Connect with us

TSE

Campanha de Dilma ao Senado supera gastos de presidenciáveis

A petista já gastou mais que Marina Silva, Ciro Gomes e Jair Bolsonaro
Fabricio Oliveira

Publicado

em

© REUTERS


De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral, em um levantamento feito na última segunda-feira (10) com os 357 candidatos ao Senado Federal, Dilma Rousseff tem a campanha mais caro do Brasil até agora.

Segundo a coluna Poder, da Folha, a campanha da petista, que concorre a uma vaga por Minas Gerais, desembolsou R$ 3,06 milhões, valor que supera campanhas de alguns presidenciáveis, como Ciro Gomes (R$ 1,4 milhão), Marina Silva (R$ 1,8 milhão) e Jair Bolsonaro (R$ 825,6 mil).

Já a segunda campanha mais cara ao Senado é de Rodrigo Pacheco, do DEM, que também tenta uma vaga por Minas Gerais. Já foram gastos R$ 2,72 milhões.

Deixe sua opinião

Fonte: NOTÍCIAS AO MINUTO

POLÍTICA

Áudios revelam conversa entre Bebianno e Bolsonaro; Presidente diz que Globo é “inimiga”

Bebianno foi chamado de mentiroso ao dizer que falou com presidente depois que as candidaturas laranja vieram à tona. Ele foi demitido
Fabricio Oliveira

Publicado

em

FÁTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Áudios divulgados pelo site da revista Veja revelam que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o então ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno (PSL), travaram um intenso bate boca antes de a crise resultar na sua demissão. O imbróglio começou após denúncias de candidaturas laranja no PSL, sigla que ele comandava.

O ex-ministro chegou a ser chamado de mentiroso pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente da República, ao rebater uma entrevista de Bebianno ao jornal O Globo, em que ele afirmara ter conversado com o chefe do Executivo Federal por três vezes. Contudo, nesta terça-feira (19/2), trechos da conversa foram publicados, desmentindo Bolsonaro e o filho.

No bate-boca, Bolsonaro se mostra irritado com Bebianno. “Você conhece muito bem a imprensa, melhor do que eu. Agora: você não falou comigo nenhuma vez no dia de ontem. Ele esteve comigo 24 horas por dia. Então não está mentindo, nada, nem está perseguindo ninguém”, reclamou.

Bebianno adotou um tom ameno, na tentativa de remediar a situação. “Nós trocamos mensagens ontem três vezes ao longo do dia, capitão… Tira isso do lado pessoal. Ele não pode atacar um ministro dessa forma. Nem a mim nem a ninguém, capitão. Isso está errado. Por que esse ódio? Qual a relevância disso? Vir a público me chamar de mentiroso?”, retrucou.

Ele ainda complementou. “Eu só fiz o bem, capitão. Eu só fiz o bem até aqui. Eu só estive do seu lado, você sabe disso. Será que você vai permitir que o senhor seja agredido dessa forma? Isso não está certo, não, capitão. Desculpe”, argumentou, se referindo ao apoio à candidatura de Bolsonaro à presidência.

Entre outros assuntos, Bolsonaro acusa Bebianno de implantar notícias desfavoráveis ao governo na imprensa. Um dos casos citados é a fraude com dinheiro público para campanhas laranja do PSL, escândalo revelado pelo jornal Folha de S. Paulo. O então ministro nega e diz que ele está envenenado.

Bolsonaro responde com indignação. “Querer empurrar essa batata quente desse dinheiro lá pra candidata em Pernambuco pro meu colo, aí não vai dar certo. Aí é desonestidade e falta de caráter. Agora, todas as notas pregadas nesse sentido foram nesse sentido exatamente, então a Polícia Federal vai entrar no circuito, já entrou no circuito, pra apurar a verdade. Tudo bem, vamos ver daí… Quem deve paga, tá certo?”, encerra o presidente.

