Connect with us
Banner Samar Eco

INVESTIGAÇÃO

Justiça recebe pedido de coleta de DNA de CR7, acusado de estupro

Governo italiano está analisando o pedido, oriundo da polícia de Las Vegas

Publicado

em

© Massimo Pinca/Reuters

O Ministério da Justiça italiano anunciou, nesta sexta-feira (11), que recebeu o pedido de coleta de DNA de Cristiano Ronaldo feito pela polícia de Las Vegas (EUA) como parte das investigações da acusação de estupro feita por Kathryn Mayorga. A informação é do jornal Corriere della Sera.

O governo italiano está analisando o pedido para ver se há compatibilidade entre o processo criminal na Itália e nos EUA. Se existir concordância, será requisitado o exame do atacante da Juventus.

Na última quinta-feira (10), Ronaldo prometeu realizar o exame de DNA para ajudar a polícia americana.

Kathryn Mayorga alega que o astro do futebol mundial abusou sexualmente dela em um hotel de Las Vegas, em 2009, após ambos se conhecerem em uma festa; o português, a princípio, tratou o caso como um “espetáculo midiático”.

A defesa de Ronaldo, em comunicado divulgado no início da noite de quinta, manteve a posição sobre a “natureza consensual” da relação e declarou ver a convocação como uma “parte padrão da investigação” e corroborou com a informação de que o astro colaborará com o pedido da polícia.

O processo mostra que o português supostamente pagou cerca de R$ 1,5 milhão na cotação atual em troca do silêncio da americana. A história se tornou pública somente no ano passado, e Kathryn Mayorga alega que a suposta agressão sexual de Ronaldo trouxe traumas psicológicos, acumulados pelo período em que se calou.

A acusação de estupro desencadeou outra crítica pública por parte de uma mulher. Ex-participante do Big Brother de Celebridades na Inglaterra, a modelo Jasmine Lennard afirmou que manteve um relacionamento secreto de uma década com o craque da Juventus, no qual acabou submetida a abusos psicológicos e sofreu, supostamente, até ameaças de morte.

A defesa de Cristiano Ronaldo, ao TMZ, negou qualquer relação amorosa com a britânica.

“O senhor Ronaldo não tem qualquer lembrança específica de conhecer a Srta. Lennard há dez anos ou em qualquer ponto da vida. Ele não teve relacionamento com ela e qualquer contato nos últimos 18 meses, como a Srta. Lennard sugere”, disse, em comunicado, a defesa de Cristiano Ronaldo.

O português vai entrar com um processo contra Lennard, que usou as redes sociais para realizar as acusações contra o camisa 7 da Juve.

DETALHES DO PROCESSO

O processo diz que Ronaldo encontrou a mulher no Palms Hotel and Casino em 13 de junho de 2009. O jogador a convidou, junto com uma amiga e outras pessoas, para sua suíte e chamou Mayorga para a jacuzzi, oferecendo uma camiseta e bermuda para ela.

A mulher se trocou, e o português pediu que ela fizesse sexo oral. Mayorga se recusou, e Ronaldo a levou para a cama e a estuprou enquanto ela gritava “não, não, não”. O processo ainda diz que a vítima reportou o ocorrido à polícia e foi examinada em um hospital.

Segundo o processo, inicialmente, ela se recusou a identificar Ronaldo para a polícia, com medo de ser humilhada publicamente. Semanas depois, Mayorga falou o nome do jogador à polícia, e um detetive disse que ela seria submetida a retaliação e suas ações retratadas como tentativas de extorsão, de acordo com o processo. O mesmo foi dito por uma enfermeira.

“O trauma psicológico da agressão sexual, o medo de humilhação pública e a retaliação da polícia e dos médicos a deixaram apavorada e incapaz de agir ou se defender”, diz o processo.

O documento também fala que Ronaldo contratou uma equipe para monitorar Mayorga, seus amigos e sua família para prevenir a divulgação pública das alegações. O processo também acusa Ronaldo de causar sofrimento emocional e abuso de pessoa vulnerável.

