CONECTE CONOSCO

ESTADO DE SP

Araçatuba fica em 20º em ranking de cidades com maior risco de violência

Cidade subiu na colocação em dois anos; em 2017 era a 43ª cidade com maior risco de violência. Rio Preto aparece em 42º.

Publicado em

Divulgação/Câmara de Araçatuba


Araçatuba (SP) ficou em 20º lugar em um ranking de cidades com maior risco de violência no estado de SP. O ranking foi elaborado em uma pesquisa feita pelo Instituto Sou da Paz e inclui os municípios com mais de 50 mil habitantes.

A pesquisa leva em conta a quantidade de crimes como homicídio, latrocínio – que é roubo seguido de morte -, dignidade sexual e patrimônio. Foram levados em conta dados de crimes registrados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado no ano passado.

As ocorrências foram comparadas com as de 2017. O que chamou a atenção dos pesquisadores foi a quantidade de casos de estupro registrada em Araçatuba no ano passado. Em um ano esse tipo de ocorrência teve aumento de 20%.

Além disso, a cidade subiu de colocação no ranking, já que em 2017 era a 43ª com maior risco de violência.

Segundo a pesquisadora Ana Carolina Penky, a pesquisa tem o objetivo de apontar caminhos para diminuir os crimes.

“A ideia é, olhando para as taxas, poder dizer às cidades onde elas podem melhorar para reduzir a exposição de violência das pessoas”, diz.
A Polícia Militar rebate os dados da pesquisa e diz que todas as medidas para garantir a segurança da população são tomadas e que Araçatuba não é tão violenta assim.

“O cidadão pode ficar tranquilo. O que verificamos após analisar os indicadores é que, crime contra dignidade sexual tivemos um número maior de registro, mas isso é fato que ocorre dentro de casa, dentro da família, e a polícia não alcança isso por ser muito reservado”, afirma o coronel da Polícia Militar Paulo Motoka.

Confira os números da violência em Araçatuba

Homicídios
2017: 19
2018: 24

Latrocínio
2017: 2
2018: 3

Estupro
2017: 58
2018: 70

Região

Outras cidades do noroeste paulista também aparecem nesse ranking. O levantamento tem municípios com mais de 50 mil habitantes.

São José do Rio Preto (SP) está em 42º lugar e Andradina, em 58º. A cidade de Penápolis aparece em 65º, Catanduva em 83º e Mirassol é a número 92. Já Votuporanga aparece apenas na 102º. Outras três cidades estão fora das 100 primeiras cidades: Fernandópolis 113º, Birigui 122º e Olímpia 135º.

Deixe sua opinião

Fonte: G1 / TV TEM
Anunciante

apuração

Câmara instaura CPI sobre suposta compra de votos em eleição da mesa

Publicado em

A Câmara de Buritama instaurou uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para averiguar denúncia envolvendo suposta compra de votos para a eleição da mesa diretora da Casa para o biênio (2019-2020), na qual teriam participação direta o prefeito Rodrigo Zacarias dos Santos (PRB), seu vice, Hebert da Silva Muniz (PRB), e o vereador Carlos Alberto dos Santos (PRB).

Segundo o ato que instituiu a CPI, um munícipe protocolizou no Legislativo uma “notícia de irregularidades de natureza grave” ocorridas durante o processo de eleição da mesa diretora no dia 10 de dezembro do ano passado.

O denunciante disse na representação que Rodrigo, Muniz e Carlos participaram diretamente de um esquema de compra de votos, oferecendo vantagens indevidas e destinadas a satisfazer interesses pessoais de outros vereadores, com a finalidade de eleger o parlamentar do PRB presidente da câmara.

De acordo com a representação, a suposta ilegalidade pode caracterizar ato de improbidade administrativa, crime de responsabilidade e quebra de decoro parlamentar, que merece ser investigada pela Câmara de Buritama.

A CPI é composta pelo vereador José Domingos Martins Filho (PPS), que será presidente; e pelo parlamentar Jélvis Ailton de Souza Scacalossi (PTB), que ficou como relator.