A GLOBO É “INIMIGA”

Em um dos áudios, Bolsonaro critica o ex-ministro por receber no Palácio do Planalto o vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Globo, Paulo Tonet Camargo.

Antes do áudio, Bebianno teria perguntado ao presidente se havia “algo contra” por receber o executivo da emissora da família Marinho. Bolsonaro, então, retruca: “Gustavo, o que eu acho desse cara da Globo dentro do Palácio do Planalto: eu não quero ele aí dentro. Qual a mensagem que vai dar para as outras emissoras? Que nós estamos se aproximando da Globo. Então, não dá para ter esse tipo de relacionamento”.

“Agora, inimigo passivo, sim. Agora… Trazer o inimigo para dentro de casa é outra história. Pô, cê tem que ter essa visão, pelo amor de Deus, cara. Fica complicado a gente ter um relacionamento legal dessa forma porque cê tá trazendo o maior cara que me ferrou – antes, durante e após a campanha – para dentro de casa. Me desculpa. Como presidente de República: cancela, não quero esse cara aí dentro. Ponto final”, concluiu.

“POR QUE ESSE ÓDIO?”

Em outro áudio enviado ao presidente, Bebianno lembra que é um pacificador, em contraste com a personalidade espinhosa de Carlos, e chegou a ser aceito no convívio com os militares que antes lhe rejeitavam – e volta a garantir que não faltou com a verdade. “Ontem eu falei com o senhor três vezes, sim”.

Bebianno – “Capitão, eu só prego a paz, o tempo inteiro. O tempo inteiro eu peço para a gente parar de bater nas pessoas. O tempo inteiro eu tento estabelecer uma boa relação com todo mundo. Minha relação é maravilhosa com todos os generais. O senhor se lembra que, no início, eu não podia participar daquelas reuniões de quartas-feiras, porque os generais teriam restrições contra mim? Eu não entendia que restrições eram aquelas, se eles nem me conheciam. O senhor hoje pergunte para eles qual o conceito que eles têm a meu respeito, sabe, capitão? Eu sou uma pessoa limpa, correta. Infelizmente não sou eu que faço esse rebuliço, que crio essa crise. Eu não falo nada em público. Muito menos agrido ninguém em público, sabe, capitão? Então quando eu recebo esse tipo de coisa, depois de um post desse, é realmente muito desagradável. Inverta, capitão. Imagine se eu chamasse alguém de mentiroso em público. Eu não sou mentiroso. Ontem eu falei com o senhor três vezes, sim. Falamos pelo WhatsApp. O que é que tem demais? Não falamos nada demais. A relevância disso… Tanto assunto grave para a gente tratar. Tantos problemas. Eu tento proteger o senhor o tempo inteiro. Por esse tipo de ataque? Por que esse ódio? O que é que eu fiz de errado, meu Deus?”

“NÃO VOU MAIS RESPONDER A VOCÊ”

Bolsonaro, aqui, deixa claro que trocar mensagens de áudio não configura “falar” com alguém. E abre uma nova frente de conflito. Acusa seu ministro de ter plantado uma nota em O Antagonista para envolvê-lo com a denúncia de laranjas do PSL em Pernambuco.

Bolsonaro – “Ô, Gustavo, usar da… Que usou do Whatsapp para falar três vezes comigo, aí é demais da tua parte, aí é demais, e eu não vou mais responder a você. Outra coisa, eu sei que você manda lá no Antagonista, a nota (sobre Bolsonaro não atender Bebianno) foi pregada lá. Dias antes, você pregou uma nota que tentou falar comigo e não conseguiu no domingo. Eu sabia qual era a intenção, era exatamente dizer que conversou comigo e que está tudo muito bem, então faz o favor, ou você restabelece a verdade ou não tem conversa a partir daqui pra frente.”

