CONECTE CONOSCO

Rede Social

Facebook restringe transmissão ao vivo para quem violar regras

Publicado em



O Facebook anunciou hoje (15) novas medidas de limitação de um de seus principais recursos de publicação de vídeos. Pessoas que violarem políticas mais importantes sobre conteúdos ficarão proibidas de divulgar transmissões ao vivo – as chamadas lives – por um período determinado.

A medida é um acréscimo às possibilidades de punição já existentes na rede social. Os usuários que desrespeitam alguma das políticas da plataforma (como os Padrões da Comunidade ou os Termo de Uso) podem ter a publicação removida, a conta suspensa por um certo período ou até mesmo a conta banida.

A partir da decisão de hoje (15), quem infringir as políticas sobre organizações e indivíduos perigosos poderá ser proibido de fazer lives. As normas, que fazem parte dos Padrões da Comunidade, proíbem a presença de “organizações ou indivíduos que proclamam uma missão violenta ou estão engajados em violência”.

Entre essas práticas estão aquelas de organizações criminosas, grupos organizados em defesa do ódio a segmentos (como supremacistas), promotores de crimes e assassinatos em massa, tráfico de pessoas e organizações criminosas.

A decisão é uma resposta às críticas ao Facebook quando da transmissão do assassinato em massa e um ataque a mesquitas na cidade de Christchurch, na Nova Zelândia. O massacre ocorreu em março deste ano e vídeos mostrando os tiros circularam amplamente no Facebook. A rede social foi questionada por políticos, organizações de direitos humanos e cidadãos daquele país.

Pesquisa

No anúncio da medida, o vice-presidente de Integridade do Facebook, Guy Rosen, informou que a empresa também vai investir em pesquisas voltadas à melhoria de tecnologias de análise de vídeo e áudio. Sistemas desse tipo monitoram os conteúdos publicados e as transmissões ao vivo para remover aquelas consideradas em desacordo com as políticas ou para alertar avaliadores, que podem retirar o vídeo ou mensagem e aplicar outras punições.

Rosen disse que no caso de Christchurch, o vídeo do massacre foi alterado para “enganar” os sistemas e foi novamente postado após já ter sido derrubado. O vice-presidente anunciou que a empresa colocará US$ 7,5 milhões (cerca de R$ 30 milhões) em pesquisas acadêmicas voltadas a esse tipo de tecnologia.

Garantias

Na avaliação do assessor do Programa de Direitos Digitais da organização Artigo 19 Paulo José Lara, é correta a atenção do Facebook com casos que extrapolem a liberdade de expressão e incorram em risco de vida ou violem direitos fundamentais. Contudo, ele defende que a lógica de gestão dos conteúdos esteja baseada em padrões internacionais e legislações nacionais sobre a liberdade de expressão, bem como assegure aos usuários autores dos conteúdos removidos determinadas garantias.

“É necessária a garantia de defesa, apelação e possibilidade de recorrer, caso haja algum erro de análise do mecanismo moderador e avaliador. A plataforma deve ter transparência para suas decisões e deve buscar nas recomendações internacionais e legislações nacionais sobre liberdade de expressão os parâmetros de restrições de conteúdo e medidas cabíveis em casos de violações graves”, pondera Lara.

Chamado do G7

Também hoje (15), a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, vai aproveitar a reunião de ministros de áreas de tecnologias digitais do G7 para apresentar a empresas de tecnologia um “chamado” para a adoção de medidas mais efetivas para prevenir e combater o que chama de “conteúdos tóxicos”.

O compromisso, que ganhou o nome “Chamado de Christchurch” (em referência à cidade neozelandesa cujo massacre foi transmitido pelo Facebook), não detalha ações, deixando para cada país a definição de quais tipos de iniciativas ou regulações podem contribuir melhor para evitar a difusão de conteúdos tóxicos.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte: Agência Brasil
Anunciante

MÚSICA

Banda Raimundos se apresenta no Sesc Birigui nesta sexta

Publicado em

Quem nunca cantou “Mulher de Fases” com os amigos? Ou em um karaokê? Clássico, né? Então prepare-se, pois está chegando o dia de curtir esse som ao vivo, aqui no Sesc Birigui. Sexta, dia 19, às 20h, a banda Raimundos se apresenta na Quadra Poliesportiva, com uma turnê que comemora os 25 anos do lançamento do primeiro álbum do grupo.

O repertório conta com músicas do início da carreira e grandes sucessos da banda, além da presença de um dos fundadores do Raimundos, o baterista da formação original Fred Raimundo. Sua última apresentação com o grupo foi na gravação do álbum Acústico, em 2016.

A banda nasceu em Brasília, em 1987. O nome foi escolhido por influência de uma das bandas de rock favoritas entre os integrantes, os Ramones. O grupo tem 8 discos lançados e mais de 5 milhões de cópias vendidas.

