CONECTE CONOSCO

youtuber

‘Vovô do Slime’ faz sucesso na internet com fofura e persistência: ‘Emocionado’

Vídeo do aposentado Nilson Izaias no YouTube viralizou nas redes sociais nas últimas horas e ele conquistou mais de 1,6 milhão de inscritos em seu canal em uma semana.

Publicado em



Vem da pequena cidade de Juquiá, no interior de São Paulo, o mais novo fenômeno da internet brasileira. O aposentado Nilson Izaias, de 70 anos, um dos pouco mais de 18 mil moradores do município, bateu Felipe Neto e Anitta no Youtube e, por conta de um vídeo, em que produz um ‘Slime’ (massa de modelar artesanal) e se emociona em seguida, conquistou mais de 1 milhão de inscritos em seu canal em menos de uma semana.

Nilson mora em um sítio bastante isolado com sua esposa. Ele trabalhou durante vários anos como agente escolar e, em 2017, acabou se aposentando. Em dezembro daquele mesmo ano, o ‘Vovô do Slime’ resolveu criar um canal no YouTube. “Comprei um celular e criei apenas para passar o tempo. Eu gostava do fato de youtubers fazerem tantos amigos virtuais”, afirmou em entrevista ao G1.

O idoso grava e posta os vídeos sozinho, posiciona o celular na mesa e coloca para gravar. Às vezes, ele também gosta de fazer vídeos mostrando o local onde mora. Ele também conta que sempre gostou de acompanhar youtubers e, quando viu muitas pessoas fazendo vídeos sobre ‘Slime’, resolveu tentar também.

“Eu gravava e ainda gosto de gravar o sítio em que moro, os animais, as frutas da época e mostrar para as pessoas todas essas coisas”, destaca. Nilson começou seu canal com aproximadamente 50 inscritos, depois, aos poucos, mais pessoas começaram a se inscrever e ele chegou ao número de 1.800 inscritos.

No dia 22 de janeiro de 2019 a vida dele começou a mudar. O aposentado gravou um vídeo de sua quarta tentativa de fazer um ‘Slime’. Deu certo, ele falou que era a realização de um grande sonho e a gravação viralizou. Em poucos dias, ele passou a ter 1 milhão de pessoas em seu canal. “O dia que meu ‘Slime’ deu certo foi o mais alegre da minha vida. Até pulei de alegria”, diz emocionado.

Nas últimas horas, a alegria de Nilson cresce exponencialmente. “Eu tinha 1800 inscritos. Não via a hora de chegar em 2 mil e achava que até o fim de 2019 eu chegava lá. Mas, de repente, quando fiz o vídeo do ‘Slime’, no outro dia fui ver e não acreditei. Estava com 200 mil. Como sempre olho diariamente, no dia seguinte também fui ver e já estava 500 mil, depois 800 mil e, agora, tenho mais de 1,6 milhão. Eu não tenho palavras para dizer o quanto estou feliz “, conta entusiasmado.

Incentivo

“Quando vi que tinha tantas pessoas me seguindo eu não acreditei. Achei que era fake. Quando vi que era real fiquei muito emocionado. A maior parte do meu tempo dedico ao meu canal”, conta Nilson. De acordo com ele, a maioria dos comentários que recebe são elogios e agradecimentos. “Muitas crianças me chamam de avô, fazem comentários lindos, que querem me dar um abraço, me chamam de fofo, que querem me guardar em um potinho. Fico emocionado”, relata.

O idoso também conta que a família está recebendo muitas ligações e adorando o sucesso que ele está fazendo. “Como todos da família tem o mesmo sobrenome, muitas pessoas estão entrando em contato para perguntar de mim, ligam e mandam mensagem o dia inteiro”.

Nilson afirma ser cardíaco e que tem diabetes, por isso faz uso de medicamento contínuo. Para ele, o carinho das pessoas é um grande incentivo. “É como um remédio para mim, me faz uma pessoa mais alegre, mais disposta e com mais vontade de viver”, destaca.

Nilson se sente feliz em gravar vídeos para o canal e afirma que apoio das pessoas que o acompanham é seu maior incentivo — Foto: Reprodução/Youtube

Gratidão

O novo youtuber de sucesso afirma que vai continuar gravando seus vídeos e que recebeu muitos comentários para não desistir. “Vou procurar temas diferentes para não fazer só vídeo igual. Já me pediram até para eu fazer vídeo sobre o meu cachorro”, conta.

