CONECTE CONOSCO

CIÊNCIA

Israel (quase) se torna a 4ª nação a conquistar a Lua

Por pouco a nave israelense Beresheet não consegue pousar em segurança na Lua. Um comunicado oficial sobre o problema ainda não foi liberado.

Publicado em



Exatamente às 16h18 de ontem (12), Israel comemorou, em uma transmissão ao vivo com 95 mil espectadores, sua entrada para a história da exploração espacial.

O país, que no dia 5 deste mês se tornou o sétimo a chegar à órbita da Lua, comemorava se tornar a quarta nação a pousar no satélite natural. Antes dele, apenas a antiga União Soviética (1966), os Estados Unidos (1969), e a China (2013) haviam conseguido esse feito.

“Se o pouso não tivesse dado certo, tentaríamos de novo”, disse o primeiro ministro israelense Benjamin Netanyahu na transmissão ao vivo, ao comemorar o sucesso da missão. Infelizmente, foi cedo demais. Por que a nave Beresheet não conseguiu pousar em segurança na Lua.

Se tudo tivesse ocorrido como planejado, essa seria a primeira vez que uma agência espacial particular, sem nenhuma ligação governamental, tocaria o solo da Lua. A SpaceIL, fundada em 2011, nasceu com o único objetivo de realizar a primeira expedição israelense em solo lunar. A nave responsável pela empreitada se chamava Beresheet pois significa “Gênesis”, ou “o início de tudo”, em hebraico.

A missão custou cerca de US$ 100 milhões, muito menos do que o custo de outras naves espaciais que estiveram na Lua. Isso é porque a Beresheet era uma nave relativamente simples, que foi projetada para sobreviver apenas alguns dias, não levando nenhum tipo de equipamento sofisticado.

A nave foi lançada ao espaço como uma carga secundária de um foguete Falcon 9 da SpaceX (a empresa do Elon Musk), que decolou do Cabo Canaveral, Flórida, em 21 de fevereiro deste ano.

Fora do foguete, a Beresheet entrou em uma órbita elíptica (isto é, oval) em torno da Terra, que foi se tornando gradualmente maior até alcançar a distância da Lua, onde desacelerou o suficiente para ser capturada pela atração gravitacional do satélite natural em 4 de abril. Não entendeu a explicação? Calma que a gente desenha: você pode acompanhar a rota completa da nave nesta perfeita simulação.

O pouso seria em uma região da lua chamada Mare Serenitatis, uma antiga planície de lava com 674 km de diâmetro que a NASA já explorou anteriormente. Beresheet pousaria mais ou menos a meio caminho dos locais de pouso da Apollo 15 e Apollo 17 – que foi a missão final da NASA para a Lua. Você pode ver, em uma excelente animação interativa, todos os locais de pouso na Lua aqui (as animações são muito legais. Vale a pena clicar).

No satélite natural, a Beresheet planejava tirar fotos em alta resolução (incluindo uma selfie, lógico), estudar o campo magnético da Lua (coletando dados para ajudar os pesquisadores a descobrir por que esse campo varia no Mare Serenitatis), deixar um retrorrefletor da NASA (para refletir raios laser da Terra para a Lua) – o que ajuda a agência americana a calcular com mais precisão a distância exata entre a Terra e a seu amado satélite natural.

A nave israelense também levava uma “cápsula do tempo”. Nela havia uma cópia digital de toda a Wikipedia em inglês, dicionários em 27 idiomas, a bandeira e a Declaração de Independência de Israel, uma Bíblia, desenhos infantis e textos da literatura israelense.

Problemas técnicos

A agência israelense ainda não se manifestou sobre o que, de fato, ocorreu para a missão não ter sido concluída com sucesso. O que se sabe até agora é que a nave perdeu contato com a Terra quando estava a uma distância de 22 quilômetros da Lua. Acredita-se que ela quebrou ao tentar pousar.

O mais provável que o problema tenha sido com o motor da Beresheet. Ele foi construído na Grã-Bretanha, desenvolvido pela empresa de tecnologia Nammo. Antes do pouso, Rob Westcott, engenheiro sênior de propulsão da empresa, disse: “Nós nunca usamos esse motor para isso antes”.

Para pousar, a espaçonave tinha que reduzir bruscamente sua velocidade – um processo que envolve ligar e desligar o motor em um intervalo muito curto. Como, na segunda ativação, o motor ainda estaria quente por causa da primeira, tudo precisava ser feito com muita precisão para evitar erros. [esta nota será atualizada assim que a SpaceIL liberar um comunicado oficial sobre a falha]

O pouso bem-sucedido representaria a chegada mais rápida e barata já feita a Lua. Isso seria um marco para os ambiciosos planos de algumas agências espaciais e empresas privadas, que buscam oportunidades de negócios lunares. Vai ficar para a próxima.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte: SUPER INTERESSANTE
Anunciante

SUSTO

Bomba da 2ª Guerra explode e deixa cratera em campo na Alemanha

Artefato antigo explodiu no domingo e surpreendeu moradores de uma região no centro do país. Provavelmente, explosivo foi jogado no local por um avião dos Aliados no final do conflito.