De acordo com o processo, a vítima se manteve em silêncio, sua saúde emocional foi prejudicada pelo estresse, e ela diz que lutou para manter relacionamentos e empregos. COm informações da Folhapress.

Deixe sua opinião

ATLETA

Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos

O motivo da morte ainda não foi divulgado pela família e nem pelo clube da atleta

Publicado

em

RICARDO BUFOLIN/CBG/DIVULGAÇÃO

A ginasta Jackelyne da Silva, de 17 anos, morreu nessa quarta-feira (16/1), segundo informações divulgadas pela Confederação Brasileira de Ginástica (CBG), em suas redes sociais. A atleta estava internada, mas o motivo da morte ainda não foi divulgado. Ela fazia parte do time de ginástica artística do Pinheiros e defendeu a seleção brasileira nas categorias juvenis. As informações são da revista Veja.

“Recebemos com tristeza a notícia do falecimento da atleta de ginástica artística do clube do Pinheiros, Jackelyne da Silva. Nos solidarizamos com os familiares, amigos e técnicos. Ficam, agora, as boas recordações da ginasta fazendo o que mais amava”, comunicou a CBG, em uma publicação com um vídeo da atleta em uma competição.

A Federação Paulista de Ginástica (FPG) também lamentou a morte de Jackelyne, em suas redes sociais. “A FPG quer expressar aos familiares, amigos e toda a comunidade da ginástica os seus sentimentos pela morte da ginasta Jackelyne da Silva, aos 17 anos. Ela era ginasta do Pinheiros e participava de competições da FPG. O céu ganhou mais uma estrela brilhante”.

O Esporte Clube Pinheiros, por meio de suas redes sociais, se solidarizou com a família da ginasta. “Jack, como era conhecida, fazia parte da equipe pinheirense desde 2010. Seu jeito brincalhão e sua alegria contagiavam todos que convivam com a atleta, dentro e fora dos treinamentos. Em quase 9 anos de convivência, ela fez parte de bons momentos da nossa equipe de Ginástica e o Clube acompanhou seu crescimento, como atleta e como pessoa. Solidário à dor de familiares e amigos, o Pinheiros está acompanhando e prestando todo o suporte possível nesse momento de despedida”, declarou o clube.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

GOLEADA

Corinthians faz 8 a 0 e passa na Copa SP com melhor ataque

Partida contra o Visão Celeste-RN aconteceu na noite dessa quarta (16), na Arena Barueri

Publicado

em

© Stringer ./ Reuters

O Corinthians segue vivo na Copa SP de futebol júnior. Nesta quarta-feira (16), o time paulista dominou o Visão Celeste-RN, na Arena Barueri, goleou por 8 a 0 e avançou às quartas de final.

O triunfo foi assegurado com gols de Fabrício Oya e Nathan (dois), Igor, Rafinha, Gustavo Mantuan e João Celeri (dois). Na disputa por vaga na semifinal, o adversário é o Grêmio, que marcou 3 a 0 no Audax.

O Alvinegro chega à próxima fase como dono do melhor ataque da competição, com 25 gols. O confronto com o Grêmio acontece entre sexta-feira (18) e sábado (19), em horário e local que ainda serão definidos pela Federação Paulista de Futebol.

A partida foi bastante tranquila para o Corinthians, que controlou o ritmo desde o começo e conseguiu sair na frente ainda aos 11 minutos, quando Oya cobrou falta no cantinho e deixou o goleiro rival sem reação.

Com o adversário desencontrado em campo, o time de Eduardo Barroca sobrou. Aos 25, a defesa do time potiguar falhou por um escorregão de Caio, que deixou Nathan livre para marcar o segundo. O centroavante, que havia perdido gol à queima-roupa pouco antes, desta vez teve a consciência de encobrir o goleiro de cabeça.

Mal deu tempo de o Visão Celeste respirar, e Nathan fez o terceiro. O lance teve início em chute de longe de Fabrício Oya, que o goleiro Patrick rebateu para o meio e deu no pé do centroavante. O ritmo seguiu o mesmo após o intervalo, quando Igor arriscou de longe e viu o goleiro adversário aceitar.