“É DESONESTIDADE E FALTA DE CARÁTER”

Bolsonaro – “Querer empurrar essa batata quente desse dinheiro lá pra candidata em Pernambuco pro meu colo, aí não vai dar certo. Aí é desonestidade e falta de caráter. Agora, todas as notas pregadas nesse sentido foram nesse sentido exatamente, então a Polícia Federal vai entrar no circuito, já entrou no circuito, pra apurar a verdade. Tudo bem, vamos ver daí… Quem deve paga, tá certo? Eu sei que você é dessa linha minha aí. Um abraço.”

“NÃO PLANTEI NADA”

Bebianno – “Capitão, a nota do Antagonista que o senhor tá me acusando de ter plantado… Se o senhor olhar bem, eu localizei aqui e mandei pro senhor. Eu não plantei nada. Ela replica o que a Folha falou. Está escrito aqui: “segundo a Folha, segundo a Folha, o ministro Gustavo Bebianno tentou ligar para Jair Bolsonaro neste domingo para explicar o caso, mas o presidente não atendeu”. Quem mencionou isso não foi o Antagonista, foi a Folha. O Antagonista simplesmente replicou. Então, capitão, eu não plantei nada em lugar nenhum, tá? Abraço.

“O SENHOR ESTÁ ENVENENADO”

Neste áudio, Bebianno explica seu papel nas verbas do PSL remetidas para Pernambuco, reafirma que é inocente no caso das candidaturas-laranja – e diz que o presidente está “bem envenenado”, deixando implícito que o envenenador é seu filho Carlos:

Bebianno – “Em relação a isso, capitão, também acho que a coisa está… Não está clara. A minha tarefa como presidente interino nacional foi cuidar da sua campanha. A prestação de contas que me competia foi aprovada com louvor, é… Agora, cada Estado fez a sua chapa. Em nenhum partido, capitão, a nacional é responsável pelas chapas estaduais. O senhor sabe disso melhor do que eu. E, no nosso caso, quando eu assumi o PSL, houve uma grande dificuldade na escolha dos presidentes de cada Estado, porque nós não sabíamos quem era quem. É… Cada chapa foi montada pela sua estadual. No caso de Pernambuco, pelo Bivar, logicamente. Se o Bivar escolheu candidata laranja, é um problema dele, político. E é um problema legal dela explicar o que ela fez com o dinheiro. Da minha parte, eu só repassei o dinheiro que me foi solicitado por escrito. Eu tenho tudo registrado por escrito. Então é ótimo que a Polícia Federal esteja, é ótimo que investigue, é ótimo que apure, é ótimo que puna os responsáveis. Eu não tenho nada a ver com isso. É… Depois a gente conversa pessoalmente, capitão, tá? Eu tô vendo que o senhor está bem envenenado. Mas tudo bem, a minha consciência está tranquila, o meu papel foi limpo, continua sendo. E tomara que a polícia chegue mesmo à constatação do que foi feito, mas eu não tenho nada a ver com isso. O Luciano Bivar que é responsável lá pela chapa dele. Abraço, capitão.”

Deixe sua opinião

Continue Lendo

Novo Governo

Bolsonaro assina Projeto de Lei Anticrime

Alex Mesmer

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro assinou hoje (19), em solenidade no Palácio do Planalto, o Projeto de Lei Anticrime. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, responsável pelo texto, deve ir ao Congresso nesta tarde para protocolar a proposta, dando início à tramitação do projeto.

O governo tratou das alterações das competências da Justiça Eleitoral em um projeto de lei complementar e a tipificação do caixa dois como crime em um projeto de lei ordinária. A proposta de criminalização do caixa dois será apresentada em um projeto separado. De acordo com o Moro, a decisão partiu das reclamações de agentes políticos de que caixa dois é um crime grave, mas não tem a mesma gravidade que corrupção, crimes organizado ou crimes violentos.

