Fique Conectado

POLÍTICA

Mourão expõe embate entre militares e Onyx

Vice-presidente eleito diz que futuro chefe da Casa Civil deverá deixar governo se for comprovado que ele cometeu “ilicitude”

Publicado

em

FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

As divergências na equipe de transição do governo Jair Bolsonaro ficaram mais evidentes nesta quarta-feira (5/12), quando o general Hamilton Mourão, vice-presidente eleito, expôs o embate entre o grupo de militares da nova administração e o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS). Nos bastidores, há uma disputa pelo comando da coordenação de governo e reclamações sobre a forma como Onyx tem buscado protagonismo.

Em Belo Horizonte, onde esteve para participar de um encontro com empresários, Mourão disse que, se forem encontradas irregularidades na investigação aberta contra Onyx, ele terá de deixar o governo.

Relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Edson Fachin atendeu a pedido da Procuradoria-Geral da República e determinou a abertura de petição autônoma (fase anterior ao inquérito) para apurar denúncias de pagamentos de caixa 2 da J&F ao deputado Onyx nas campanhas de 2012 e 2014. “Uma vez que seja comprovado que houve ilicitude, é óbvio que terá que se retirar do governo. Mas, por enquanto, é uma investigação”, afirmou Mourão.

As declarações do general esquentaram ainda mais o clima com Onyx, que nega as acusações e chegou a dizer que a investigação era uma “bênção” para que o caso fosse esclarecido.

Em Brasília, questionado sobre as afirmações de Mourão, Bolsonaro titubeou antes de responder. “Em havendo qualquer comprovação de uma denúncia robusta, contra quem quer que esteja no governo, ao alcance da minha caneta BIC, ela será usada”, disse o presidente eleito.

Na prática, há uma avaliação do núcleo militar – hoje com sete integrantes indicados para o primeiro escalão – de que será impossível Onyx conduzir negociações com o Congresso e ainda acumular a coordenação da equipe ministerial. Essa constatação se baseia no fato de as duas tarefas exigirem muito trabalho e dedicação para ficarem sob a responsabilidade de um só ministro.

A ideia da criação de um centro de monitoramento do governo, que seria chefiado por Mourão, foi deixada de lado. Ninguém, no entanto, arrisca um palpite sobre quanto tempo durará a decisão, já que os anúncios dos últimos dias sobre a configuração da Esplanada foram marcados por idas e vindas.

O novo embate no núcleo da transição é para que o controle das ações administrativas fique com a Secretaria de Governo, nas mãos do general Carlos Alberto dos Santos Cruz, designado para fazer a interlocução com Estados e municípios, além de cuidar do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Nesta semana, porém, o próprio Onyx assegurou que a coordenação de governo permaneceria na Casa Civil.

Mourão afirmou nesta quarta-feira que ao menos parte da articulação política do Palácio do Planalto poderá ficar sob comando dos militares. O vice disse que ele mesmo poderá participar, assim como Santos Cruz, e repetiu que será “o escudo e a espada” de Bolsonaro. “O escudo defende e a espada ataca antes de ele ser atacado”, comparou.

Problemas

O desgaste de Onyx também é sentido no Congresso, onde, a portas fechadas, dirigentes de vários partidos dizem que o futuro chefe da Casa Civil não tem jogo de cintura política. Insatisfeitos, integrantes de siglas como PP, PTB, Solidariedade, PRB, PSDB, PSB e até o DEM agem para formar um bloco que dê as cartas do poder na Câmara, a partir de 2019, isolando o PSL de Bolsonaro. O grupo defende a recondução de Rodrigo Maia à presidência da Casa.

O modelo de articulação política previsto por Onyx terá a colaboração de políticos que não se elegeram neste ano. Já foram convidados para a tarefa o candidato derrotado ao governo do Espírito Santo Carlos Manato (PSL) e os deputados não reeleitos Leonardo Quintão (MDB-MG), Danilo Forte (PSDB-CE), Walter Ihoshi (PSD-SP), Milton Monti (PR-SP) e Marcelo Delaroli (PR-RJ). Após encontro com Bolsonaro, ontem, a bancada do PR anunciou que integrará oficialmente a base do futuro governo.