A comissão ainda tem como membros os vereadores: José Antonio Espósito (PSD), Natália Spanazzi Rodrigues Alves (PP) e Osvaldo Sebastião dos Santos (DEM). A comissão terá 90 dias para concluir seus trabalhos. (leia mais na edição de hoje da Folha da Região).

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

Mundo Animal

Gripe canina: doença respiratória que atinge os pets

Publicado em

A gripe canina é similar a dos humanos, ou seja, uma doença respiratória causada por alguns agentes que podem ser virais ou bacterianos. Os sintomas da doença são muito parecidos com os da gripe humana, sendo a tosse o principal deles.

De acordo com a médica veterinária Cláudia Stefanini, de Araçatuba, o animal pode contrair a doença tendo mantido contato com outros animais que estavam tossindo ou que a pessoa desconheça da onde vieram e se são saudáveis ou não. Passeios em praças, locais públicos que podem ter passado outros animais doentes, um pet shop, exposições de animais, podem fazer com que seu bichinho possa ter contato direto ou indireto com um cão doente.

“Um cachorro tossiu em determinado ambiente, o outro vai lá e aspira o vírus ou a bactéria e acaba se contaminando. Geralmente, essa gripe não é perigosa, se tratada adequadamente com acompanhamento veterinário. Se o cão for muito idoso, ou já tiver alguma outra complicação, passando por algum tratamento imunossupressor, ou com qualquer outra doença, pode sim vir a óbito. A complicação é uma pneumonia grave, e se isso acontece, pode matar até a gente, imagina a eles”, explica.

Ainda segundo Cláudia, a manifestação da doença não se difere de acordo com a raça do animal, mas sim, se é um cão de porte pequeno que já tem um colapso de traqueia, um problema anatômico, por exemplo, com certeza o quadro dele pode ser mais acentuado, um pouco pior.

“Não tive casos recentes da doença no meu consultório, é difícil achar nas fichas dos bichinhos algum que não tenha tomado a vacina. O tratamento vai depender da situação, muitas vezes ela é autolimitante, como é para nós, a forma simples da doença. Porém, podem ter complicações, uma tosse mais persistente, pneumonias, então, geralmente o animal precisaria usar antibióticos, medicamentos para tosse que é intensa, mas tudo depende muito da avaliação do veterinário”, finaliza.

Teresinha Cristina Cândido, médica veterinária também de Araçatuba, tratou casos recentes da doença. “Como o nome já diz, os sintomas da doença são muitos parecidos aos da gripe humana, os mais característicos são a tosse contínua, podendo ser confundida com engasgos e até ocorrer vômitos, coriza (corrimento nasal), espirros, apatia, febre, falta de apetite e podendo se agravar ao quadro de pneumonia”, diz.

Ela afirma que geralmente a doença se manifesta mais no período do outono e inverno, devido as baixas temperaturas e ao clima seco, podendo abalar o sistema imunológico e favorecendo que o animal contraia as patologias respiratórias.

“O mais recente que eu tive foram 4 casos em 10 dias. Alguns cuidados essenciais para evitar a doença são: vacinação, alimento de boa qualidade, suplementos vitamínicos, se seu veterinário achar necessário, caso o animal não seja imunizado contra gripe é bom evitar contato com animais enfermos”, finaliza.

Nesses casos que Teresinha tratou recentemente estão os cachorros da Natália Tozin, o Freddy que é um Rottweiler, e a Doberman Átila. De acordo com a tutora, eles têm todas as vacinas, porém, assim como para nós adultos, essa vacina da gripe precisa do reforço todo ano.

“Eles ainda não tinham feito e então contraíram o vírus da gripe canina. Por serem cães de guarda e bem bravos só saem de casa guiados com os donos. Eles não têm contato com cachorros de rua, ou qualquer outro. Provavelmente ao saírem para o passeio passaram perto de alguma casa ou lugar que houvesse um cão infectado, contraindo então a doença”, conta.

