CONECTE CONOSCO

FUTEBOL

Saiba tudo sobre a cerimônia de abertura da Copa do Mundo da Rússia

Ronaldo Fenômeno, Robbie Williams e Aida Garifullina são as atrações da festa inicial do Mundial

Publicado em



A cerimônia de abertura da Copa do Mundo acontecerá na próxima quinta-feira (14), pouco antes da partida entre Rússia e Arábia Saudita, e contará com três estrelas internacionais que irão encantar os torcedores no Estádio Luzhniki, em Moscou.

Trata-se da estrela britânica Robbie Williams e da famosa soprano russa Aida Garifullina, que vão misturar ritmos numa dobradinha diferente. Além deles, participará da festa a lenda do futebol Ronaldo Fenômeno, bicampeão da Copa da Fifa com o Brasil.

“Estou muito feliz e animado para voltar à Rússia para uma performance tão única. Fiz muitas coisas na minha carreira, mas abrir a Copa do Mundo para 80 mil torcedores no estádio e muitos milhões em todo o mundo é um sonho de infância”, disse Robbie Williams.

A cerimônia inaugural da Copa do Mundo da FIFA 2018 terá um formato um pouco diferente em relação às edições anteriores do evento. Desta vez, a cerimônia se concentrará nas apresentações musicais e acontecerá muito mais perto do pontapé inicial; apenas meia hora antes do início do jogo, que está marcado para às 18:00 da hora local (12h de Brasília).

Claro, uma coisa permanecerá a mesma: o tema básico que consiste em honrar não só o futebol, mas também o país anfitrião; nesta ocasião, através de uma performance comovente de uma das vozes mais aclamadas da Rússia, Aida Garifullina.

“Eu nunca imaginei que eu seria parte desta grande festa, a Copa do Mundo, e que isso iria acontecer no meu país”, disse a solista do Vienna State Opera.

“O jogo inaugural é sempre muito simbólico; é nesse instante que você percebe que o grande momento que você esperou por quatro anos, como jogador ou fã, finalmente chegou. Ninguém sabe o que vai acontecer nas quatro semanas do campeonato, mas todo mundo tem certeza de que será memorável “, afirmou Ronaldo.

A produção do show será realizada pelo canal russo Channel One e, mais uma vez, será dirigida por Felix Mikhailov, a mente criativa que tem feito parte das principais cerimônias realizadas durante a viagem da Copa do Mundo de 2018; do sorteio preliminar em 2015 até a cerimônia de encerramento antes do final de 15 de julho.

“Temos o prazer de apresentar um novo formato para as cerimônias de abertura e encerramento da Copa do Mundo da FIFA, em termos de duração e hora de início, mais perto do pontapé inicial”, disse Mikhailov.

“Ao mesmo tempo, a ação se estenderá além do estádio, abrangendo a cidade e os arredores de Luzhniki. A cerimônia de abertura será co-dirigida por minha amiga Ilya Averbukh, que trouxe uma nova cor ao show no campo. E, claro, nosso evento será sobre futebol e amor”, acrescentou.

Deixe sua opinião

Fonte: NOTÍCIAS AO MINUTO
Anunciante

BOA AÇÃO

Corinthians acolhe e dá emprego a imigrantes africanos

Dois amigos ganharam uma oportunidade do clube e estão desempenhando um excelente trabalho no Corinthians

Publicado em

O eletricista Komlan Bolouvi e a contadora Rissikatou Modoukpe não estavam satisfeitos com a situação política e a falta de trabalho em seus respectivos países, duas pequenas nações africanas: Togo e Benin. Depois de tentar sem sucesso um visto de permanência na Europa, Komlan pesquisou na internet países mais acolhedores para estrangeiros e decidiu imigrar para o Brasil em 2017. Ele veio na frente e facilitou a chegada da amiga Rissi. Hoje, os dois são funcionários do Parque São Jorge, sede administrativa do Corinthians.

