CONECTE CONOSCO

ciência

Dispositivo com implante cerebral traduz pensamentos em fala

Publicado em



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Francisco, nos Estados Unidos, criaram um dispositivo capaz de traduzir pensamento em palavras.

O estudo que descreve o feito, publicado nesta quarta (24) na revista científica britânica Nature, tem dois neurocirurgiões e um engenheiro elétrico como autores.

No futuro, a tecnologia poderá ajudar pessoas que perderam a habilidade da fala por conta de um derrame ou de doenças como esclerose lateral amiotrófica, a ELA, que atingiu o físico Stephen Hawking, morto em 2018.

O estudo monitorou a atividade cerebral da fala de cinco voluntários, que estavam em tratamento de epilepsia e passariam por uma neurocirurgia. Durante o procedimento, foram inseridos eletrodos entre o osso da cabeça e o cérebro dos pacientes.

Os pesquisadores, então, pediram aos pacientes que falassem centenas de frases. Enquanto isso, um monitor ligado aos eletrodos fazia uma espécie de mapa da atividade elétrica no cérebro, mostrando quais áreas repercutiam enquanto os pacientes falavam.

“Se eu pedir para a pessoa mexer a mão, vai acender a área do cérebro que teve um impulso elétrico. A mesma coisa acontece com a fala. Os pesquisadores registraram a área de Wernicke, que é a parte do cérebro que controla a linguagem”, explica o neurologista Saulo Nader, do hospital Albert Einstein e colaborador do departamento de neurologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

O estudo propôs a decodificação dos sinais captados em duas etapas. A primeira mapeou a articulação dos músculos da fala (como os lábios, a língua, a laringe e a mandíbula). Em seguida, outra rede artificial decodificou esses movimentos em componentes fonéticos, os sons, para que a fala pudesse ser produzida artificialmente.

“Imagine que você está falando, mas sem emitir som. Os músculos estão se movendo de acordo com os comandos enviados pelo cérebro. Primeiro, eles processaram isso e depois transformaram esse comando em um componente fonético para produzir os sons e palavras. Conseguiram inovar ao transformar essa atividade cerebral em fala”, explicou Roger Taussig Soares, neurologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Para o neurologista Guilherme do Olival, do hospital Albert Einstein, no entanto, a novidade pode ser útil para uma parcela muito pequena das pessoas que não podem falar. “Por um lado, é revolucionária porque o dispositivo transforma a atividade cerebral em algo visível. Por outro, ela atinge a minoria do grupo interessado.”

Isso porque a tecnologia só pode funcionar em quem possui a região neurótica da fala ativa. Ou seja: quem já nasceu sem o estímulo não poderá utilizar o dispositivo.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), 15 milhões de pessoas sofrem um derrame a cada ano. Dessas, 5 milhões ficam com alguma sequela permanente, que pode incluir a perda da capacidade de fala.

Ainda de acordo com a organização, estima-se que a ELA, que resulta em paralisia motora irreversível, é diagnosticada em 6 a cada 100 mil indivíduos.

Hoje, a tecnologia mais avançada no auxílio da fala em pessoas que perderam essa habilidade é a que era utilizada pelo físico Stephen Hawking. No caso dele, movimentos da bochecha ou dos dedos eram transformados em fala.

No novo decodificador neural, basta o pensamento. “Hawking só conseguia falar de oito a dez palavras por minuto e sem entonação no discurso, como se fosse um GPS. Com esse novo aparelho, a ideia é que você consiga falar mais palavras e passar uma naturalidade”, diz o neurologista Saulo Nader. As pessoas normalmente falam cerca de 150 palavras por minuto.

Doutor em educação para a ciência e professor de robótica assistiva, o físico Edival Rodrigues de Viveiros explica que é uma tendência explorar mecanismos capazes de decodificar sinais corporais de forma integrada. “As melhores interfaces conseguem ler neurônios de várias regiões do cérebro ao mesmo tempo”, diz ele.

Os próximos passos do trabalho da Califórnia são aprimorar o dispositivo para que ele chegue o mais perto da naturalidade possível e testar se ele funciona também em pessoas que não falam.

