente nas classes D e E e uma quantidade grande também [está] presente na Região Nordeste do país, o que mostra que é preciso políticas específicas de inclusão mais focalizadas nesses públicos”, disse.

Multimídia

Segundo a pesquisa, oito em cada dez crianças e adolescentes do país assistem a vídeos, programas, filmes ou séries na internet. O estudo revelou que o uso da internet para atividades multimídia por crianças e adolescentes (83% do total dos entrevistados) é maior que a utilização da internet para o envio de mensagens instantâneas (77%), que o hábito de jogar sem conexão com outros jogadores (60%) ou conectados com outros jogadores (55%) e pouco maior que o uso da internet para escutar música (82%).

A internet é mais usada por meio de telefone (93%). Desde 2014, o uso de telefone celular ultrapassou o uso de computadores e Senne acredita que isso deve ainda aumentar. Também vem crescendo o uso de internet por meio da televisão (chegando a 32%, quando em 2014 era acessada por 5% dos entrevistados).

A pesquisa apontou que em setores mais vulneráveis da população, as pessoas tendem a usar a internet exclusivamente por celular, como no caso das classes D e E, em que esse tipo de uso exclusivo foi apontada por 71% das pessoas.

Alunos, Computador
Uso de internet dentro das escolas atinge em torno de 40% das crianças e adolescentes do país – Marcello Casal jr/Agência Brasil

Educação

Cerca de 74% das crianças e adolescentes utilizam a internet para pesquisa em trabalhos escolares. Pouco mais da metade ( 53%) usa a internet para ler ou assistir a notícias, enquanto 66% diz que costuma fazer pesquisas na internet por curiosidade ou vontade própria.

No entanto, o uso de internet dentro das escolas atinge em torno de 40% das crianças e adolescentes do país. “Isso mostra que, apesar do uso já atingir 86% das crianças e adolescentes, quando vamos olhar para a escola, a escola não está sendo um espaço prioritário de uso da rede”, disse Senne.

Redes sociais

De acordo com a pesquisa, cerca de 82% das crianças e adolescentes usuárias de internet relatam usar e ter perfil nas redes sociais, o que corresponde a cerca de 22 milhões de usuários dessa faixa etária no país.

“Ela [a pesquisa] traz uma tendência bastante marcante de crianças e adolescentes nesses ambientes. Se a gente olha esse dado por faixa etária, temos quase 97% de crianças e adolescentes usuários de internet, entre 15 e 17 anos, que possuem perfil na rede social, o que é bastante expressivo”, disse a coordenadora da pesquisa Luísa Adib.

Pela primeira vez na pesquisa, o número de crianças e adolescentes com contas no WhatsApp superou o número de perfis no Facebook. Também cresceu o número de usuários dessa faixa etária no Instagram, que é a terceira plataforma em número de uso entre esse público.

Apesar dos benefícios, Luisa disse que o uso da internet por crianças e adolescentes também envolve riscos, como o contato com estranhos, embora não necessariamente, segundo ela, isso possa incorrer em um problema. Também pode haver a exposição a conteúdos sensíveis e a própria conduta da criança e do adolescente poder ser considerada ofensiva para seus próprios pares.

Luisa alerta que atividades de mediação entre pais e seus filhos e o acompanhamento no uso da internet podem ajudar na prevenção desses riscos.

“O que a gente observa é que as medidas mais ativas e participativas são as que tendem a trazer melhores resultados do que aquelas que são restritivas. A restrição pode inibir o uso, mas também não prepara para o uso. Então, é o acompanhamento [dos pais] que possibilita que a criança crie mecanismos e desenvolva habilidades necessárias para a presença nesse ambiente”.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

CULTURA

Museus do Folclore e Histórico de Penápolis participam da 13ª Primavera dos Museus

Publicado em

Museu do Folclore promoverá visitas mediadas a partir das rotinas de conservação em sua reserva técnica - Foto: Divulgação

O Museu Municipal do Folclore e o Museu Histórico e Pedagógico Memorialista Gláucia Maria de Castilho Muçouçah Brandão, em Penápolis, participam, de 23 a 29 de setembro, da 13ª Primavera dos Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram),

Esta edição tem como tema “Museus por dentro, por dentro dos museus”. A proposta é fortalecer a relação público/museu a partir da ótica da preservação enquanto ato compartilhado entre o cidadão e o seu bem cultural.

Conforme o responsável pelo Museu Municipal do Folclore de Penápolis, Gilson Moreno Soares Azenha, de 24 a 27 de setembro o local promoverá visitas mediadas a partir das rotinas de conservação em sua reserva técnica.

Sobre o Museu Histórico e Pedagógico, a responsável Alessandra Jorge Nadai informou que, no mesmo período, serão oferecidas visitas mediadas, apresentando as engrenagens e rotinas de conservação na sua biblioteca e hemeroteca.

O conteúdo das atividades permite explorar os aspectos do cotidiano museológico aplicados aos diversos métodos aos quais as coleções são submetidas no constante processo de formação, organização, conservação e exposição para interação e fruição pelas pessoas ou grupos sociais.

Ambos os museus estão localizados no Centro Cultural Dr. Bráulio Sammarco (Praça 09 de Julho nº 150, Centro) e funcionam de terça a sexta-feira das 08h às 11h30 e das 13h30 as 16h30.

Os interessados em levar grupos para participar das visitas podem telefonar e agendar os horários. O telefone do Museu do Folclore é o 3652-7715, e do Museu Histórico é 3652-7034.

 

 

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
erro: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998
83