A escolha de Danilo Forte para fazer a “ponte” com o Nordeste, por exemplo, já provoca críticas. Políticos de Pernambuco se queixam da falta de nomes do Estado na equipe. O fato de Bolsonaro não ter chamado o deputado Mendonça Filho (DEM-PE) para nenhum cargo também causou contrariedade em políticos pernambucanos e é atribuído a uma rusga que Onyx teria com ele. Mendonça Filho foi ministro da Educação no governo de Michel Temer, concorreu ao Senado, mas não se elegeu. Ontem à noite, porém, o ex-governador do Estado Joaquim Francisco (PSDB) foi convidado para fazer parte da equipe de transição.

Procurado, Onyx não se manifestou.

Deixe sua opinião

Fonte: METRÓPOLES

POLÍTICA

Onyx tatuou versículo bíblico para não esquecer do “erro” com caixa 2

Publicado

em

REPRODUÇÃO/TV BAND

O futuro chefe da Casa Civil do governo de Jair Bolsonaro, Onyx Lorenzoni, contou, em entrevista ao Canal Livre, da Band, que mandou tatuar no braço o versículo bíblico (João 8:32): “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” Ele explicou ter feito a tatuagem para se lembrar que errou ao ter aceitado caixa dois em sua campanha.

“Eu fiz isso para que eu nunca mais erre. Isso é para me lembrar do dia em que eu errei”, explicou. “Isso é pra mim, não é para sair por aí mostrando”, disse ele, enquanto exibia a inscrição gravada no corpo.

Onyx contou que a tatuagem foi feita em 2016, quando foram divulgadas as notícias de que havia recebido R$ 100 mil, por fora, na campanha para deputado em 2014. Onyx também enfrenta outra investigação: a de também ter recebido caixa dois de R$ 100 mil da JBS, em 2012.

“Quando isso aconteceu, eu sofri muito por isso. Para quem tem a vida que eu tenho, foi muito doloroso. É muito difícil alguém reconhecer publicamente um erro. Mas, dentro do que eu acredito, eu teria que fazer isso. Depois que eu fiz e pude me sentir em paz, eu fiz uma coisa aqui”, disse Onyx, arregaçando a manga do paletó e mostrando a tatuagem.

Na entrevista, Onyx nega que houve, de sua parte, um ato de corrupção. “Respeito quem não tem fé, mas eu sou um cara de fé. então, para mim, o mais importante era eu me resolver com o meu Deus. Pode olhar nos meus olhos, aqui tem a verdade. Eu nunca temi a verdade”, disse o ministro da transição.

“Eu tenho 24 anos de vida pública sem um arranhão”, disse Onyx, que não considerou seu aoto como “corrupção”. Segundo ele, não houve dolo.

Transação atípica

O versículo tatuado por Onyx é usado pelo presidente eleito em várias entrevistas. Ao comentar a movimentação suspeita de R$ 1,2 milhão na conta do ex-motorista do senador eleitor Flávio Bolsonaro, o futuro chefe da Casa Civil defendeu investigações mas disse que há muito barulho em torno do assunto.

Desta movimentação, um cheque de R$ 24 mil foi dado para a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

“O funcionário é lá do gabinete do filho. Certo, é o filho do presidente. Agora, há um certo estardalhaço para além do que eu acho que é necessário ser feito. E há sempre uma tentativa de desagastar a imagem do presidente eleito.”

Deixe sua opinião

Continue Lendo

Crise na Saúde

Mulher dá à luz no chão da recepção de hospital no RJ

Publicado

em

Uma mulher, identificada como Paula, deu à luz a uma menina no chão da emergência do Hospital Pedro II, em Santa Cruz, Zona Oeste do Rio de Janeiro, na madrugada desta segunda-feira (10), segundo informações do G1. Um vídeo circula nas redes sociais com imagens do momento.

