Fique Conectado

PROTESTOS

Governo francês promete congelar aumento do combustível até fim de 2019

Na véspera, o primeiro-ministro, Edouard Philippe, havia anunciado a suspensão do aumento do imposto por seis meses, ou seja, até junho do ano que vem

Publicado

em

© Stephane Mahe/Reuters

O governo da França cedeu mais uma vez e, na noite desta quarta-feira (5), anunciou ter estendido por todo o ano de 2019 a promessa de não reajustar a taxa sobre combustíveis que está na raiz de uma onda de protestos com adesão maciça da população nas últimas semanas.

Na véspera, o primeiro-ministro, Edouard Philippe, havia anunciado a suspensão do aumento do imposto por seis meses, ou seja, até junho do ano que vem.

Não foi suficiente para apaziguar o movimento dos “coletes amarelos” (nome que alude ao acessório usado pelos manifestantes e que a lei obriga todo motorista francês a ter no carro).

Alguns representantes do grupo, que não possui líderes incontestes e se constituiu longe do guarda-chuva de sindicatos e partidos, haviam chamado a moratória de um semestre de migalha e passos de formiga -queixas ecoadas, não sem oportunismo, pelos chefes de fileira da oposição, que defendiam a revogação definitiva da alta da tarifa.

O governo ainda tentará “salvar” a medida durante negociações com administradores locais, associações e os próprios “coletes amarelos” nos próximos meses. O plano inicial era que o novo valor da taxa ajudasse a financiar a transição energética do país para fontes mais limpas.

O recuo de terça marcou a primeira vez que a gestão Emmanuel Macron, iniciada em maio de 2017, curvou-se a protestos e mobilizações populares. Antes, o presidente conseguira aprovar mudanças na legislação trabalhista e no sistema de transporte ferroviário fazendo ouvidos moucos a opositores das medidas. Agora, a paciência dos franceses com aquele que muitos consideram um chefe de Estado arrogante e elitista parece ter chegado ao fim.

O pacote anunciado na terça por Philippe inclui também o congelamento temporário das tarifas de luz e gás e o abandono provisório do novo formato das vistorias veiculares (que ficariam mais severas).

Nada foi divulgado, entretanto, para contemplar outros itens-chave da cada vez mais extensa lista de reivindicações dos “coletes amarelos”, como os pedidos de aumento do salário mínimo (hoje fixado em 1.500 euros) e de revisão da tributação de aposentadorias.

Na quarta, em reunião com seu gabinete, Macron repetiu que não vai reconsiderar a decisão de extinguir o imposto sobre fortunas, uma de suas primeiras como presidente e que a imprensa local vem chamando por estes dias de “pecado original” do mandatário.

Se as cenas de vandalismo e caos vistas no último sábado (1º) no entorno do Arco do Triunfo (e no interior do próprio monumento) se repetirem na quarta jornada de atos, convocada para o próximo fim de semana, ele talvez se veja sem outra opção. Com informações da Folhapress.

Deixe sua opinião

Fonte: NOTÍCIAS AO MINUTO

'COLETES AMARELOS'

França pede a Trump para não se intrometer em assuntos do país

Publicado

em

© Zoubeir Souissi / Reuters

Os serviços de inteligência da França investigam suspeitas de ingerência estrangeira nos protestos do movimento dos “coletes amarelos”, que já parou inúmeras cidades do país para criticar as políticas do presidente Emmanuel Macron.

Segundo informações da imprensa local, o inquérito é conduzido pelo Secretariado-Geral da Defesa e da Segurança Nacional (SGDSN) e apura o papel de perfis ligados a outros países nas redes sociais em tentar amplificar a mobilização popular.

Contas e sites criados para esse fim teriam multiplicado informações e comentários de modo automático, tática já vista em processos eleitorais nos EUA, na Europa e até no Brasil. Os “coletes amarelos” surgiram em protesto contra a alta do preço dos combustíveis, mas logo abarcaram toda a insatisfação social com Macron, que vem batendo recordes negativos de popularidade.

Neste domingo (9), o governo francês também criticou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e pediu para ele não se intrometer em assuntos de outro país. “Eu digo a Donald Trump, mas também Macron diz: Nós não nos metemos nos debates americanos, então nos deixe viver nossa vida de nação”, afirmou o ministro das Relações Exteriores Jean-Yves Le Drian.

