Fique Conectado

ELEIÇÕES 2018

Incomodado com Mourão, partido de Bolsonaro quer púlpito vazio

O PSL não aprova a tentativa do vice da chapa de substituir o candidato nos debates

Publicado

em

© Exército Brasileiro/Divulgação
Anunciante

O PSL está em choque com a tentativa do general Mourão (PRTB), vice na chapa de Jair Bolsonaro, de substituir o capitão reformado nos debates.

De acordo com a coluna Painel, da Folha de S.Paulo, a cúpula do partido desaprova a participação do vice nos debates e quer manter o púlpito do candidato da sigla vazio, a fim de lembrar aos eleitores que ele foi vítima de um ataque a faca.

AnuncianteClínica Fornari

Vale lembrar que o estado de saúde de Bolsonaro ainda é grave. Na noite desta quarta (12), ele foi submetido a uma nova cirurgia.

Deixe sua opinião

NOTÍCIAS AO MINUTO

ENTREVISTA

‘Nem a pau, diz Ciro sobre apoio a Haddad em eventual 2º turno

Publicado

em

© REUTERS

O presidenciável do PDT, Ciro Gomes, rebateu durante entrevista à rádio CBN nesta quarta-feira (19) a declaração do candidato Fernando Haddad (PT), dada no dia anterior à mesma emissora, de que tinha certeza que seria apoiado pelo pedetista no segundo turno das eleições.

“Nem a pau, Juvenal. Eu não cedo a instituto de pesquisa a minha responsabilidade com o meu país”, disse Ciro ao ser questionado se já pensa na possibilidade.

AnuncianteClínica Fornari

O candidato afirmou que a declaração de Haddad era uma “amostra de inexperiência e arrogância” do petista e seu partido. Ciro citou ainda a possibilidade de derrota do ex-prefeito de São Paulo para Jair Bolsonaro (PSL) em um eventual segundo turno, uma vez que a pesquisa Ibope divulgada nesta terça (18) mostra os dois candidatos empatados com 40 pontos percentuais nesse cenário.

“Ele está se precipitando como uma demonstração a mais de inexperiência e arrogância. A ‘petezada’ costuma cultivar uma certa arrogância, uma certa superioridade, que não sei de onde tiraram isso. Ele já se acha vitorioso, já se acha no segundo turno e sabe que é o candidato marcado para perder”, completou.

O pedetista também disse que é “diferente em tudo” de Haddad. Ele afirmou que o candidato petista continuará atendendo aos interesses do mercado e que está fazendo uma nova versão da “Carta ao povo brasileiro”, a exemplo de Lula, mas “agora em parágrafos”.

ADOÇÃO E ABORTO

Na entrevista, Ciro se recusou a responder de forma breve se é contra ou a favor da adoção de crianças por casais homossexuais e da legalização do aborto em qualquer situação.

No chamado “pinga-fogo”, rodada com perguntas e respostas objetivas que encerra a entrevista, o pedetista se estendeu ao explicar porque é contra o financiamento público de campanha e da prisão após condenação em segunda instância.

O candidato começou a responder sobre adoção de crianças por homossexuais dizendo “acho que toda forma de amor é…”, quando foi interrompido pelo locutor, que lhe pediu para responder apenas com “sim ou não” ou não haveria tempo suficiente. O pedetista, então, disse “não quero responder”, mesma resposta dada ao ser questionado sobre aborto.

Ciro se declarou contra a taxação de igrejas, a intervenção militar no Rio de Janeiro e foro especial para políticos. Ele também disse vai reduzir o número de ministérios se eleito. Com informações da Folhapress.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

CANDIDATO

Amoêdo defende mudança de prioridades no ensino: ‘Investir mais em educação básica’

Publicado

em

FOTO: Marcos Nagelstein/Agência Preview

O candidato do Partido Novo à Presidência da República, João Amoêdo, disse nesta segunda-feira (17) que pretende melhorar a educação atuando em três frentes: inversão da prioridade dos recursos, com maior investimento no ensino de base; melhora na gestão das escolas e valorização dos professores.

“Hoje (a prioridade de recursos) está muito no ensino superior, e a gente gostaria de colocar mais no ensino básico e fundamental. Uma segunda coisa é melhorar a gestão das escolas. O governo coloca mais dinheiro, e os resultados tem sido piores. Tem que acabar com indicação política. E, terceiro, valorizar mais a profissão do professor, melhorar o currículo.”

AnuncianteClínica Fornari

Em agenda de campanha na cidade de Campinas, interior de São Paulo, o presidenciável se reuniu com apoiadores para discutir temas e propostas de campanha.

