CONECTE CONOSCO

VAQUINHA

Brasileiro opta por doar em dinheiro, mas tecnologia pode motivar mudança

Publicado em

A diretora-presidente do Idis, Paula Fabiani, participa de evento - Keiny Andrade - 3.nov.2018/Folhapress


O brasileiro ainda prefere realizar doações em dinheiro vivo. Segundo a pesquisa Giving Report 2019 Brasil, realizada pela CAF, representada no país pelo Idis (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social), 68% fizeram a benesse dessa forma nos 12 meses anteriores ao estudo. Já os que doaram via uma plataforma digital foram 12%.

“A boa notícia é que a tecnologia trouxe vários caminhos. Hoje tem o crowdfunding, a doação online, que vem crescendo como uma prática, e outros mecanismos que facilitam a doação”, afirma Paula Fabiani, diretora-presidente do Idis, parceiro do Prêmio Empreendedor Social.

“A má notícia é que as pessoas ainda preferem fazer a doação em dinheiro, ainda não utilizam esses mecanismos para realizar sua doação.”

Ferramentas online criadas para estimular a cultura de solidariedade no Brasil, no entanto, tentam quebrar essa dificuldade. Uma delas é o Joyz, um aplicativo com interface similar à do Instagram.

Ao invés de perfis pessoais, há doadores e causas. Quem quiser doar, basta rolar o feed e acompanhar as fotos postadas por quem está captando. Além dos botões de curtir e comentar, há também o “J”, que permite a doação de até cem “joyz” -moeda que equivale a R$ 0,10.

“Só pode doar uma vez por foto, e isso obriga a causa a alimentar o perfil. A causa que consegue um bom engajamento precisa estar sempre alimentando”, explica Gabriel Khawali, diretor Comercial do Joyz.

Além de fomentar a microdoação, a medida coíbe a criação perfis falsos, pois exige um alto envolvimento com a plataforma para conseguir um bom volume de recursos. O saque, que demanda informações pessoais como CPF e conta-corrente, é outra maneira de manter os fakes fora da rede.

Entre aqueles cadastrados para receberem doações, que já arrecadaram R$ 512,9 mil com mais de três milhões de curtidas, podem constar causas como as que captam recursos para pets, para tratamentos de crianças e ONGs de maneira geral.

Uma outra plataforma que já é conhecida do brasileiro para arrecadar recursos, o financiamento coletivo chegou de maneira tímida ao país. Um dos maiores sites hoje, o Vakinha surgiu em 2009 e alcançou marca histórica em 2018 com R$ 50 milhões arrecadados e 150 mil “vaquinhas” criadas.

“A gente tem notado que muitas pessoas estão preferindo ou migrando para esse formato de doação direta para causas, quando tem uma pessoa beneficiada diretamente. Isso tem colaborado bastante para o crescimento da plataforma”, explica Cristiano Meditsch, diretor de Marketing do site sobre o crescimento, em contraponto às doações para organizações.

As doações online para organizações também têm ganhado volume, de acordo com Nicolle Stad, criadora da Inti, uma plataforma de gestão, CRM (Gerenciamento de Relação com Consumidor, na sigla em inglês) e BI (Inteligência de Negócios, também na sigla em inglês), de ingressos, doações e inscrições para cursos.

Em 2018, R$ 5 milhões foram doados para as 30 organizações que atende, entre ONGs, museus e outras instituições do mercado cultural. O valor é um crescimento de 18% em relação ao ano anterior.

A fundadora da Inti atribui o acesso da plataforma principalmente à interface adotada: apesar de estar dentro da Inti no momento de compra ou doação, o usuário tem a impressão de continuar no site da organização.

“Surgimos em 2015 para ajudar os museus e ONGs a captarem recursos. Quando pensamos nisso, descobrimos que ter um intermediário, como PayPal e Pagseguro, é ruim. Tem que parecer que está doando direto”, explica Stad.

“Foi assim que nascemos para fazer o Amigo Masp [do Museu de Arte de São Paulo]. Quando clica em ‘doar’, parece que está dentro do site do Masp, mas está em nosso sistema. O programa [do museu] cresceu 400% se tornou o maior do país em seis meses [desde que começou a usar a plataforma].”

Para ela, as doações online são o próximo patamar da digitalização e ganham força com as redes sociais. “Quando começou a compra online, existia um pouco essa desconfiança. Cada vez mais o brasileiro está se familiarizando com o consumo digital, e isso acaba se espelhando em doação também.”

Já o diretor da Joyz vê nas plataformas online uma forma de otimizar a solidariedade. “Tinha muita gente que falava que não fazia o bem porque não tinha tempo de ir até as causas. Hoje, por meio do Joyz, uma pessoa que não tem tempo pode doar dinheiro e carinho, trocar mensagens, mesmo sem estar próximo.”

Como forma de incentivar essa cultura e utilizando a internet como meio, o Idis lançou em dezembro a campanha Descubra sua Causa, um teste online que culmina em um perfil de doador e em organizações alinhadas com ele. “O objetivo é engajar as pessoas na prática da doação. A estregátia que enfatizamos bastante é o digital, as mídias sociais, que têm potencial de viralização enorme a um custo muito menor”, explica Paula.