“Queremos criar uma tecnologia para que pessoas possam se comunicar de forma mais natural”, disse Edward Chang, um dos autores da pesquisa, em coletiva de imprensa. “O estudo foi feito a partir de palavras que foram ditas. Ainda não sabemos se é possível decodificar pensamentos isolados.”


Deixe sua opinião

Fonte:
Anunciante

tragédia

Incêndio atinge instituto educacional e mata 21 estudantes na Índia

Publicado em

Um incêndio deixou 21 mortos nesta sexta-feira (24), em Surate, na Índia. A tragédia ocorreu em um edifício que abriga um instituto educacional privado.

De acordo com o jornal “The Hindu”, todas as vítimas eram adolescentes que participavam de um curso no local. Há feridos.

“Os estudantes morreram por causa do incêndio, mas também por saltarem do edifício”, afirmou o chefe dos bombeiros da cidade, Deepak Sapthaley.

As vítimas tinham menos de 20 anos. Segundo P.L.Chaudhari, delegado adjunto de polícia, a investigação inicial aponta que o fogo foi iniciado por curto-circuito em um transformador elétrico. Entre 50 e 60 estudantes estavam no imóvel na hora que o incêndio começou.

O presidente reeleito da Índia, Narendra Modi, lamentou a tragédia nas redes sociais. “Extremamente consternado pelo incêndio em Surat. Meus pensamentos estão com as famílias destroçadas. Espero que os feridos se recuperem rapidamente”, afirmou.


Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

comportamento

Taiwan tem primeiros casamentos gays da Ásia

Publicado em

Os primeiros casamentos homossexuais legais na Ásia ocorreram em Taiwan nesta sexta-feira (24), primeiro dia em que a decisão histórica de legalizar a união entre pessoas do mesmo sexo entrou em vigor.

O Parlamento de Taiwan – oficialmente República da China – aprovou de forma esmagadora na semana passada uma lei que autoriza “uniões permanentes exclusivas” para casais do mesmo sexo e permite que eles solicitem “registro de casamento” em agências governamentais – direitos pelos quais ativistas LGBT do país lutaram por duas décadas.

O ministro do Interior de Taiwan, Hsu Kuo-yung, disse que cerca de 300 casais do mesmo sexo se registraram hoje para se casar. Os fundadores da Aliança de Taiwan para Promover os Direitos de Parceria Civil estavam entre os primeiros casais que selaram suas uniões.

“Quando percebi ser lésbica, aos 15 anos, nunca pensei na possibilidade de me casar”, disse Victoria Hsu, presidente da Aliança. Sua esposa Chih-Chieh Chien, a secretária-geral do grupo, celebrou que os pais do casal tenham colocado suas assinaturas na certidão de casamento.

A assistente social Huang Mei-yu e sua parceira You Ya-ting também selaram a união. “É tardio, mas estou feliz de podermos nos casar oficialmente”, disse Huang, após assinar a certidão de casamento.

Taiwan está na vanguarda do florescente movimento pelos direitos homossexuais na Ásia, apesar da firme oposição conservadora. A capital Taipei sedia a maior parada de orgulho gay da Ásia.

A questão dos direitos LGBT, no entanto, polarizou a sociedade local.

Grupos conservadores e religiosos se mobilizaram nos últimos meses e ganharam uma série de referendos em novembro, nos quais os eleitores rejeitaram o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A nova legislação aprovada pelos parlamentares coloca restrições não enfrentadas pelos casais heterossexuais. Casais do mesmo sexo só podem adotar filhos biológicos de seus parceiros e só podem se casar com estrangeiros de países onde o casamento gay também é reconhecido e legalizado.

O movimento pelos direitos dos homossexuais começou a ganhar força em Taiwan na década de 1990.

Em 2017, o tribunal constitucional do país decretou que impedir o casamento de casais do mesmo sexo era inconstitucional e deu ao governo prazo de dois anos para introduzir uma legislação apropriada, ou uma lei de igualdade no casamento seria promulgada automaticamente. Esse prazo se encerrava justamente hoje.


Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

EUA

Bebê de 4 meses morre após ser esquecido dentro de van da creche

Publicado em

Uma bebê de 4 meses morreu após ter sido esquecida dentro da van que a levava para creche na cidade de Jacksonville, Flórida, Estados Unidos. Segundo a polícia, a pequena Brooklyn Isaac ficou durante horas dentro do veículo, enfrentando um calor de cerca de 34ºC.

