Oi, o que você está procurando?

clima

Sem previsão de chuvas região está há quatro meses enfrentando estiagem

No período de 1º de abril a 20 de julho de 2017, conforme registro do Centro Integrado de Informações Agrometeorológicas (Ciiagro), órgão vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, choveu 350,5 milímetros e foram 25 dias de chuva. No mesmo período deste ano, chegou apenas 83,3 milímetros em 7 dias. Em Araçatuba não há previsão de chuva para os próximos dias.

Segundo o meteorologista Bruno Maon, do Clima Tempo, a última chuva significativa em Araçatuba foi registrada no dia 3 de abril e desde então choveu apenas 6,8 mm na cidade. “Isso faz deste inverno o mais seco desde que se iniciaram as medições do CIIAGRO na cidade, em 1996. Essa ausência de chuva se deve a um forte bloqueio atmosférico, que está bem mais intenso que o normal neste ano de 2018, e impede que as frentes frias consigam chegar à região de Araçatuba. Sem as frentes frias, não tem chuva e não tem frio. Então este inverno tem sido marcado pela secura acima do normal e pelas temperaturas bem acimas da média também. Os dias frios foram esporádicos e as baixas temperaturas ficam restritas às noites. Ainda não tivemos nenhuma tarde fria em Araçatuba neste ano, com temperatura abaixo de 20°C”, diz Bruno Maon.

Segundo o especialista, a tendência é que este bloqueio continue atuando sobre o estado de São Paulo pelo menos nas próximas três semanas, mantendo o tempo seco e a temperatura alta. Ou seja, não há previsão de chuva para as próximas três semanas em Araçatuba.

AGROPECUÁRIA

Com a longa estiagem, a atividade agropecuária está sofrendo as consequências. O milho safrinha teve perda de aproximadamente 50%. No entanto, há produtores que tiveram perda total, de 100%. De acordo com os números divulgados pelo Escritório de Desenvolvimento Rural (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral), a última a quebra de safra de milho-safrinha foi da ordem de 48,17%: a previsão atual é de um rendimento de 2673 kg/ha contra uma previsão inicial de 5157 kg/ha. Isto reflete num prejuízo financeiro da ordem de 39,2 milhões de reais considerando a cotação de R$ 36,20/sc 60 kg (média dos últimos 3 meses).

RESERVATÓRIOS DAS USINAS

Os reservatórios das usinas da região estão sendo mantidos elevados, mesmo com a longa estiagem. O Operador Nacional do Sistema, que controla a vazão e o nível dos reservatórios, fez algumas movimentações para elevar o nível. Em julho do ano passado os reservatórios das usinas de Ilha Solteira e Três Irmãos estão na cota 326,3 metros acima do nível do mar. Agora, estão na cota 327,3 metros. Isso garante a manutenção da navegação. O volume útil dos reservatórios, que estava abaixo de 70%, agora está acima de 80%, garantindo normalidade da geração de energia.

INCÊNDIOS

Com a longa estiagem, os incêndios se multiplicam. Castilho e Andradina estão sofrendo com queimadas. Na quinta-feira, Andradina foi atingida por um grave incêndio que durou aproximadamente 12 horas. Nesta sexta-feira sugiu a informação em redes sociais de que o incêndio teria começado em trabalho da concessionária Elektro e que até mesmo um caminhão foi atingido. Porém, o Corpo de Bombeiros negou esta informação.

O incêndio de Andradina chegou muito próximo do Frigorífico Friboi, o maior empregador do município. Equipes foram mobilizadas para combater as chamas. O fogo começou por volta de 11 horas e só foi controlado totalmente após as 22 horas. (Com Informações: Antônio Crispim – O Liberal Regional)

Os comentários aqui não refletem a opinião do site, e são de responsabilidade do autor. O comentário NÃO É PUBLICADO automaticamente em seu Facebook, fique tranquilo!