CONECTE CONOSCO

VOTAÇÕES

Com 900 milhões de eleitores, Índia inicia maior eleição do mundo

Em sete fases que irão durar mais de um mês, serão escolhidos membros do Congresso, que apontarão novo primeiro-ministro. Narendra Modi concorre à reeleição; seu principal adversário, Rahul Gandhi, é filho, neto e bisneto de ex-primeiros-ministros.

Publicado em

Homem assopra um logo inflável do partido Bharatiya Janata (BJP) em loja de Mumbai com artigos de diversos partidos políticos, na Índia, na quarta-feira (10) — Foto: Reuters/Francis Mascarenhas


Com um número de eleitores que corresponde a mais de 10% da população mundial, a Índia inicia nesta quinta-feira (11) as eleições para o seu Congresso, o Lok Sabha.

Cerca de 900 milhões de pessoas podem votar para eleger 543 membros do Congresso. Outros dois integrantes são indicados pelo presidente e pertencem à comunidade anglo-indiana. O partido ou coalizão que tiver uma maioria de 272 assentos no Lok Sabha irá indicar o primeiro-ministro.

O atual premiê Narendra Modi, que em 2014 obteve a maioria mais ampla no Parlamento dos últimos 30 anos (com 282 vagas), concorre à reeleição por seu partido nacionalista hindu Bharatiya Janata (BJP), e tem como principal adversário Rahul Gandhi, filho do ex-primeiro-ministro Rajiv Gandhi, neto de Indira Gandhi, a primeira mulher primeira-ministra do país, e bisneto de Jawaharlal Nehru, primeiro premiê da Índia. Rahul é líder do Partido Congresso Nacional.

Segundo as pesquisas, desta vez o BJP não deve alcançar sozinho a maioria, mas Modi pode conquistar uma re-eleição apertada com o apoio de outros partidos em uma “mahagathbandhan”, termo hindi para “megacoalizão”. Já o Partido Congresso Nacional deve ampliar sua bancada, mas provavelmente não passará de 140 assentos.

No total, mais de 8 mil candidatos, de 1841 partidos políticos reconhecidos pela Comissão Eleitoral, participam das eleições ao Lok Sabha.

Sete fases

Podem votar todos os indianos com mais de 18 anos e este ano há 90 milhões de eleitores a mais do que em 2014. Naquele ano, a taxa de comparecimento foi de 66,4%, de acordo com a emissora indiana NDTV.

O processo de votação será extenso, com mais de um mês de duração, e dividido em sete fases, envolvendo os 29 estados e sete territórios menores do país, conhecidos como territórios da união.

Com cerca de 200 milhões de habitantes, Uttar Pradesh é o maior estado indiano e o de maior representação no Congresso, com 80 assentos. Junto com Bihar e Bengala Ocidental, ele será um dos únicos estados que terão votações nas sete datas.

Funcionário da Comissão Eleitoral checa urna eletrônica e material de votação em centro de distribuição em Noida, na Índia, na quarta-feira (10) — Foto: Money Sharma/AFP

As votações acontecem nos dias 11 de abril, 18 de abril, 23 de abril, 29 de abril, 6 de maio, 12 de maio e 19 de maio. A contagem dos votos está marcada para o dia 23 de maio.

O custo total das eleições é estimado em 500 bilhões de rúpias (cerca de R$ 27,8 bilhões).

Desafios

A Índia tem atualmente 1,34 bilhão de habitantes e é o segundo país mais populoso do mundo, mas a previsão é de que em alguns anos ultrapasse a China e se torne o primeiro do ranking.

O principal desafio do governo é preparar a economia para esse crescimento, especialmente em relação a empregos, considerando que dois terços dos indianos têm menos de 35 anos.

Em 2014, Narendra Modi chegou ao cargo de primeiro-ministro com a promessa de desenvolvimento para todos e modernização da infraestrutura do país.

No entanto, ele não conseguiu conter os crescentes índices de desemprego, que chegaram a 45%. Também enfrentou marchas de produtores reais – uma parcela significativa da população – que protestaram contra o aumento do preço de insumos e dívidas cada vez maiores.

Outra questão sensível é a segurança nacional, com destaque para a relação com o vizinho Paquistão. Os dois países, que possuem arsenais nucleares, tiveram o confronto mais sério em décadas na região da Caxemira em fevereiro, quando o Paquistão derrubou dois caças e capturou um piloto da Força Aérea indiana.

O ataque aconteceu um dia depois de a Índia ter lançado um bombardeio aéreo contra um campo de treinamento de militantes paquistaneses – uma retaliação a um atentado que matou mais de 40 soldados indianos menos de duas semanas antes.

Dias depois, o Paquistão anunciou a libertação do piloto, em um gesto de paz destinado a reduzir a tensão entre os dois países.

Deixe sua opinião

Fonte: G1
Anunciante

revista

Bolsonaro é escolhido como um dos 100 mais influentes do mundo pela Time

Publicado em

© Adriano Machado/Reuters

A revista norte-americana Time incluiu o presidente Jair Bolsonaro entre as 100 pessoas mais influentes do mundo em 2019. A lista foi divulgada nesta quarta-feira (17).