Algumas das músicas se tornaram hinos consagrados do rock nacional, como Marujo, Be a Bá e Selim. Os ingressos podem ser adquiridos no Portal Sesc e na Bilheteria Sesc, diretamente no Sesc Birigui. Os valores vão de R$9,00 a R$30,00.

Link para comprar os ingressos online: bit.ly/ingressos_raimundos

SERVIÇO

Show Raimundos

Dia 19/7, sexta, às 20h

Quadra poliesportiva

Não recomendado para menores de 14 anos

Ingressos entre R$9,00 e R$30,00

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

entretenimento

James Bond: atriz será o novo agente 007 em filme da franquia

Publicado em

A atriz Lashana Lynch, vista recentemente em Capitã Marvel (2019), será a agente secreta 007 no novo filme de James Bond, o 25º da franquia, segundo o site The Daily Mail. O personagem Bond, ainda interpretado por Daniel Craig, estará de férias no Caribe e Nomi (Lynch) assumirá o posto de 007. Em produção e sem título definido, o longa deve estrear nos cinemas em abril de 2020.

Britânica de 31 anos e descendente de jamaicanos, Lynch começou a carreira em meados da década de 2000. Antes de ficar conhecida em Capitã Marvel, atuou em séries como Bulletproof (2018), Still Star-Crossed (2017), produzida por Shonda Rhimes, e Crims (2015). No cinema, trabalhou em Brotherhood (2016), Entre Amigas (2013) e Fast Girls (2012).

Com direção de Cary Joji Fukunaga (das séries True Detective e Maniac), Bond 25 tem no elenco nomes como Rami Malek, vilão do filme, Ralph Fiennes, Naomie Harris, Léa Seydoux, Jeffrey Wright e Ana de Armas. O cineasta divide o roteiro com Phoebe Waller-Bridge, criadora e atriz da série Fleabag, e Scott Z. Burns, parceiro de Steven Soderbergh e coautor de O Ultimato Bourne (2007).

Além de Bond 25, Craig encarnou o agente secreto em 007: Cassino Royale (2006), filme que redefiniu o personagem para os tempos atuais, 007 – Quantum of Solace (2008), 007 – Operação Skyfall (2012) e 007 Contra Spectre (2016). Juntos, os títulos acumularam US$ 3,173 bilhões nas bilheterias mundiais.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

“Caldeirão Ypê”

Mais de 1 milhão de brasileiros cadastrados em promoção da Ypê têm dados expostos

Publicado em

Dados de mais de 1,2 milhão de brasileiros cadastrados no site de uma promoção da Ypê, marca de produtos de limpeza, chamada “Caldeirão Ypê”, ficaram expostos em decorrência da falha em uma API (interface de programação de aplicações), segundo o Tecmundo. O problema fez com que nomes completos, RG, CPF, ID de participação, data de nascimento, sexo, cidade, email, senha, telefone, data de cadastro, endereço IP, navegador utilizado e sistema operacional do computador/celular, dos cadastrados ficassem expostos.

De acordo com a reportagem, uma fonte anônima relatou o problema na sexta-feira (05) , citando que essa era sua última esperança, já que ele chegou a alertar a Ypê algumas vezes, mas a empresa não adotou nenhuma providência. No mesmo dia a comunicação da Ypê declarou que o problema já tinha sido detectada e corrigido. No entanto, “foi possível acessar os dados sem qualquer dificuldade”, destaca a matéria.

Somente na quarta-feira (10), o acesso aos dados foi bloqueado. A Ypê ressalta que mantém uma política de segurança da informação para o cumprimento de todas as normas legais a que está sujeita, bem como controles relativos à privacidade de dados”.

Problemas como este podem originar diversos novos caso de phishing. Com uma base de dados tão ampla e completa como esta, que inclui até RG e CPF, atacantes poderiam desenvolver novas campanhas com mensagens falsas, oferecendo alguma premiação falsa para ludibriar a vítima.

Os brasileiros são sempre listados como presas fáceis para esse tipo de golpe. De acordo com a Kaspersky o Brasil é o país mais afetado por esse vetor de ataque. Ofertas de emprego estão entre os temas mais comuns utilizados nesse processo para tentar enganar as pessoas.

“A análise detalhada está no novo relatório Spam e phishing no primeiro trimestre de 2019 e mostra que os destinatários dos spams receberam uma oferta tentadora de emprego de uma grande empresa. A mensagem convidava a vítima a entrar em um sistema gratuito de busca de vagas e solicitava a instalação de um aplicativo para dar acesso ao banco de dados de empregos”, explica a Kaspersky.

A promoção da Ypê já foi encerrada. Ao acessar o site a seguinte mensagem é exibida: “A Promoção Caldeirão Ypê terminou. Conheça mais sobre a gente em ype.ind.br”.

Caso você tenha se cadastrado, procure a Ypê para saber se os seus dados estão entre os que ficaram expostos.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
89