O gol mais bonito do Corinthians foi o quinto, no pé esquerdo de Rafinha. A centímetros da linha da grande área, o meia cobrou falta com enorme precisão e anotou um golaço. Gustavo Mantuan deve ter se inspirado, pois logo em seguida partiu em contra-ataque e também fez belíssimo gol em chute no cantinho.

O destaque da reta final foi João Celeri. que aos 29 arriscou de longe e contou com mais uma colaboração do goleiro Patrick. Já aos 44, ele aproveitou cruzamento da direita e cabeceou para fechar a conta.

Mais um confronto das quartas de final foi definido nesta quarta-feira. O Vasco bateu o Coritiba por 3 a 0 e fará duelo carioca com o Volta Redonda, que passou pelo Atlético-MG por 2 a 0.

Os outros jogos das quartas de final são os seguintes: São Paulo x Cruzeiro e Figueirense x Guarani. Com informações da da Folhapress.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

bastidores da TV

Jornalista relata ter sido vítima de machismo na Globo; confira

Publicado

em

jornalista Mayra Siqueira, que trabalhou nas rádios CBN e Globo, no canal SporTV e no site Globoesporte.com, relatou em sua conta no Twitter que foi vítima de machismo durante o período em que trabalhou no Grupo Globo.

No desabado, Siqueira citou nomes e incluiu alguns figurões do jornalismo da Rede Globo, como, por exemplo, o narrador Cleber Machado.

“O Cleber Machado, quando em finalmente ganhei um teco da sua confiança (levaram 2 anos e meio de Seleção pra isso), me disse que acha nada ver isso de mulher narrar, porque não é uma coisa que orne muito. Eu sorri e entendi que esse aí não vai mudar de ideia, e td bem. Antes disso, ele fez questão de tentar massacrar meu argumento em infinitas vezes nos programas. Motivo aparente? Mulher, novinha. Passou e, depois de alguns chás de aeroporto ao lado dele, cantamos juntos Elis Regina no caminho pro estúdio. Esse dia foi fera”, escreveu Mayra.

A jornalista também falou sobre o ex-técnico Muricy Ramalho, que hoje é comentarista do canal SporTV.

“Já ouvi 2 vezes em coletivas ao vivaço do Muricy “você sabe muito de futebol, né?” (insira tom irônico). Na primeira, fiquei arrasada. Na segunda, virei notícia e fui defendida nos programas. Ele nunca se abalou e, anos depois, fizemos programas de TV juntos na mesma bancada”, acrescentou.

Mayra também citou Tite. Segundo ela, o treinador da seleção brasileira foi deselegante ao responder a uma pergunta, mas logo se retratou.

“O Tite um dia me deu uma resposta levemente grosseira e que soou machista. Na resposta seguinte, interrompeu o que dizia a outro repórter pra pedir desculpas. “Poderia ser minha filha aqui””, disse a jornalista, que também falou sobre o jogador Dagoberto.

“O Dagoberto, no meu primeiro ano de repórter de campo, passou reto por mim ignorando minha pergunta. O Fernando Fernandes, da Band,  parou ele na sequência e disse ao vivo “já que você não respondeu a pergunta da moça, eu vou repetir”. ele repetiu, é o Dagoberto respondeu”, contou.

Além dos relatos, Mayra reforçou que o ambiente do jornalismo esportivo ainda é machista.

“O meio de imprensa esportiva é uma merda pra mulheres, ainda. E ainda bem que tá se enchendo de ~feminista chata~. Vcs não fazem ideia do que é saber que cada mulher que chega é “carne nova” na visão dos jornalistas homens, que acham ok e normal ir pra cima feito urubu”, disse ela, que também ponderou.

