CONECTE CONOSCO

CHINA

Cão espera quase três meses em estrada onde a dona morreu

As imagens se tornaram virais nas redes sociais

Publicado em

© Reprodução/ Pear


Um cão leal à sua companheira humana esperou que esta aparecesse durante mais de 80 dias numa estrada movimentada na Mongólia Interior, uma região autônoma da China.

As imagens do animal sentado à espera já foram vistas milhões de vezes e têm conquistado o coração dos utilizadores.

Segundo testemunhas, citadas pela BBC, o animal tem sido visto todos os dias no mesmo local desde o dia em que a dona morreu, a 21 de agosto. De acordo com um taxista, as pessoas tentam ajudá-lo, mas ele acaba sempre por fugir.

“Os condutores por vezes tentam lhe dar pequenas porções de comida de cão, mas quando saem do carro, ele foge”, explicou, acrescentando que a “ligação entre a dona e o cão era muito profunda. Depois de ter morrido, o pequeno cão tem ficado de guarda à sua espera”.

O vídeo foi feito no dia 10 de novembro e desde então tem corrido a internet. Este não é o primeiro caso do gênero que conquista a web. No início deste ano, um cão mais idoso esperava todos os dias pacientemente numa estação de comboio que o dono voltasse do trabalho.

Assista:

Deixe sua opinião

Fonte: Noticias ao Minuto
Anunciante

TERRORISMO

Sobe para 359 o número de mortos em atentados no Sri Lanka

Primeiros elementos da investigação apontam para represálias pelo massacre em duas mesquitas na Nova Zelândia, diz vice-ministro da Defesa.

Publicado em

Imagem mostra suspeito de provocar a explosão na Igreja de São Sebastião em Negombo, no Sri Lanka, no domingo (21) — Foto: CCTV / Siyatha News via Reuters

O número de mortos na série de ataques no domingo de Páscoa (21) no Sri Lanka contra igrejas e hotéis de luxo, subiu nesta quarta-feira (24) para 359, segundo informações divulgadas por fontes oficiais.

O número de mortos passou de 321 para 359 nas últimas 24 horas, depois que vários dos mais de 500 feridos morreram, informou o vice-ministro da Defesa, Ruwan Wijewardene.

Investigação
Os primeiros elementos da investigação sobre os atentados apontam para represálias pelo massacre em duas mesquitas na Nova Zelândia, informou Ruwan Wijewardene. O Estado Islâmico reivindicou a autoria dos ataques.

“As investigações preliminares revelaram que o que ocorreu no Sri Lanka foi em represália aos ataques contra os muçulmanos de Christchurch”, afirmou o ministro. Porém, Wijewardene não deu mais detalhes.

Em 15 de março, um homem fortemente armado invadiu duas mesquitas na Nova Zelândia, deixando 50 mortos.

Quarenta suspeitos de ter alguma relação com o ataque de domingo foram detidos, mas nem todos os suspeitos foram identificados. O Estado Islâmico, embora tenha reivindicado a autoria da ação, não apresentou provas de que os terroristas mantinham algum vínculo direto com o grupo radical. Por isso, a declaração deve ser vista com cautela.

Porém, o premiê do Sri Lanka, Ranil Wickremesinghe, não descarta que o ataque tenha conexão com o grupo terrorista.

O governo atribui os atentados à organização radical islâmica National Thowheeth Jama’ath (NTJ). Anteriormente, o ministro da Defesa já tinha afirmado que investigações indicavam que o grupo tem vínculos com o relativamente desconhecido movimento islâmico radical na Índia, o JMI (Jamaat-ul-Mujahideen India).

As autoridades têm poucas informações sobre o JMI, exceto alguns dados revelados ano passado e que está ligado a um grupo de nome similar em Bangladesh.

O governo afirmou que pediu ajuda externa para rastrear ligações internacionais e a Interpol já anunciou que vai enviar uma equipe ao país asiático.

O FBI, serviço de inteligência da polícia dos EUA, vai dar apoio às autoridades de Sri Lanka nas investigações.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

Mundo animal

Crustáceos gigantes devoram Jacarés no mar; Vídeo

Publicado em

Um grupo de Pesquisadores do Consórcio Marinho das Universidades de Louisiana lançou ao mar um corpo de um jacaré para descobrir o que se alimentaria dele primeiro. Em apenas 24 horas, os invertebrados Bathynomus giganteus devoraram o corpo do jacaré e ficaram imóveis após o “banquete”.