Rissikatou, ou apenas Rissi, trabalhava no Ministério do Turismo no Benin. Ela conta que a situação do país da costa ocidental da África vinha bem até 2015. Nessa época, a economia baseada no algodão, que corresponde a 80% da exportação, começou a ruir. Casos de corrupção no governo, desemprego e crescente desigualdade social fizeram com que Rissi decidisse sair. Em 2017, deixou seu filho, então com três anos, e apostou no Brasil.

Aqui, ela vê enormes semelhantes com sua terra natal, colônia francesa até 1960. Não é uma apenas uma impressão pessoal. Entre os séculos XVII e XIX, o País recebeu um grande fluxo de escravos da região do reino de Daomé, onde está hoje o Benin. Os historiadores apontam que a costa ocidental tem pratos parecidos com o acarajé e a feijoada e adota uma espécie de candomblé.

Mas o diploma de Ciências Contábeis de Rissi não foi reconhecido aqui. Ela foi acolhida por Ana Canadá, gerente de Esportes Aquáticos do Corinthians, e chegou a trabalhar como empregada doméstica. Hoje, ganhou uma oportunidade na área de limpeza das piscinas do clube. “Ela foi um anjo para mim”, diz a africana.

Rissi começou a estudar novamente depois que ganhou uma bolsa de estudos da Universidade Brasil, patrocinadora do Corinthians, no programa Esporte com Educação. A cada vitória, gol marcado, partida sem sofrer gol e rodada na liderança do Campeonato Brasileiro renderam uma bolsa de estudo. No ano passado, foram 57 benefícios. A doação se dirige os funcionários, trabalhadores com renda de até dois salários mínimos e atletas do futebol feminino. “Tive dificuldades psicológicas para entender que não podia trabalhar com contabilidade no Brasil, mas hoje eu aceitei. Quero me estabilizar e trazer meu filho para cá”, diz a beninense.

Komlan chegou ao Brasil antes de Rissi. Ele estava insatisfeito com a questão política de Togo, que vive uma das mais longas ditaduras do continente africano. Hoje, o país é chefiado por Faure Gnassingbe que está no poder desde 2005. Ele é filho do general Gnassingbe Eyadema, que já havia governado o país com uma ditadura durante 38 anos. “Você não pode falar sobre política. Se falar, você simplesmente desaparece”, conta.

A falta de liberdade política se reflete na economia nacional, opina Komlan. “O país não evolui. Os ricos estão cada vez mais ricos”. A agricultura é a principal fonte de receitas com o plantio de mandioca, algodão, milho, frutas, café e cacau. O setor industrial é pouco diversificado. Mais da metade dos togoleses vive com menos de 1,25 dólar por dia, quantia considerada insuficiente para suprir as necessidades básicas. Esse fato se reflete no alto índice de subnutrição (37%), na baixa expectativa de vida (58 anos) Apenas 10% das casas têm saneamento.

Depois de enfrentar situações de discriminação na Europa, Komlan pesquisou na internet e consultou os amigos sobre países que poderiam aceitá-lo. Com o apoio de africanos que já estavam no Brasil, conseguiu a documentação de permanência. Dono de um diploma de Educação Física, ele também se formou como Eletricista no Serviço Nacional da Indústria (Senai) e conseguiu um emprego como auxiliar de Serviços Gerais no Corinthians. Hoje, cuida da manutenção das quadras de tênis. “Ninguém pode falar mal do Corinthians perto de mim”, sorri Komlan.

Ele sente saudades do filho de 12 anos e da mãe. Diz que só com Deus no País, mas que não se sente sozinho. “O Brasil gosta muito de mim e eu gosto muito do Brasil”.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

Futebol

Real Madruga sofre primeira derrota fora de casa, mas segue vivo no Campeonato Paulista

Publicado em

Foto: Divulgação

Com um jogo muito equilibrado, a equipe do Real Madruga voltou as quadras nesta noite de sábado, dia 18/05, contra o time da ADVAZTUR Futsal em Marilia. Com o placar de 2×1, o Real Madruga teve a sua primeira derrota na competição, mas se mantem vivo e busca a classificação nas próxima partida.