No texto sobre a escolha, Bolsonaro é apresentado como “um personagem complexo”. “Ele representa uma forte quebra de uma década de corrupção de alto nível, e a melhor chance do Brasil em uma geração para realizar reformas econômicas que podem domar o aumento do déficit [fiscal]”, aponta a revista.

“O ex-militar também é garoto propaganda da masculinidade tóxica e [representa] uma intenção homofóbica e ultraconservadora de travar uma guerra cultural e, talvez, reverter o avanço do Brasil no combate às mudanças climáticas”, pondera o texto da revista.

Entre os líderes, a lista da Time inclui ao todo 26 nomes, como o do opositor venezuelano Juan Guaidó, a congressista americana Alexandria Ocasio-Cortez, nome em ascensão no Partido Democrata, e a premiê da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, que ganhou reconhecimento internacional pela forma como lidou com o massacre em mesquitas de seu país.

O presidente dos EUA, Donald Trump, o papa Francisco, o premiê israelense, Binyamin Netanyahu, e o ministro italiano, Matteo Salvini, também foram incluídos na relação de 2019.

A então presidente brasileira Dilma Rousseff foi incluída nas listas da Time de 2011 e 2012, seus primeiros anos de mandato. O ex-presidente Lula esteve entre os eleitos pela revista em 2004 e em 2010.

O ex-presidente Michel Temer foi citado em uma lista feita pela Time em 2017, como um dos cinco líderes mais impopulares do mundo, ao lado de nomes como o do ditador venezuelano Nicolás Maduro. Na música, a lista de 2019 cita as cantoras Taylor Swift, Lady Gaga e Ariana Grande, além do grupo sul-coreano de k-pop BTS.

Do cinema, entraram os atores Mahersala Ali (do filme “Green Book”), Yalitza Aparício (de “Roma”), Dwayne Johnson (conhecido como The Rock) e a veterana Glenn Close, entre outros.

No esporte, houve destaque para o atacante egípcio Mohamed Salah (do Liverpool), para o jogador de basquete LeBron James (Los Angeles Lakers) e para o golfista Tiger Woods.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

Sobrevivente

Cão é resgatado no mar a 220 km da costa da Tailândia

Publicado em

Um cão foi resgatado nadando a mais de 220 quilômetros da costa da Tailândia. O resgate foi feito por uma equipe de uma plataforma de petróleo no Golfo da Tailândia na última sexta-feira (12).

Um dos trabalhadores, Vitisak Payalaw, disse que o cachorrinho foi visto nadando em direção à plataforma, que é da Chevron.

A tripulação conseguiu resgatá-lo amarrando uma corda no seu pescoço e puxando-o para cima.

Os trabalhadores acreditam que o cão deve ter caído de um barco pesqueiro. Ele ganhou o nome de Sobrevivente.

O cão desembarcou na segunda-feira no porto de Songkhla e passou por uma avaliação veterinária, que mostrou que ele está bem. Ele foi encaminhado a uma entidade de proteção de animais e deve ser adotado, segundo informa o G1.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

tragédia

Torre da catedral de Notre-Dame desmorona em grande incêndio

Publicado em

A torre da catedral de Notre-Dame, atingida por um vasto fogo, “acabou de desmoronar”, anunciou nesta segunda-feira Emmanuel Grégoire, vice-prefeito de Paris.

“A partir de agora, uma missão especial foi iniciada para tentar salvar todas as obras de arte que for possível”.

“A prioridade foi dada para garantir a área ao redor para proteger os turistas locais do risco de colapso”, acrescentou em entrevista a um canal de notícias, o BFMTV.

“Não restará nada da estrutura (do teto), que data do século XIX de um lado e do XIII do outro”, lamentou pouco antes André Finot, porta-voz da catedral.

O presidente Emmanuel Macron, que cancelou um importante discurso marcado para a noite desta segunda-feira em resposta aos “coletes amarelos”, irá para o pátio da Notre-Dame de Paris, anunciou a presidência francesa.

O Chefe de Estado havia acabado de gravar seu discurso televisionado, adiado para o momento sem nova data anunciada.

O primeiro-ministro Edouard Philippe também visitará o lugar, informou seu gabinete.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

FOGO

Catedral de Notre Dame, em Paris, é atingida por incêndio

Publicado em

Foto: Reprodução/Twiter

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Um incêndio de grandes proporções atingiu nesta segunda (15) a catedral de Notre Dame, em Paris, na França. A área próxima ao local já foi interditada pelos bombeiros.

De acordo com uma testemunha ouvida pela agencia de notícias Reuters, fumaça podia ser vista saindo do topo do edifício.

A causa do incêndio ainda não está clara. Segunda a rede de televisão local France 2, a polícia trata o ocorrido como acidente.

A prefeita da cidade, Anne Hidalgo, se manifestou em sua conta pessoal no Twitter. “Um terrível incêndio está acontecendo na catedral de Notre Dame”, disse a política.

A catedral era um dos principais pontos políticos da cidade francesa, atraindo milhões todos os anos. O edifício estava passando por renovações, com andaimes e algumas estátuas sendo removidas nas últimas semanas para restauração.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

©2018 Regional Press- Direitos Reservados | Vamos fazer um site? Logo RC Criativa