Ela acredita que, com o passar do tempo, a tendência é que as doações online cresçam. “As pessoas estão substituindo o dinheiro por cartão e muitos já estão usando o próprio celular para pagamentos. Quando isso se tornar uma realidade [a substituição], com certeza vai aumentar [a doação].”

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Anunciante

TV

Paulo Henrique Amorim é afastado pela Record após quase 15 anos no Domingo Espetacular

Atração será comandada por Patrícia Costa e Eduardo Ribeiro.

Publicado em

O jornalista e apresentador Paulo Henrique Amorim, 77, não faz mais parte da revista eletrônica Domingo Espetacular (Record). A emissora confirma o afastamento e afirma que os novos comandantes da atração serão Patrícia Costa e Eduardo Ribeiro, a partir deste domingo (30).

O motivo, de acordo com a assessoria de imprensa do canal, é uma reformulação no jornalismo da casa. Segundo eles, Paulo Henrique continua como um dos contratados e à disposição para futuros projetos.

Porém, segundo o site Notícias da TV, Amorim teria sido desligado por política. Por seu forte posicionamento de esquerda, ele, de acordo com o site, teria tido a cabeça pedida desde 2014 por diversas vezes por membros do poder contrários às suas ideias. Ainda segundo o portal, nos últimos meses, a emissora não teria mais conseguido resistir às pressões, já que Amorim é contrário ao governo do atual presidente.

Questionada se o afastamento seria por cunho político, a assessoria de imprensa da Record voltou a dizer que a única informação que poderia assegurar era a de que está acontecendo uma reformulação, implementada pelo vice-presidente de jornalismo, Antonio Guerreiro, desde janeiro deste ano.

Paulo Henrique Amorim ficou no ar pelo dominical por 13 anos. Sua primeira aparição foi em fevereiro de 2006.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

BAHIA

Cantor Ferrugem abandona show após copos serem jogados no palco; vídeo

Caso ocorreu na cidade de Cruz das Almas, no recôncavo baiano. Assessoria do artista confirmou caso nesta segunda-feira (24), através de comunicado.

Publicado em

O cantor Ferrugem abandou o palco do Forró do Bosque, uma festa privada na cidade de Cruz das Almas, no recôncavo da Bahia, onde se apresentava na noite de domingo (23). Conforme a assessoria do evento, o artista alegou que copos foram jogados no palco por pessoas que estavam na plateia durante o show e que ele quase foi atingido.

Ainda segundo informações da assessoria da festa, o cantor começou a apresentação por volta das 22h, mas abandonou o show cerca de 30 minutos depois e não voltou mais. A produção do evento destacou que o cantor alegou que jogaram copo no palco por duas vezes. Ele pediu desculpas ao publico e, depois, saiu do palco.

Em nota, a assessoria do cantor informou que Ferrugem não voltou para o palco, depois do ocorrido, por sentir falta de segurança no local.

A assessoria informou, ainda, que o evento apresentou vários problemas estruturais e técnicos e que itens mínimos para a realização da apresentação não estavam disponíveis para a equipe do cantor.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

RIO DE JANEIRO

Filho de Huck e Angélica deixa UTI e é levado para o quarto

Benício, de 11 anos, sofreu traumatismo craniano fazendo wakeboard na baía da Ilha Grande, na costa do Rio de Janeiro. Ele passou por cirurgia e evolução é 'satisfatória', segundo médicos.

Publicado em

Luciano Huck e Benício em foto postada pelo apresentador para homenagear os 11 anos do filho — Foto: Reprodução/Redes Sociais Luciano Huck

Benício K. Huck, um dos três filhos dos apresentadores Luciano Huck e Angélica, deixou nesta segunda-feira (24) a UTI e foi levado para o quarto após acidente sofrido no fim de semana em Ilha Grande, na Costa Verde do Rio de Janeiro.

As informações foram divulgadas em boletim médico assinado pela equipe médica do hospital Copa Star, onde ele está internado, em Copacabana, Zona Sul do Rio.

Benício sofreu um acidente praticando wakeboard – esporte que utiliza uma prancha puxada por uma lancha – na tarde de sábado (22), na Baía da Ilha Grande. Ele sofreu traumatismo craniano e passou por uma neurocirurgia na madrugada de domingo (23).

Segundo a unidade de saúde, Benício mantém quadro clínico e neurológico estável. Uma ressonância magnética de crânio realizada nesta segunda demonstrou uma “evolução satisfatória” do trauma. Após o resultado, ele recebeu alta da Unidade de Tratamento Intensivo e foi para um quarto.

Em entrevista ao Fantástico, o apresentador disse que a recuperação de Benício precisa ser feita com calma, por causa da lesão na cabeça.

“Ainda não tem [previsão de alta médica]. Também acho que não tem que ter pressa nisso. Acho que uma cirurgia neurológica na cabeça é uma cirurgia neurológica na cabeça. Você tem que fazer com calma, um passinho de cada vez. Por mais traumático que seja para os pais e para ele estar passando por isso, a gente tem que aprender nessas situações difíceis”, disse Huck.

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
85