CONECTE CONOSCO

BENDITA LÍNGUA

Na pessoa de, em nome de

Publicado em



O errado (fora da norma) consegue mais seguidores do que o certo (dentro da norma). Estou falando do uso da língua, mas não é diferente noutros campos das ações humanas. O erro comentado hoje está grassando os discursos de reuniões até chiques.

Se o orador quiser cumprimentar uma pessoa em seu discurso e por ela também os demais membros da categoria, o certo é “Na pessoa da professora Marinês Galhardo, componente desta mesa, cumprimento todos os professores presentes nesta assembleia”. Significado: cumprimenta-se a Marinês e que todas os demais profissionais do magistério se sintam também cumprimentados.

Está errado, está fora da lógica: “Em nome da professora Marinês Galhardo, eu cumprimento os demais professores dessa assembleia”. E se ela quiser cumprimentar por si! Significado: o orador se arvora procurador da professora para cumprimentar as demais”. Esse erro é muito cometido por políticos em seus discursos, revela ignorância linguística.

*Hélio Consolaro é professor de Português e colunista do Regional Press

Tira-dúvidas on-line:

www.benditalingua.blogspot.com
[email protected]
WhatsApp: (18) 99786 9445

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. Esta opção de comentário NÃO publica automaticamente nada em seu Facebook, fique tranquilo!
Fonte:
Anunciante

BENDITA LÍNGUA

Tchutchuca e Tigrão

Publicado em

Zeca Dirceu e o ministro Paulo Guedes discutiram durante debate sobre a reforma da Previdência

A expressão “Tchutchuca e Tigrão”  foi recentemente usada pelo deputado Zeca Dirceu (PT-PR) ao se referir ao ministro Paulo Guedes num debate sobre a reforma da Previdência na Câmara dos Deputados: a analogia entre a força do “tigrão” e a submissão da “tchutchuca”, usada pelo deputado, provocou um chilique do ministro.

Ela foi criada em 2001 pelos funqueiros do Bonde do Tigrão. Trata-se de palavras da linguagem classificada de chula, usada por pobres, desclassificados. Quem abominou o uso de tais palavras num parlamento tem uma visão elitista da língua, classificando seus elementos de acordo com a classe social que os usa.

Um político, seja ele de qualquer partido, para explicar suas ideias num momento de discussão fervorosa pode usar a linguagem chula, a linguagem que seu povo vai entender. Não pode abusar, mas quando necessário…

 

 

 

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. Esta opção de comentário NÃO publica automaticamente nada em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

História e estória

Publicado em

Em português, costuma-se usar a palavra “história” tanto para a narrativa de fatos verdadeiros como para os ficcionais (narrativas inventadas).

Isso não ocorre no inglês, que divide história para fatos reais; estória para fatos ficcionais. O escritor Guimarães Rosa manteve a tradição inglesa ao escrever, quando intitulou o seu  livro de “Primeiras estórias”.

O atual governo quer transformar o 31 de março, quando houve um golpe militar em 1964, ou seja, há 55 anos, em “estória”, coisa inventada.

Esse pessoal do Bolsonaro ignora livros, jornais da época, muita gente morta e perseguida, só porque não concordava com o governo da época. Não se pode transformar a História do Brasil escrita com sangue num conto da carochinha.

 

*Hélio Consolaro é professor de Português

SERVIÇO DE TIRA-DÚVIDAS:

E-mail: [email protected]

www.benditalingua.blogspot.com

Whatsapp:  18 99786 9445

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. Esta opção de comentário NÃO publica automaticamente nada em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO

BENDITA LÍNGUA

Erro de português ou da reforma da Previdência?

Publicado em

O aviso digitado simula certamente um aviso anexado na portaria de algum condomínio. Os erros de digitação e de português foram cometidos para fazer uma crítica indireta à reforma da Previdência que está por vir.

Vamos consertar o erro de digitação: “Precisa-se de diarista que more no serviço”. Brota do novo texto uma incoerência externa: diarista não mora no emprego, só existe tal possibilidade às mensalistas.

Então o verbo seria mesmo “morrer”, porque com a reforma da Previdência projetada para prejudicar o assalariado, uma diarista ia mesmo morrer no serviço, sem experimentar sua aposentadoria.

Se a intenção fosse dizer: “Precisa-se de uma diarista que morre no serviço”, assim mesmo surgiria outro erro de português. O certo seria: “Precisa-se uma diarista que morra no serviço”. O verbo morrer iria para o modo subjuntivo, pois é da segunda conjugação.

SUBJUNTIVO (modo que manifesta uma vontade) do verbo morar: more; do verbo morrer: morra.

Formas corretas:

Precisa-se de uma empregada que more no serviço. Foi digitado um “r” a mais para veicular a crítica.

Precisa-se de uma empregada que morra no emprego. Seria a forma correta, uma crítica direta à reforma da previdência, sem dubiedade e ironia.

 

SERVIÇO DE TIRA-DÚVIDAS:

www.benditalingua.blogspot.com

[email protected]

WhatsApp: 18 99786 9445

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. Esta opção de comentário NÃO publica automaticamente nada em seu Facebook, fique tranquilo!
CONTINUE LENDO
85