Entre as propostas para a Saúde, o presidenciável defendeu a substituição de indicações políticas por técnicas como forma de melhorar a gestão da área.

“E mais uso de tecnologia. Dá para fazer mais com menos. (Investir em) Telemedicina, marcação de consultas online, prontuário eletrônico… Isso tudo vai economizar custo, tempo do paciente e melhorar a qualificação na saúde.”

‘Voto da esperança’
Questionado se já havia uma definição sobre apoio a outros candidatos em eventual 2º turno, Amoêdo rechaçou a possibilidade e disse que trabalha para avançar nas eleições presidenciais como “uma opção diferente da velha política que está aí”.

“A gente está trabalhando para estar no segundo turno. Acho que tudo o que a população não quer é uma polarização. A gente precisa reconstruir a nossa nação. A sociedade brasileira foi muito dividida, e temos que sair dos extremos. Fazer o voto da esperança, não do medo, que é o que está dominando os debates.”

Governo de SP
Entre os integrantes do Partido Novo presentes no evento em Campinas estava o candidato ao governo de São Paulo, Rogerio Chequer. Ele abordou temas como a retomada econômica com apoio da iniciativa privada e ampliação da oferta de escolas de ensino integral no estado.

“O serviço básico a gente consegue melhorar alavancando o orçamento com a iniciativa privada, através de licitações bem feitas, sem politicagem, sem interferência de partidos, e sem nomeação de cargos para pagamento de dívidas eleitorais”, disse.

Sobre a educação, Chequer defendeu a valorização do professor e o aumento de unidades que ofereçam o ensino integral.

“São escolas que comprovadamente tem aproveitamento melhor de alunos, salário melhor de professores, e permitem aos pais que deixem suas crianças mais tempo nas escolas e possam trabalhar com tranqullidade”.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

acidentes

Brasil reduz mortes no trânsito, mas está longe da meta para 2020

Publicado

em

As mortes por acidentes de trânsito no país estão em queda. Um levantamento inédito do Ministério da Saúde divulgado nesta terça-feira (18), que marca o início da Semana Nacional do Trânsito, aponta que, em seis anos, houve uma redução de 27,4% dos óbitos nas capitais do país.

Em 2010, foram registrados 7.952 óbitos, contra 5.773 em 2016, o que representa uma diminuição de 2,1 mil mortes no período. Apesar da redução, o país segue longe da meta estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU), que prevê redução de 50% no número de vítimas em 10 anos, contados a partir de 2011.

AnuncianteClínica Fornari

Além disso, considerando todas as cidades do Brasil, não apenas as capitais, foram registradas 37.345 mortes de trânsito em 2016, que é o último ano com dados disponíveis no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde.

O número é 14,8% menor do que o registrado, por exemplo, em 2014, quando ocorreram 43.870 óbitos no trânsito brasileiro. A meta do país, em 2020, é não ultrapassar o número de 19 mil vítimas fatais por ano.

“Esse número de 37 mil vidas perdidas em acidentes por ano é superior à população de muitas cidades brasileiras. Infelizmente, quando boa parte da população pensa em trânsito, o que vem à mente são os congestionamentos e chamada indústria da multa, mas o que temos é uma indústria da dor e da morte”, afirma Renato Campestrini, advogado, especialista em trânsito e gerente técnico do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV).

Além das mortes, 600 mil pessoas ficam com sequelas permanentes todos os anos em decorrência de acidentes de trânsito.

Relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostra que o Brasil aparece em quinto lugar entre os países recordistas em mortes no trânsito, atrás somente da Índia, China, Estados Unidos e Rússia.

Além desses, Irã, México, Indonésia, África do Sul e Egito estão entre os países de trânsito mais violento do planeta. Juntas, essas dez nações são responsáveis por 62% das 1,2 milhão de mortes por acidente no trânsito que ocorrem no mundo todos os anos. Além dos mortos, acidentes de trânsito resultam em mais de 50 milhões de feridos a cada ano.

No Brasil, mais de 60% dos leitos hospitalares do Sistema Único de Saúde (SUS) são ocupados por vítimas por acidente de trânsito. Nos centros cirúrgicos do país, 50% da ocupação também são por vítimas de acidentes rodoviários. Segundo o Observatório de Segurança Viária, os acidentes no trânsito resultam em custos anuais de R$ 52 bilhões.

Dez anos da Lei Seca

A redução dos óbitos pode estar relacionada às ações de fiscalização após a Lei Seca, que neste ano completou 10 anos de vigência. Além de mudar os hábitos dos brasileiros, a lei trouxe um maior rigor na punição e no bolso de quem a desobedece, com regras mais severas para quem misturar bebida com direção.