Publicado em

Imagem feita por drone mostrou o impacto da explosão — Foto: Polícia de Westhessen

Em um primeiro momento, não ficou claro o que havia causado uma explosão tão forte na Alemanha, capaz de registrar um pequeno terremoto.

Ocorrida às 03:52 (horário local) deste domingo (23), a explosão surpreendeu os moradores de Limburg, na região central do país, e deixou uma cratera de dez metros de largura e quatro metros de profundidade em um campo.

Uma foto tirada por um drone revelou o impacto da explosão noturna.

Inicialmente, a polícia informou que não havia “uma indicação definitiva” de que houvesse ocorrido uma explosão inesperada.

Porém, após uma investigação mais detalhada na zona rural de Ahlbach, especialistas em bombas disseram “com quase 100% de certeza” que se tratava de uma bomba da 2ª Guerra Mundial, provavelmente um artefato de 250 kg que havia sido jogado de um avião durante o conflito.

Bombas antigas não detonadas são comuns na Alemanha. Segundo autoridades, muitas vezes os detonares se degradam e a bomba acaba explodindo sozinha.

De acordo com moradores da região, um depósito ferroviário nas proximidades foi bombardeado pelos Aliados no final da guerra. Ainda segundo os residentes, outras bombas antigas já haviam sido encontradas no local anteriormente.

Um porta-voz local explicou para a imprensa que o risco de ser atingido por uma explosão de bombas antigas como essa é menor que o de ser alvo de um raio.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

corrida de caridade

Os ‘meninos da caverna’ recordam um ano de sua aventura na Tailândia

Garotos ficaram presos por 18 dias, no meio da temporada de monções, enquanto era mobilizada uma operação internacional de resgate.

Publicado em

Adolescentes do time de futebol "Os Javalis Selvagens" posam com seu treinador no centro de visitantes da caverna de Tham Luang - onde ficaram presos por 18 dias no ano passado - antes de participar de uma maratona no distrito de Mae Sai, na província de Chiang Rai — Foto: Jittrapon Kaicome/AFP

Um ano após seu incrível resgate de uma caverna inundada na Tailândia, os adolescentes do time de futebol “Os Javalis Selvagens” participam neste domingo (23) de uma corrida de caridade para comemorar este primeiro aniversário.

Os meninos que viveram essa aventura – que vai virar filme no Netflix – juntaram-se a cerca de 5.000 corredores e ciclistas para a corrida organizada perto da caverna localizada no norte da Tailândia.

“Tem sido uma ótima experiência. Eu aprendi muito sobre os tailandeses, especialmente sobre a nossa unidade”, disse um dos rapazes resgatados, Pornchai Kamluang, falando à AFP durante a corrida.

Junto com seu time de futebol de meninos pobres, Pornchai entrou em 23 de junho de 2018 em uma caverna para uma visita com seu treinador.

Eles ficaram presos lá por 18 dias, no meio da temporada de monções, enquanto era mobilizada uma operação internacional de resgate que mobilizou a mídia em todo o mundo.

“Agradeço a todos os responsáveis que dedicaram seu tempo no ano passado para salvar a mim, meus meninos e eu”, disse Ekkapol Chantawong, o treinador dos garotos e o único adulto.

“Ek” hoje administra a empresa 13 Thamluang, criada pelo governo para proteger os interesses dos adolescentes, como a negociação do contrato com a Netflix.

A vida da equipe tomou uma trajetória extraordinária desde que os meninos foram resgatados e removidos da caverna fortemente sedados por equipes de mergulhadores experientes.

“É importante jamais esquecer o que aconteceu no ano passado”, disse o britânico Vern Unsworth, membro do trio que, milagrosamente, descobriu os jovens jogadores de futebol, amontoados em uma rocha da caverna, cercados por água.

O dinheiro obtido na corrida servirá para a reabertura da caverna de Tham Luang, ainda fechada ao público, embora o local tenha se tornado muito turístico, com venda de camisetas, chaveiros ou ‘pins’ com a imagem dos Javalis.

Equipes de resgate durante as buscas pelos meninos desaparecidos na caverna Tham Luang, na Tailândia — Foto: Lillian Suwanrumpha/AFP

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

FRANÇA

Incêndio em prédio de Paris deixa mortos e feridos

200 bombeiros levaram cerca de quatro horas para controlar o fogo. 28 feridos recebem atendimento médico.

Publicado em

Bombeiros combatem incêndio em prédio de Paris neste sábado (22) — Foto: K. Ply / BSPP - Brigade de sapeurs-pompiers de Paris / AFP

Três pessoas morreram e uma ficou gravemente ferida após incêndio em um prédio de Paris na manhã deste sábado (22). Outros 27 feridos receberam atendimento médico, com ferimentos leves ou intoxicação.

O imóvel, que fica na rue de Nemours, tem sei andares e foi construído entre os anos 1970 e 1980. As causas do incêndio ainda não desconhecidas. De acordo com a imprensa local, duas pessoas morreram carbonizadas, e uma, pulando de uma janela para tentar se salvar.

Além de apartamentos residenciais, o prédio comporta um restaurante e uma casa de banho turco.

Um contingente de 200 bombeiros levou cerca de quatro horas para controlar o incêndio.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
87