“Então acabamos optando por colocar a criminalização [de caixa dois] em um projeto à parte, mas que está sendo encaminhado no mesmo momento. Foi o governo ouvindo reclamações razoáveis dos parlamentares quanto a esse ponto e simplesmente adotando uma estratégia diferente”, explicou o ministro.

Como a prática de caixa dois estava prevista apenas na legislação eleitoral, segundo o ministro, agora ele poderá ser tipificado adequadamente como crime. “Caixa dois não é corrupção. São dois crimes e os dois são graves”, disse Moro.

Pacote

Na cerimônia, Moro afirmou que o pacote é uma sinalização de que o governo “não será condescendente com a criminalidade, especialmente a criminalidade mais grave”. O ministro lembrou que a proposta foi uma promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro, e que ainda que o texto trate de medidas pontuais, dividida em três diferentes textos, será suficiente para o combate à corrupção, o crime organizado e o crime violento.

“A compreensão do governo é de que estes três problemas estão relacionados. O crime organizado é um fator de incremento dos crimes violentos. A corrupção esvazia recursos e a eficacia de politicas públicas direcionadas ao crime organizado e o crime violento”, afirmou.

Sergio Moro classificou como medidas “concretas e fortes” as propostas que chegam hoje ao Congresso. Outra proposta trata de pontos como a condenação sem segunda instância, regras para o Tribunal do Juri, meios de investigação sofisticados, bancos nacionais com dados relevantes e política mais dura com relação à criminalidade grave.

“O pacote não resolve todos os problemas. Existem medidas executivas em andamento para que essas questões sejam resolvidas, mas esse pacote é importante para caminhar na direção certa, para iniciar um ciclo virtuoso que, esperamos, leve progressivamente à redução desses problemas”, disse o ministro.

Leis

As medidas, que incluem alterações em 14 leis, como o Código Penal, o Código de Processo Penal, a Lei de Execução Penal, a Lei de Crimes Hediondos, o Código Eleitoral, entre outros, são consideradas uma das vitrines do governo. O pacote começou a ser construído ainda no período do governo de transição pela equipe de Moro e busca formas de endurecer o combate a crimes violentos, como o homicídio e o latrocínio, e também contra a corrupção e as organizações criminosas.

Entre as medidas do texto está a elevação de penas para crimes com arma de fogo e o aprimoramento do mecanismo que possibilita o confisco de produto do crime, permitindo o uso do bem apreendido pelos órgãos de segurança pública. O projeto pretende deixar claro que o princípio da presunção da inocência não impede a execução da condenação criminal após segunda instância.

Outra proposta é a reforma dos dispositivos sobre crime de resistência, introduzindo soluções negociadas no Código de Processo Penal e na Lei de Improbidade. O texto conta também com medidas para assegurar o cumprimento da condenação após julgamento em segunda instância, aumentando a efetividade do Tribunal do Júri.

Sergio Moro também defende tipificar como crime o chamado caixa 2, que é arrecadar, manter, movimentar ou utilizar valores que não tenham sido declarados à Justiça Eleitoral.

Outro ponto conceitua organizações criminosas e prevê que seus líderes e integrantes, ao serem encontrados com armas, iniciem o cumprimento da pena em presídios de segurança máxima. Condenados que sejam comprovadamente integrantes de organizações criminosas não terão direito a progressão de regime. A proposta ainda amplia – de um para três anos – o prazo de permanência de líderes de organizações criminosas em presídios federais.

Previdência

Mais cedo, antes da cerimônia, o presidente Jair Bolsonaro comandou a primeira reunião ministerial após ter alta do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, na última quarta-feira (13). Na conversa com o primeiro escalão de seu governo, Bolsonaro e sua equipe econômica detalharam a proposta de reforma da Previdência, às vésperas da entrega do texto ao Congresso.

A mudança da legislação previdenciária prevê idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres dos setores público e privado, com 12 anos de transição para quem está próximo dessas idades. A estimativa de economia com a aprovação da reforma é de R$ 800 milhões a R$ 1 trilhão, em dez anos.