Kletinho foi o autor do único gol da equipe de Araçatuba, perguntado sobre o desempenho da equipe fora de casa, o jogador disse ‘’ no primeiro tempo tivemos chance de fazer os gols com ataques com um homem a mais, infelizmente fizemos algumas escolhas erradas na hora de concluir. Já o segundo gol, foi balde de água fria no final do jogo empatado, tomamos o gol de goleiro linha e perdemos 3 pontos que seriam importantes fora de casa’’ relatou o fixo.

Já Leandro Luz, técnico do Real Madruga comentou sobre a atuação do time ‘’ Nossa equipe ontem falhou muito no que temos de melhor, transições em velocidade, fizemos as escolhas erradas e desperdiçamos várias situações claras de gol. Depois como punição, tomamos o gol. Agora é reconhecer nossas falhas, ajustar alguns movimentos e nos motivar para fazermos um grande jogo diante da nossa torcida’’ disse o técnico.

Agora a equipe araçatubense volta as quadras no dia 01/06 contra Sertãozinho em casa no Henny Ferraz Homem as 19:00 na busca de mais uma classificação no campeonato paulista A1. (Assessoria de imprensa)

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

futebol

Fora de casa, Corinthians vence o Athletico-PR pelo Brasileirão

Publicado em

Após dois empates seguidos, o Corinthians voltou a vencer no Campeonato Brasileiro. Pela quinta rodada, o Timão bateu o Athletico-PR por 2 a 0 neste domingo (19), na Arena da Baixada, e somou três pontos.

Com o resultado, o time paulista subiu para o oitavo lugar, com oito pontos. O Furacão, com sete, aparece na décima posição.

Jogando com o time titular, o Corinthians levou a melhor diante da equipe reserva do Athletico-PR. No entanto, o primeiro tempo da partida em Curitiba foi de poucas oportunidades para os dois lados.

O Timão abriu o placar aos 13 minutos, quando Jadson cruzou da esquerda para Vagner Love desviar de cabeça e fazer 1 a 0. Nos instantes finais, o Furacão teve a chance do empate na cabeçada de Lucas Halter, que foi para fora.

No segundo tempo, o time da casa seguiu criando boas jogadas. Em uma delas, Marcelo Cirino foi lançado em velocidade, entrou na área e finalizou para boa defesa de Cássio.

O Corinthians, que foi administrando o resultado com tranquilidade, ainda ampliou aos 41 minutos. Fagner lançou a bola para o ataque, Pedrinho aproveitou erro de Lucas Halter e cabeceou para fechar o placar: 2 a 0.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

ESPORTE

Tiro com arco atrai praticantes em Araçatuba

Modalidade começou a ser praticada no ano passado; agora, grupo quer formar equipe para representar a cidade em competições oficiais

Publicado em

Adeptos se reúnem no primeiro dia útil da semana, das 19h às 22h, no Recinto de Exposições Clibas de Almeida Prado

Quem passa perto do recinto de exposições Clibas de Almeida Prado, em Araçatuba (SP), às segundas-feiras à noite pode estranhar as luzes ligadas do pavilhão comercial. Ali, flechas voam em direção a alvos colocados a 18 metros de distância, disparadas por pelos praticantes de um esporte que chegou recentemente à cidade, o tiro com arco, popularmente conhecido como arco e flecha.

O grupo se reúne no primeiro dia útil da semana, das 19h às 22h, e tem a pretensão de formar uma equipe para representar a cidade em competições oficiais da CBTA (Confederação Brasileira de Tiro com Arco).

As aulas para iniciantes começaram em agosto de 2018, por meio de uma parceria do SIRAN (Sindicato Rural da Alta Noroeste) com o técnico Reinaldo Macari, de São José do Rio Preto (SP). Quinze alunos participaram das atividades teóricas e práticas, que foram finalizadas em dezembro.