As imagens chocaram os pesquisadores devido à rapidez dos animais em encontrar o alimento. “Pensei que levaria certo tempo para que eles adquirissem pistas químicas que os permitiriam localizar a queda de comida ”, relatou no vídeo, Craig McClain, cientista do projeto.

Alguns grupos desses crustáceos devoradores tem uma origem antiga nos fundos dos mares, datada entre 200 a 300 mil anos atrás. Esses animais conseguem ficar sem comida por meses, até mesmo por anos.

Sempre que o corpo de uma baleia ou de um peixe afunda ele serve de alimento para os  crustáceos da espécie Bathynomus giganteus. Eles ficam escondidos abaixo da superfície oceânica, procurando por alimento, mesmo que das carcaças dos animais.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

Pena

Casal vive em plataforma no mar da Tailândia e pode ser condenado à prisão perpétua

Publicado em

Um americano e sua namorada tailandesa podem receber uma condenação de prisão perpétua ou até mesmo pena de morte por terem construído uma casa em águas da Tailândia. A ação, segundo a Marinha do país asiático, ameaça a segurança nacional. As informações são da BBC.

A plataforma em que Chad Elwartowski e Supranee Thepdet vivem foi erguida a 19 quilômetros da costa de Phuket, uma ilha tailandesa, e ocupa cerca de 20 metros quadrados. Desde que a ação foi deflagrada por autoridades tailandesas, o casal passou a se esconder dentro da estrutura metálica.

Ealwartowski afirma que a casa está fora da jurisdição da Tailândia e em águas internacionais por conta da distância da costa. A Marinha local, no entanto, discorda e argumenta que a plataforma foi construída sem permissão. Se o casal foi considerado culpado, pode enfrentar prisão perpétua ou pena de morte.

Os dois acusados pertencem a um movimento chamado “seasteading”, que promove a construção de habitações permanentes no mar, em águas internacionais, para que as pessoas não precisem se sujeitar a nenhuma lei. Em entrevista à AFP, Chad Elwartwoski afirmou que ele e a namorada estão escondidos em um local seguro até a situação ser esclarecida.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

Congo

A comovente história da selfie com os gorilas que ficam de pé

Por trás de imagem que viralizou, estão primatas que gostam de 'imitar' seus protetores - guardas florestais que os resgataram quando perderam suas mães, ainda bebês.

Publicado em

Gorilas posam com guardas florestais do parque Virunga na República Democrática do Congo — Foto: Facebook/Virunga National Park

Dois gorilas foram fotografados posando para uma selfie com os guardas florestais que os resgataram quando bebês.

A imagem foi feita no orfanato de gorilas Virunga National Park, na República Democrática do Congo, onde os animais foram criados depois que seus pais foram mortos por caçadores.

O diretor do parque, Innocent Mburanumwe, disse à BBC Newsday que os dois animais aprenderam a imitar seus protetores, que cuidaram deles desde o resgate.

Segundo Mburanumwe, os gorilas encaram os dois guardas florestais como seus pais. O diretor do parque contou que as mães dos gorilas foram mortas no mesmo mês, em julho de 2007. Um dos filhotes tinha dois meses e o outro, quatro meses.

Eles foram encontrados e levados ao Santuário Senkwekwe, em Virunga, onde têm vivido desde então.

Mburanumwe explica que, como os dois gorilas conviveram durante toda a infância com os guardas que os resgataram, passaram a “imitar os humanos”- ficar de pé, sobre as duas pernas, é uma forma de imitar o comportamento dos seres humanos.

“Mas isso não é comum. Eu fiquei muito surpreso quando vi. É engraçado e curioso ver um gorila imitando um ser humano, ficando de pé assim”, disse.

Ser um guarda florestal, no entanto, nem sempre é divertido e recompensador. Às vezes chega a ser um trabalho perigoso.

Cinco guardas foram mortos no Virunga National Park no ano passado, numa emboscada de rebeldes. E, desde 1996, houve 130 assassinatos de guardas florestais em Virunga.

O leste do Congo é alvo de conflitos entre forças do governo e diferentes grupos armados. Alguns desses grupos ocupam áreas do parque florestal e praticam caça ilegal de animais. Por isso, é comum que entrem em confronto com quem trabalha protegendo os animais selvagens que vivem no local.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

©2018 Regional Press- Direitos Reservados | Vamos fazer um site? Logo RC Criativa