CONECTE CONOSCO

Luto

Cadela é morta e enterrada no caixão da dona após pedido em testamento

A família cumpriu o pedido da mulher e a enterrou com o animal. De acordo com eles, a morta era muito apegada ao cachorro

Publicado em



O ato de uma família deixou a cidade de Chesterfield, Virgínia, Estados Unidos, em choque. Uma cadela da raça shih tzu, perfeitamente saudável, foi sacrificada após a dona dele ter deixado explícito no testamento que, ao morrer, o animal deveria também ser morto e colocado dentro do caixão para que “descansassem em paz”.

Após a morte da dona, Emma, como era chamada a cachorrinha, foi para o Abrigo de Animais de Chesterfield. Os donos do local não queriam permitir que o executor do testamento levasse Emma para o sacrifício.

“Sugerimos que ele poderia fazer qualquer outra coisa com o animal. Podíamos ter encontrado outro lar para ela”, disse Carrie Jones, dona do abrigo, ao canal NBC.

No entanto, em 22 de março, o representante da morta, foi ao abrigo e recolheu a cadela. Logo depois, Emma seguiu para uma clínica veterinária e a eutanásia foi feita. Mais tarde, levaram Emma ao crematório. As cinzas dela foram colocadas no caixão da dona.

Além da questão ética de matar um animal sem a necessidade, a legislação do estado da Virgínia proíbe que animais sejam enterrados em caixões.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Metrópoles
Anunciante

China

Grupo encontra e salva bebê que foi enterrado vivo

Publicado em

Um grupo de moradores de uma vila de Laiwu, na China, salvou um recém-nascido que foi enterrado pela própria família.

Segundo a imprensa local Jiao Xinglu e Zhou Shnagdong foram colher cogumelos em uma montanha próximo ao vilarejo quando encontraram o bebê em uma caixa.

Jiao ouviu o cachorro que os acompanhava latir e foi ver o que aconteceu. Quando se aproximou ouviu o choro de uma criança. Ao abrir a caixa, encontrou o bebê enrolado em um cobertor e tentando mexer os braços.

O bebê foi levado para a emergência de um hospital e passa bem. O avô do bebê apareceu na delegacia e disse que a criança foi enterrada porque tinha parado de respirar. “Ele ‘morreu’ após o segundo dia de nascimento.

Após acharmos que esta morto, nós o enterramos”, disse o avô ao Daily Mail. A polícia ainda investiga o caso.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

ÍNDIA

Estudantes fazem prova com caixa de papelão na cabeça para não ‘colar’

Escola diz ter implementado ideia com consentimento dos alunos e pediu desculpas pelo ocorrido.

Publicado em

Fotos causaram polêmica nas redes sociais — Foto: ANI/BBC

Uma escola indiana pediu desculpas publicamente depois que imagens de seus estudantes fazendo uma prova com caixa de papelão na cabeça viralizaram nas redes sociais e geraram polêmica.

O registro foi feito durante uma prova de química na “Bhagat Pre-University College”, em Haveri, no Estado de Karnataka, no sul da Índia.

Segundo os estudantes, a ideia partiu da direção da escola para evitar que eles “colassem” durante a avaliação.

Em entrevista à BBC Hindu, o serviço de notícias em hindu da BBC, MB Satish, funcionário do colégio, lamentou que a técnica tenha sido usada.

Ele disse que a escola só implementou a medida em uma “base experimental” depois de ouvir sobre seu uso em outros lugares.

Satish acrescentou ainda que tudo foi feito com o consentimento dos estudantes — na verdade, eles trouxeram suas próprias caixas de papelão de casa.

“Ninguém foi obrigado a nada. Você pode ver na foto que alguns estudantes não estavam usando (a caixa de papelão na cabeça)”, disse ele. “Alguns colocaram a caixão de papelão na cabeça e a removeram depois de 15 minutos, outros após 20 minutos e nós mesmos pedimos para todos removerem-na após uma hora.”

Logo após serem informadas sobre o ocorrido, autoridades indianas criticaram publicamente a prática.

SC Peerjade, vice-diretor do Conselho de Educação pré-universitário local, descreveu a técnica como “desumana”.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998
80