Ele destaca que, no ‘Slime’ que deu certo, utilizou cola branca, bicarbonato, água boricada e um pouco de detergente. Tudo isso depois das dicas de uma criança que o acompanha no canal. “Sou muito grato pelos comentários tão lindos das pessoas sobre mim. Às vezes tem gente que tem preconceito com idosos e me chamam de velho, falam para eu procurar o que fazer, mas não me abalo. No meio de mais de um milhão de palavras boas aparece um ou dois que dizem coisas ruins”, afirma.

Nilson destaca que muitas vezes gosta de anotar os comentários das pessoas e o canal delas para gravar um vídeo agradecendo. Agora, como tem muitos comentários, não consegue fazer isso com todos. “Eu gostaria de agradecer todos meus inscritos, homens, mulheres, jovens, idosos e crianças, que me deram esse apoio e se inscreveram no meu canal. Só Deus pode pagar tudo que eles que eles fizeram por mim”, finaliza ele.


Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
G1
Anunciante

TV

Faustão se irrita e detona funcionário ao vivo: “Imbecil”, e é criticado na web

Publicado em

Fausto Silva perdeu a paciência durante o “Domingão”, da TV Globo, do último domingo (17). Enquanto anunciava a classificação da semifinal da “Dança dos Famosos”, o apresentador se irritou ao perceber que as notas haviam sumido do telão. Sem pensar duas vezes, o famoso, então, detonou o responsável por gerenciar o equipamento.

“O imbecil tirou de lá, para variar, de novo”, esbravejou.

Na web, os internautas se revoltaram com a postura do artista. “Quem o Faustão pensa que é para tratar as pessoas assim?”, reclamou um usuário do Twitter. “Inacreditável a falta de educação desse apresentador”, lamentou outro.

Já um terceiro garantiu: “Faustão chamando um funcionário de imbecil. Merece processo!”.


Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

EUA

Cientistas descobrem novo tipo da infecção “devoradora de pele”

Publicado em

Imagem ilustrativa

Após estudarem uma infecção bacteriana que estava a corroer os tecidos de um paciente, médicos das Universidades de Maryland e do Texas, nos Estados Unidos, descobriram um agravante de uma doença já conhecida. Um artigo sobre o caso foi publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences.

A fasceíte necrosante, como é chamada, é uma condição que há muito é conhecida pela comunidade médica e ocorre por conta de uma infecção severa provocada pela bactéria Streptococcus pyogenes. Este microrganismo é comum no sistema digestivo, mas, quando entra em contacto com outras áreas do corpo, devora a pele, os órgãos e o que mais estiver à sua frente, com o intuito de se instalar na corrente sanguínea.

Entretanto, os testes indicaram que a infecção havia sido causada por um outro microrganismo, denominado Aeromonas hydrophila. O quadro clínico evoluiu rapidamente, espalhando-se pelo baço e pelo fígado e tornando-se uma ameaça à vida do paciente.

Tal intrigou os médicos, que decidiram avaliar a composição genética dos microrganismos que atingiam o doente e surpresa! Como relataram num comunicado à imprensa, explicam que a infecção não se deu por uma, mas duas cepas diferentes de bactérias do género Aeromonas, denominadas de NF1 e NF2.

Normalmente, a cepa NF1 permanece localizada e não atinge a corrente sanguínea ou os órgãos, sendo eliminada pelo sistema imunológico do hospedeiro. Já a NF2 produz uma toxina que quebra o tecido muscular e permite que o microrganismo se espalhe pelo corpo da vítima.

O problema, entretanto, ocorreu porque as duas espécies agiram ao mesmo tempo. “Uma das linhagens [NF2] produz uma toxina que quebra o tecido muscular e permite que a outra linhagem [NF1] migre para o sistema sanguíneo e infecte os órgãos”, explicou Rita Colwell, cientista responsável pelo caso.

Além disso, a equipa de médicos apurou que a NF2 permanece localizada e não se espalha pelo corpo, pois, quando entra em contacto com NF1, acaba por morrer. “Agora, temos a capacidade (…) de determinar os agentes infecciosos individuais envolvidos em infecções polimicrobianas”, disse Colwell.

A especialista espera que isso ajude os investigadores a desenvolverem métodos mais poderosos de combate a esses organismos, salvando mais vidas. “Quando tratamos com um determinado antibiótico, estamos a eliminar um organismo do corpo”, explicou a especialista. “Mas se houver outro organismo que esteja a participar na infecção e que também seja patogénico, qualquer tratamento com antibióticos que não atinja essa outra espécie pode estar a abrir caminho para que esta se desenvolva”.

Após o diagnóstico ter sido realizado, o paciente pôde ser tratado pelos médicos e teve de ser operado. Embora lhe tenham sido amputadas ambas as pernas e ambos os braços, conseguiu sobreviver.


Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998