A diretora do Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde do Ministério da Saúde, Maria de Fátima Marinho, avalia que a diminuição das mortes no trânsito mostra que o brasileiro tem mudado, aos poucos, as atitudes, prezando cada vez mais pela segurança.

“Houve um aprimoramento da legislação, aumento na fiscalização e alguns programas estratégicos, como o Vida no Trânsito. No entanto, o número de óbitos e internações ainda preocupa, especialmente os de motociclistas. Precisamos avançar na mobilidade segura para reduzir esses números”, enfatizou Maria de Fátima Marinho.

Fiscalização reduz mortes

Um estudo recente do Observatório de Segurança Viária mostrou que só há eficácia da Lei Seca nos estados que realizam o maior número de blitz de fiscalização.

No Brasil, a taxa média nacional de fiscalização é de um em cada 500 veículos da frota total do país, enquanto em países como Portugal e Espanha, essa média é de um a cada cinco veículos da frota. Na França, essa taxa é ainda melhor: um a cada três veículos do país são fiscalizados em blitz.

“Os estados que têm mais fiscalização, têm menos acidentes relacionados à combinação entre álcool e direção. Quando ele tem a sensação de que a fiscalização está presente, acaba sendo mais prudente”, explica Renato Campestrini.

Entre as unidades da federação analisadas, Pernambuco, Ceará, Alagoas, Amazonas, Rio de Janeiro, Bahia e Paraíba conseguiram reduzir para menos de 9% o número de motoristas flagrados em operações da Lei Seca. Esses mesmos estados são, pelas estatísticas, os que realizam o maior número de fiscalizações.

Semana do Trânsito

O tema da Semana Nacional de Trânsito de 2018 é Nós somos o trânsito. Prevista no Código Brasileiro de Trânsito (CBT) e organizada anualmente entre os dias 18 e 25 de setembro, a semana busca conscientizar condutores de veículos e motocicletas a respeitarem a legislação e ajudar a construir um ambiente viário mais seguro.

Segundo o Registro Nacional de Infrações de Trânsito, do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), entre as cinco principais infrações cometidas por motoristas e motociclistas estão excesso de velocidade, falta de cinto de segurança e avanço de sinal vermelho.

“Cerca de 95% dos acidentes são causados por falha humana ou falha mecânica por falta de manutenção, o que também não deixa de ser uma falha humana do condutor. É preciso mudar, de fato, a cultura no trânsito”, afirma Campestrini, do Observatório de Segurança Viária.

Segundo o especialista, além de reforçar a fiscalização no trânsito, com a realização de um maior número de fiscalizações, o país precisa avançar na formação dos seus condutores.

“A moto é, reconhecidamente, um dos veículos que causam o maior número de vítimas fatais no trânsito, mas, para tirar a habilitação, o motociclista faz a prova em circuito fechado, em primeira marcha, e apenas com o funcionamento do freio traseiro. Isso precisa ser revisto”, exemplifica.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

ELEIÇÕES 2018

TSE proíbe recado de Lula em propaganda eleitoral de Haddad

Publicado

em

© Ricardo Stuckert / Instituto Lula

O ministro Sergio Banhos, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), proibiu nesta segunda-feira (17) que o PT veicule propaganda eleitoral com a leitura de uma carta do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva em apoio a Fernando Haddad (PT).

A carta contém trechos como “e o nosso nome agora é Fernando Haddad” e “eu quero pedir de coração a todos que votariam mim, que votem no Haddad para presidente”.

AnuncianteClínica Fornari

Haddad substituiu Lula na cabeça da chapa presidencial. Lula teve a candidatura barrada pelo TSE por se enquadrar na lei da Ficha Limpa, já que foi condenado em segunda instância na Lava Jato.

Na decisão, o ministro afirma que o tempo destinado à leitura da carta supera os 25% do tempo autorizado em lei para um apoiador de uma candidatura.

Segundo Banhos, as frases “traduzem o apoio expresso do remetente ao novo candidato a presidente”.”Ocorre, todavia, que, em desrespeito à legislação eleitoral, quase 50% do tempo da propaganda eleitoral restou dedicado à leitura, por terceiros, dos termos da referida carta de apoio, intitulada ‘Carta de Lula ao Povo Brasileiro'”, escreveu o magistrado.

“Ou seja, a coligação representada excedeu ‘o limite de até 25% (vinte e cinco por cento) do tempo de cada programa ou inserção’, reservado para os apoiadores, conforme precisos termos do art. 54 da Lei no 9.504/1997”, acrescentou.

A propaganda foi contestada por Jair Bolsonaro (PSL), adversário de Haddad na corrida pela Presidência. Com informações da Folhapress.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

MAIS LIDAS - 24 HRS

error: Conteúdo protegido. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998