“Nós não fazemos considerações sobre a política interna americana e gostaríamos que isso fosse recíproco”, acrescentou. Um dia antes, durante os atos dos “coletes amarelos”, o republicano havia criticado as políticas ambientais da França e dito que os manifestantes gritavam “Queremos Trump!”. (ANSA)

Deixe sua opinião

Continue Lendo

PUBLICIDADE

Funcionário clica em tecla errada e obriga Google a pagar milhões

Publicado

em

Um funcionário da Google cometeu um erro durante um exercício de formação em mercados eletrônicos: clicou na tecla errada. Numa empresa normal, geraria um transtorno fácil de ser revertido. No Google, no entanto, resultará no pagamento de milhões de dólares.

Aquele “pequeno” erro, explica o Financial Times, fez com que, na última terça-feira, um anúncio falso fosse enviado para várias páginas de internet e aplicações.

O anúncio fictício, um retângulo amarelo, ficou disponível durante 45 minutos para internautas dos Estados Unidos e da Austrália.

A empresa, admitindo o erro, anunciou que “qualquer anúncio que tenha sido comprado” e prejudicado pela publicação deste será ressarcido.

Ainda que não tenham falado em valores, analistas financeiros ouvidos pela publicação indicam que um erro deste gênero poderá chegar aos 10 milhões de dólares de prejuízos, dada a dimensão do público alcançado.

O erro aconteceu porque o funcionário em causa deu um passo além do que estava incluído na sua formação. Ainda assim, será responsabilidade da empresa assegurar que este tipo de erro não ocorrerá de novo em exercícios de formação.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

De Três Lagoas

Corpo de brasileira desaparecida é encontrado em praia na Austrália

Publicado

em

corpo da brasileira Criskeila Veloso Gomes, de 21 anos, foi encontrado neste sábado (8), na praia de Queensland, próxima a Brisbane, cidade em que a brasileira morava na Austrália. A jovem estava desaparecida desde o dia 28 de novembro.

A família confirmou ao G1 que recebeu a notícia das autoridades australianas. O consulado brasileiro em Brisbane também confirmou que o corpo de Criskeila foi encontrado.

Segundo informou a família da vítima, que vivem na cidade de Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul, o corpo foi encontrado embaixo de uma árvore em posição sentada. As autoridades locais ainda não divulgaram a causa da morte.

Ainda segundo a família da vítima, na segunda-feira(10), será realizada uma necrópsia para verificar a causa da morte e confirmar a identidade da jovem pela arcada dentária.

Relembre o casoA brasileira Criskeila Veloso Gomes, de 21 anos, desapareceu na quarta-feira (28). Segundo o jornal “O Globo”. Ela morava na cidade de Brisbane, no estado de Queensland, costa leste da Austrália, era funcionária de um frigorífico e morava com o namorado australiano.

Criskeila mora na Austrália há dez anos, quando emigrou com a família, que voltou para o Brasil há pouco mais de um ano. Ela tem um irmão que mora na mesma cidade, com quem tinha combinado um almoço antes de desaparecer para comemorar o recém conquistado visto permanente no país.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

SUPERLOTAÇÃO

Boate onde seis morreram na Itália estava 60% acima da capacidade

Publicado

em

© Reuters

A chefe do Ministério Público de Ancona, Monica Garulli, revelou que 1,4 mil ingressos haviam sido vendidos para o show do rapper Sfera Ebbasta na discoteca “La Lanterna Azzurra”, cuja capacidade é de cerca de 870 pessoas. O número de entradas comercializadas é 60% maior que o permitido.

Cinco adolescentes e uma mãe morreram e mais de 100 indivíduos ficaram feridos em uma confusão supostamente provocada por spray de pimenta na madrugada deste sábado (8). Ainda não se sabe exatamente quantas pessoas estavam na boate no momento do show, mas o número de ingressos vendidos e relatos de testemunhas levantam a hipótese de superlotação.

“Os bilhetes vendidos são cerca de 1,4 mil, frente a uma capacidade de cerca de 870 pessoas”, declarou Garulli, que também investiga a causa “geradora da onda de pânico que levou centenas de jovens a tentar sair da discoteca”. “Falou-se de um recipiente de spray urticante”, disse. (ANSA)

Deixe sua opinião

Continue Lendo

MAIS LIDAS - 24 HRS

error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998