Depois disso, um terço da turma decidiu continuar com os treinos, sendo que dois fizeram questão de adquiriram arcos profissionais. Todos os equipamentos são disponibilizados por Macari (arco, flecha, braçadeira, dedeira, alvo).

O técnico ressalta que a prática do tiro com arco apresenta grande amplitude de idade (em Araçatuba, por exemplo, são aceitas crianças a partir dos 8 anos), e inclui pessoas com deficiências (PCDs). O zootecnista Carlos Belluzzo é um dos esportistas.

“Os resultados são muito claros. Percebo, por exemplo, que ganhei controle do equilíbrio do corpo enquanto mantenho a concentração no tiro. E quanto mais pratico, mais a minha musculatura se acostuma a me manter firme. No fim das contas, quanto maior a concentração na mira, menos eu me distraio e me mantenho focado nas tarefas cotidianas”, comenta Belluzzo.

BENEFÍCIOS

Macari, que além de técnico é competidor em provas estaduais e nacionais, destaca diversos benefícios desse esporte, como o condicionamento físico proporcionado, que melhora os músculos das costas e a postura coporal.

“Trata-se de uma atividade física que também ajuda a melhorar o foco, a concentração e as habilidades de atenção. Sem falar que contribui com a autoconfiança. Independentemente dos resultados obtidos no alvo, cada arqueiro é capaz de tirar satisfação com um maior ou menor grau, de ter vencido uma batalha mental pessoal”, explica.

Como curiosidade, Macari conta que o lendário herói da Idade Média, Robin Hood, dá nome a uma das jogadas mais raras do tiro com arco: aquela em que o atleta consegue acertar a parte de trás de uma flecha que já está fincada no alvo e, assim, parti-la ao meio. Quando isso ocorre, o atleta pode levar a flecha para casa para guardá-la como troféu. “Quem sabe descobrimos algum Robin Hood aqui em Araçatuba”, brinca o técnico.

 

DA PRÉ-HISTÓRIA ÀS OLIMPÍADAS

A história do tiro com arcos remonta à Pré-História, quando os homens utilizam o arco e flecha como instrumento de caça ou armamento de guerra. Mas nesse período, a prática era utilizada muito mais como necessidade do que propriamente como esporte ou diversão.

Foi a partir de meados do século XVI, que o tiro com arco começou a ser tratado como um esporte, e foram criados os primeiros torneios. O mais antigo que se tem registro ocorreu em 1673. Em 1900, em Paris (França), o tiro com arco foi inserido nos Jogos Olímpicos.

O tiro com arco no Brasil chegou ao Brasil graças a um idealista, comissário de voo da Panair do Brasil, Adolpho Porta, na década de 1950.

O reconhecimento da modalidade praticada no Brasil, em nível internacional, ocorreu no início da década de 1970, quando era ligada à CBF (Confederação Brasileira de Futebol), que possuía um departamento que atendia a alguns esportes, incluindo o tiro com arco.

Posteriormente, os esportes que compunham o departamento da CBF tiveram condições de criar sua própria confederação, a CBDT, Confederação Brasileira de Esporte Terrestre.

Sob a coordenação da CBDT e filiada à FITA (Federação Internacional de Tiro com Arco), os atletas brasileiros tiveram a oportunidade de disputar vários torneios, como Jogos Pan-Americanos, mundiais e Olimpíadas (4 edições – 1980 – Moscou, URSS, 1984 – Los Angeles, USA, 1988 – Seul, Korea, 1992 – Barcelona, Espanha).

O crescimento de federações estaduais e número de atletas possibilitou a criação da Confederação Brasileira de Tiro com Arco, em 1991, criando assim condições para o desenvolvimento do esporte de maneira mais específica e efetiva.

Deixe sua opinião

CONTINUE LENDO

©2018 Regional Press- Direitos Reservados | Vamos fazer um site? Logo RC Criativa