Ainda de acordo com os oficiais, os funcionários acreditavam ter tirado todas as crianças da van quando chegaram à creche. No entanto, Brooklyn permaneceu no carro. “Os responsáveis pela escola só foram perceber que a criança estava faltando ao checar a lista dos presentes”, disse a polícia.

Neste momento, eles correram até a van e chamaram o serviço de emergência. “A bebê estava amarrada na cadeirinha e sem sinais vitais”, afirmou o comunicado da polícia. Brooklyn foi levada ao hospital, mas não resistiu. Um dos sócios da creche, Darryl Ewing, 56 anos, foi preso acusado de negligência.

Por meio do Facebook, a mãe de Brooklyn, Lancia Isaac, desabafou sobre a morte da filha. “A vida dela foi abruptamente tirada após ter sido deixada na van da creche. O time de médicos e enfermeiras fizeram de tudo para salvar minha linda bebê, mas não conseguiram”, escreveu.

Lancia fez ainda uma vaquinha virtual para pagar as despesas do velório da filha. “Venho aqui, humildemente, como uma mãe em luto pedir ajuda para que minha filha possa descansar”, disse. Até agora, ela conseguiu arrecadar US$ 7 mil.


Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

tragédia

Família pede ajuda para trazer corpos dos 6 turistas brasileiros mortos no Chile

Publicado em

A família dos 6 turistas brasileiros encontrados mortos em um apartamento na área central da Santiago, no Chile, na noite desta quarta-feira (22), criou uma “vaquinha online” para arrecadar dinheiro para trazer os corpos para o Brasil.

As vítimas eram uma família formada por pai, mãe e dois filhos adolescentes, e um segundo casal de adultos. A suspeita é que os seis tenham morrido por intoxicação por inalarem gás monóxido de carbono a partir de um vazamento.

A confirmação veio através de uma das familiares do primeiro casal. As vítimas são: Fabiano de Souza, 41 anos; Débora Muniz Nascimento de Souza, 38 anos; Karoliny Nascimento de Souza, 15 anos; Felipe Nascimento de Souza, 13 anos; Jonathas Nascimento Kruger, 30 anos e Adriane Krueger.

Fabiano e Débora eram pais de Karoliny e Felipe, e os quatro moravam em Biguaçu, na Grande Florianópolis (SC). Jonathas Nascimento era irmão de Débora e casado com Adriane Krueger. Os dois residiam em Hortolândia, no interior de São Paulo.

A prima do Jonathas e Débora Nascimento, a artesã Noemi Nascimento, foi quem confirmou a identidade das vítimas. “Estavam a passeio na cidade de Santiago.

Todos vieram a óbito por vazamento de gás. Coração está arrasado meu primo querido irmão de muitas bagunças quando criança. Meu Deus Q senhor nos de forças neste momento”, escreveu Noemi, em rede social.

A meta estipulada pelos familiares é de R$ 100 mil. “Debora e Fabiano casados e seus dois filhos são Karoliny e Felipe. Jonathas e Adriana eram casados. Precisamos de toda ajuda, pois a família não tem condições financeiras para trazer os corpos e fazer o velório. Uma tragédia em meio a dor de perder a mãe que estava sendo velada no Brasil”, escreveu Noemi, no anúncio da arrecadação.

“Todos morreram por inalação de gás monóxido de carbono. Estamos tentando com as autoridades para nos ajudarem a trazer o mais breve possível os corpos”, completava o anúncio.

O Itamaraty ainda não recebeu a confirmação oficial por parte das autoridades chilenas dos nomes das vítimas. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, “as vítimas já foram identificadas pela polícia do Chile, que isolou o edifício para prosseguir com as investigações”.

O prédio onde ocorreram as mortes fica na rua Santo Domingo, na esquina com a Mosqueto. As autoridades trabalham com a hipótese de que um vazamento de gás tenha sido responsável por matar os brasileiros.


Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

©2018 Regional Press- Direitos Reservados | Vamos fazer um site? Logo RC Criativa