No vídeo, a mulher aparece sentada no piso do hospital, já com a filha no colo e tentando fazê-la chorar. Só depois de alguns segundos, já após o nascimento do bebê, aparece uma enfermeira para ajudar.

O G1 apurou que ninguém atendeu a paciente quando ela se apresentou na recepção e que muitos funcionários faltaram no turno da madrugada. A Secretaria Municipal de Saúde, ao ser informada sobre o caso, afirmou que vai apurar.

Paula, a mulher do vídeo, deu o nome de Vitória para a filha por ela demorar a chorar no hospital.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

LUIS CLÁUDIO

Processo contra filho de Lula recebe mais documentos da Odebrecht

Publicado

em

O processo envolvendo a relação entre a Odebrecht e o filho caçula do ex-presidente Lula, Luís Claudio Lula da Silva, recebeu novos documentos enviados por representantes de Marcelo Odebrecht.

O material, segundo a Folha de S. Paulo, é composto por e-mails que reforçariam informações já fornecidas durante a delação de Alexandrino Alencar, ex-executivo da empresa.

Alencar afirmou às autoridades que Lula pediu à Odebrecht uma ajuda para que seu filho engrenasse na carreira empresarial. A empreiteira, então, teria contratado um profissional para ajudar Luís Cláudio a implementar um torneio de futebol americano por meio da empresa Touchdown Promoções e Eventos Esportivos. Teria, ainda, contratado um grupo de comunicação para trabalhar o marketing do evento.

Ainda de acordo com a Folha, a defesa do filho de Lula alega possuir documentos que mostram que o pagamento à empresa de comunicação teria sido feito por Luís Cláudio e não pela empreiteira.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

RIO DE JANEIRO

Caminhoneiros iniciam paralisação e interrompem Via Dutra

Publicado

em

DIVULGAÇÃO PRF

Caminhoneiros fazem protestos na Rodovia Presidente Dutra, na altura da cidade de Barra Mansa, no sul do Estado do Rio de Janeiro. O protesto causa congestionamento entre os quilômetros 279 e 275, no sentido da capital fluminense. De acordo com a CCR, os motoristas não deixam passar caminhões e carretas, mas liberam o tráfego para veículos leves e ônibus. O tráfego flui apenas pela faixa da esquerda.

Mais cedo, foi registrado também protesto em Pindamonhangaba. Segundo a CCR, que administra a Dutra, não há mais foco de protesto.

Na última quinta-feira (6/12), uma decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), proibiu a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) de multar os transportadores que não seguirem a tabela de fretes, principal reivindicação dos caminhoneiros durante a paralisação.

A decisão é de caráter liminar e a proibição vigora até que o plenário do STF analise o caso. O ação contra as multas foi movida pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Já durante a madrugada, um grupo de caminhoneiros ocupou a rotatória da Avenida Augusto Barata, que dá acesso ao Porto de Santos.

Conforme a Polícia Militar, que acompanha a mobilização, o protesto é contra a proibição de multas ao transportador que não seguir a tabela de fretes, estabelecida pelo governo federal após a greve dos caminhoneiros, em maio deste ano.

Os motoristas começaram a parar nos acessos aos terminais portuários no início da madrugada. Os caminhoneiros que chegavam com cargas eram abordados e convidados a aderir à manifestação, deixando de acessar os terminais de descarga.

Conforme a PM, a mobilização seguia pacífica no início da manhã. O número de caminhoneiros parados não foi estimado pela polícia, mas a administradora do Porto de Santos informou que o grupo tinha entre 15 e 20 caminhoneiros.

Segundo a empresa, a manifestação teve início por volta das 03h30 e terminou às 07h20. O local foi liberado e o tráfego flui normalmente na região.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

MAIS LIDAS - 24 HRS

error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998