Os cães passaram a gripe um para o outro, já que convivem juntos. “Assim que percebemos que estavam com tosse frequente (que parceria engasgo) e falta de apetite, pedimos a visita de uma veterinária na residência. Foram realizados exames de imagem e de sangue para então o correto diagnóstico. O tratamento foi iniciado de imediato com medicamentos via oral e uma injeção até que melhorassem os sintomas da doença. Após umas duas semanas, melhoraram e agora estão ótimos!”, finaliza. (Folha da Região)

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

CAMPANHA

Tiro de Guerra de Guararapes faz campanha para arrecadar agasalhos

Atiradores vão percorrer os bairros arrecadando roupas, cobertores, e calçados.

Publicado em

Foto: Reprodução / Prefeitura Municipal de Guararapes / Imagem Ilustrativa

Os atiradores do Tiro de Guerra de Guararapes (SP) estão realizando uma campanha para arrecadar agasalhos na cidade. A ação começou nesta quarta-feira (22) e vai até sexta-feira (24).

Ao todo, 28 atiradores estão percorrendo a cidade, das 9h até 12h, voltam às 14h e vão até as 16h arrecadando roupas, cobertores, e calçados.

A entrega de todos os itens de inverno arrecadados serão entregues no Departamento de Assistência Social. Eles vão realizar um bazar dentro do departamento, e os cadastrados em programas sociais poderão retirar os itens. O que sobrar, a assistência distribuirá nos bairros mais carentes da cidade.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

Saúde

133 mil professores ainda precisam se vacinar contra a gripe em SP

Publicado em

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, mais de 133 mil professores das redes pública e privada de ensino ainda precisam comparecer aos postos de saúde para se vacinar contra gripe, de maneira que o território paulista atinja a cobertura vacinal de 90% entre os grupos do público-alvo.

De acordo com recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), a vacina de 2019 irá prevenir a população-alvo contra o vírus Influenza dos tipos A (H1N1), A (H3N2) e B.

Na reta final da campanha, a pasta convoca aqueles que ainda não estão imunizados para que tomem as doses até o dia 31 de maio, data prevista para encerramento. Os dados informados pelos municípios paulistas mostram que o Estado já vacinou mais de 7,6 milhões de pessoas contra a gripe, total que inclui 236,7 mil professores. O dado representa cobertura vacinal de 57%.

Meta

O público-alvo totaliza 13,2 milhões de paulistas e a meta é vacinar no mínimo 12,1 milhões. Considerando todos os grupos, para atingir a meta de imunizar 90% do público-alvo é necessário que pelo menos 4,4 milhões de pessoas procurem a vacina contra o vírus Influenza até o fim da próxima semana.

Vale lembrar que a campanha teve início em 10 de abril, e desde então também foram imunizadas 1,6 milhão de crianças (54%), 241,7 mil gestantes (53%), 61,5 mil puérperas (83%), 4,5 mil indígenas (85%), 671 mil profissionais de saúde (49%), 3,2 milhões de idosos (67%), 1,3 milhão de pessoas com comorbidades (46%), entre outros.

“É de grande importância que todos os grupos prioritários compareçam aos postos de saúde para imunização. Pedimos aos professores das redes pública e privada de ensino que deem o exemplo e tomem a vacina, o que ajuda a proteger a saúde deles próprios, dos estudantes e de todos os colaboradores da área de ensino”, enfatiza o secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

“A vacina não provoca gripe em quem tomar a dose, pois é composta apenas de fragmentos do vírus que causam a devida proteção, mas são incapazes de causar a doença”, acrescenta.

Doses

A vacina contra gripe é produzida pelo Instituto Butantan, unidade vinculada à Secretaria da Saúde, que, neste ano, disponibilizou 64 milhões de doses ao Ministério da Saúde para a realização da campanha em todo o Brasil.

Acompanhe os números sobre vacinas aplicadas por região:

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

©2018 Regional Press- Direitos Reservados | Vamos fazer um site? Logo RC Criativa