“Tem muito cara incrível e decente no jornalismo esportivo, e guardo vários como grandes amigos. Outros que são só aqueles “tiozoes incorrigíveis” que você tolera. E outros que você cumprimenta por educação”, finalizou.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

FUTURO

Com adesão de montadoras, F-E pode diminuir proximidade com fãs

Acesso a pilotos por parte dos fãs, até o momento, é uma característica da competição

Publicado

em

© Eric Gaillard/Reuters

Os sinais de que a Fórmula E é uma categoria jovem que está buscando promover seu evento de maneira diferente de outros campeonatos do automobilismo estão por todos os lados. No Reino Unido, por exemplo, a transmissão é feita por YouTubers, e, na pista, o acesso aos pilotos é facilitado, e jornalistas inclusive podem caminhar dentro dos boxes, algo totalmente impensável na sisuda e cheia de regras Fórmula 1.

Tanto que a declaração recente do chefe da Mercedes, Toto Wolff, que disse não saber se a categoria era “uma competição ou um evento” não causou mal-estar algum. Afinal, ouvidos pela reportagem no Marrocos, palco da segunda etapa da temporada, o CEO da F-E, Alejandro Agag, e a chefe da equipe Venturi e esposa de Toto, Susie Wolff, afirmaram com tranquilidade que a categoria tem, sim, o entretenimento como um grande foco.

“Diria que somos show e competição. E estou muito contente com essa definição. Temos muito orgulho do nosso evento, porque dizemos que a Fórmula E é mais do que um evento. Quero criar um movimento consistente para carros elétricos e isso é um evento”, defende o espanhol.

“Se queremos crescer no mundo moderno, temos de ser um show, temos de ser entretenimento. Sempre vão haver aqueles fãs de automobilismo que querem ver corrida, mas para atingir um público maior, temos de ser um show”, completa Susie.

Nesse sentido, não é coincidência que a Fórmula E só tenha etapas em destinos turísticos, faça as provas aos sábados -com classificação e corrida no mesmo dia, diferentemente das atividades da F-1, que duram três dias- e aproveite a falta do ruído dos motores para se apresentar como um evento para toda a família. A ideia central de tudo isso é promover mais do que uma corrida em si, mas uma experiência.

Todo esse clima de grande acessibilidade, contudo, está diminuindo a cada dia, segundo quem trabalha na categoria. E tudo tem a ver com seu próprio crescimento. A partir do momento que mais e mais montadoras começaram a se interessar pelo esporte e usá-lo como plataforma de desenvolvimento para seus carros, o controle de informações e circulação começou a caminhar para o que a Fórmula 1 acabou se tornando.

E esse é um fenômeno difícil de conter, como Lucas Di Grassi, que está na F-E desde seu nascimento, afirmou à reportagem. “Quando o custo unitário de uso por quilômetro caiu e começou a ficar perto do carro com motor a combustão, os governos começaram a pressionar porque o carro elétrico é muito melhor, não apenas pela questão da emissão de CO2 e do aquecimento global, mas principalmente pelo nível de emissão dentro das cidades. E as montadoras começaram a ver também que esse era o caminho e chegamos a esse momento em que temos mais montadoras na F-E do que a soma da F-1, Nascar e Indy. É interessante o quão rápido foi essa mudança. Ninguém esperava que fosse tão rápido.”

Apesar dos tempos de maior acessibilidade de uma categoria nova parecerem estar contados, pelo menos uma característica a F-E nunca vai perder -para o bem ou para o mal, dependendo do ponto de vista. “Fui no GP de Mônaco da F-1 e nunca mais voltei porque foi horrível, era muito barulho”, revelou a atriz Elizabeth Hurley, convidada na etapa do Marrocos. “Não sabia o que esperar porque não me interesso nem um pouco em carros, mas só de não ter o barulho já é bem melhor.”

O e-Prix de Marrakesh foi vencido por Jerome D’Ambrosio, que lidera a temporada depois de duas etapas. A corrida não foi boa para os brasileiros: Lucas Di Grassi foi o 7º, Nelsinho Piquet, o 14º, e Felipe Massa, 18º, o último colocado. Com informações da Folhapress.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

MAIS LIDAS - 24 HRS