O texto deverá ter uma autorização para os estados cobrarem alíquota extra dos servidores públicos a fim de cobrir o rombo da Previdência estadual. Os governadores vão se reunir em Brasília, amanhã (20), para debater a proposta com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

Lava Jato em Rio Preto

PF faz buscas em imóvel de Aloysio Nunes em Rio Preto

Alex Mesmer

Publicado

em

A Polícia Federal de Rio Preto cumpre mandados de busca e apreensão de documentos em imóveis do ex-ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes (PSDB). Ele é alvo da 60ª operação Lava Jato com sede em Curitiba.  As informações são do jornal Diário da Região.

Agentes federais foram a um imóvel de Aloysio em Rio Preto e no seu apartamento em São Paulo. Eles estavam acompanhados de técnicos da Receita Federal.

O objetivo na cidade é apreender documentos, além de apurar “a existência de um complexo método de lavagem de dinheiro envolvendo o repasse de quantias milionárias ao chamado setor de operações estruturadas da Odebrecht.”

A partir de delações de funcionários da empreiteira, a PF apura esquema que envolve R$ 100 milhões. Cerca de 50 policiais federais participam da operação.

Os mandados foram expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba, no Paraná. A operação foi batizada como “Ad Infinitum”.

Considerado o operador financeiro do PSDB, Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, foi preso na Capital durante a operação. A PF cumpre mandados ainda em Guarujá e em Ubatuba. No total são 12 mandados de busca e apreensão.

Atualmente, Aloysio é presidente da Invest SP, nomeado pelo governador João Doria (PSDB). O órgão é a porta de entrada para novos investimentos no Estado.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

Porto Velho

PMs fazem surpresa pra menino autista sem amigos para o aniversário

Na noite do aniversário, a mãe fechou as cortinas da janela da casa e logo depois três policiais chegaram na viatura da PM, com sirene e giroflex ligados, cantando “Parabéns a você”.
Fabricio Oliveira

Publicado

em

Matheus, a mãe e os PMs - Foto: arquivo pessoal

Policiais Militares fizeram uma supresa incrível para um menino autista que estava triste por falta de amigos para a festa de aniversário. Matheus Viana Freitas disse para a mãe que tinha apenas dois coleguinhas para incluir na lista da festa de aniversário de 11 anos.

Preocupada, a mãe do menino contou para amigas sobre a tristeza do filho e também a respeito do sonho dele em ser policial para proteger a população. As amigas conversaram com policiais de Rio Crespo, em Rondônia e eles toparam fazer uma surpresa para Matheus.

A surpresa

Na noite do aniversário, a mãe fechou as cortinas da janela da casa e logo depois três policiais chegaram na viatura da PM, com sirene e giroflex ligados, cantando “Parabéns a você”. Matheus viu os policiais entrando com um bolo de aniversário e um pacote com presente. O barulho todo atraiu outras crianças da rua.

O garoto vibrou quando abriu o pacote e viu que havia ganhado uma farda. Os PMs conseguiram um uniforme mirim em Porto Velho. A ‘manta militar’ foi bordada com nome e tipo sanguíneo de Matheus.

Sucesso

A festa surpresa de aniversário do menino foi no último fim de semana e repercutiu nas redes sociais de Rondônia. Tânia Viana contou que o filho começou a preparar a lista de aniversário, mas, como queria convidar somente os verdadeiros amigos, parou de escrever na segunda linha da folha.

A mãe então perguntou se ele não chamaria os amigos da escola e ele respondeu que não. “Meu filho disse apenas: ‘Eles não são meus amigos de verdade, ninguém me respeita’”, conta Tânia.

Os nomes dos policiais que fizeram a boa ação não foram divulgados.

Deixe sua opinião

Continue Lendo

MAIS LIDAS - 24 HRS